Jacobabad, Paquistão

Na cidade mais quente do mundo, os 32°C são amenos mas não evitam a violação dos direitos humanos

| 29 Out 2021

Nos últimos quatro verões, a cidade paquistanesa de Jacobabad ultrapassou com frequência os 50°C. Uma situação que tem origem nas alterações climáticas e, denuncia a Amnistia, consequência nos direitos humanos: por exemplo, o abandono escolar tem crescido entre as crianças, que não se sujeitam a andar quilómetros debaixo de altas temperaturas para chegar a escolas sem qualquer protecção contra o calor.

Paquistão, Jacobabad, direitos humanos, emergência climática, Amnistia Internacional

Habitante da cidade paquistanesa de Jacobabad a tentar proteger-se do calor. A Amnistia Internacional denuncia que as alterações climáticas já têm consequências gravosas nos direitos humanos. Foto © Shakil Adil

 

Para esta sexta-feira, 29 de Outubro, prevê-se que a temperatura máxima atinja os 32°C e a mínima, de madrugada, terá ficado pelos 21°C. Temperaturas amenas se considerarmos que Jacobabad, cidade paquistanesa a cerca de 500 quilómetros para norte de Karachi e da costa, chegou já, pelo menos nos últimos quatro verões, a valores acima dos 50°C, um limite que os cientistas descrevem como “mais quente do que o corpo humano pode suportar”.

A cidade está situada a 28°16’ de latitude Norte, um pouco acima do Trópico de Câncer. Em Maio de 2020, uma investigação da Universidade de Loughborough identificou apenas Jacobabad e Ras al Khaimah (nos Emirados Árabes Unidos) como as duas únicas cidades do mundo a atingir esse estado.

Esta situação é agora analisada pela Amnistia Internacional (AI), numa investigação com o título Inabitável para Humanos, que aquela organização de defesa dos direitos humanos divulgou quinta-feira, 28, a propósito da COP26, a cimeira do Clima que no domingo se inicia em Glasgow (Escócia). Na cidade paquistanesa, “os níveis de calor e humidade eram tão elevados que o corpo humano já não conseguia arrefecer através da transpiração – condições que podem ser fatais em poucas horas”, diz o documento.

Ainda em Julho, o jornal The Indian Express explicava que “a mistura de calor e ar húmido do Mar Arábico contribuiu para que Jacobabad atravessasse temperaturas de 52 graus Celsius, o que poderia ser potencialmente fatal para os seres humanos”.

Os habitantes da cidade, diz o relatório da Amnistia, inventam soluções para tentar minimizar os efeitos dessas temperaturas: ventiladores “alimentados por burros” e enormes blocos de gelo para arrefecer o chão, são duas delas. Os trabalhadores agrícolas utilizam muitas vezes “bombas manuais para tomar duches rápidos ou saltam para águas residuais sujas, o que os deixa vulneráveis a infecções cutâneas”. Shah Bux, um residente citado no relatório, conta que “as crianças vão para a cama com roupa molhada, por ser a única forma de conseguirem dormir”.

Como em muitas outras situações, também neste caso as mulheres sofrem mais, pois “não têm o mesmo acesso aos mecanismos de refrigeração que os homens”. Explica o relatório: “A convenção social determina que as mulheres não podem tomar banhos de água rápidos em público como os homens fazem, nem podem saltar para zonas de água como é permitido às crianças. Além disso, são muitas vezes obrigadas a dormir dentro de casas abafadas porque dormir ao ar livre pode expô-las à violência sexual e de género.”

A pobreza que domina a cidade, aliada a diversas práticas de exploração laboral, faz com que os cerca de 5.000 trabalhadores que produzem mil tijolos por menos de cinco dólares por dia sejam das pessoas com mais risco à exposição de altas temperaturas: além de trabalharem junto a fornos a altas temperaturas ao ar livre, muitas vezes não têm também qualquer protecção contra o calor.

“É difícil respirar quando está tanto calor, mas se eu descansar, a minha família e eu passaremos fome. Então como posso fazer uma pausa?”, pergunta Gulab Birohi, 70 anos, trabalhador agrícola e do forno de tijolos, também citado no relatório da Amnistia.

 

Crise climática já é uma realidade diária

Este novo documento da AI é mais um dos relatórios que a organização divulgou recentemente e que estabelecem relação entre as alterações climáticas e os direitos humanos. Entre eles, estão o documento sobre a seca que já atinge Madagáscar, referido há dois dias pelo 7MARGENS. Esta situação, dizem as Nações Unidas, pode ser a primeira vaga de fome, resultante das alterações climáticas, no mundo”. Também em Angola, uma seca grave no sul de Angola levou já à fuga de milhares de pessoas, conforme outro relatório da Amnistia divulgado em Julho, que dizia que muitas comunidades pastoris foram expulsas das suas terras.

A investigação agora publicada sobre Jacobabad é acompanhada de um ensaio fotográfico de Shakil Adil, que procura documentar a vida e o quotidiano em Jacobabad. As fotos mostram “o impacto das alterações climáticas nos direitos humanos”, sublinhando os efeitos que a crise climática está já a ter para muitas das pessoas mais pobres do mundo, nos campos da saúde, da educação e do ambiente saudável, entre outros.

O relatório sobre esta cidade paquistanesa da província de Sindh, com as suas imagens e testemunhos, deve “servir para lembrar aos participantes na COP26 que a riqueza dos países industrializados, construída sobre combustíveis fósseis e práticas insustentáveis, pôs em perigo a sobrevivência de milhões de pessoas em todo o mundo, particularmente nos países em desenvolvimento”, afirmou Rimmel Mohydin, responsável de campanha do Sul da Ásia da Amnistia Internacional.

“Para o povo de Jacobabad, como muitos outros em todo o mundo e particularmente no Sul global, a crise climática não é uma ameaça distante, mas uma realidade diária. Não há mais tempo para hesitações, tácticas dilatórias e soluções mal cozinhadas, quando os direitos humanos das pessoas já estão sob uma ameaça sem precedentes.”

O documento da AI acrescenta à lista de problemas também a desflorestação desenfreada, escassez de energia, falta de acesso à água e habitação. “A maioria das escolas não tem electricidade e permanecem em grande parte inacessíveis, devido à falta de transportes públicos. A relutância em percorrer grandes distâncias debaixo de calor até às escolas inadequadamente equipadas para as proteger das altas temperaturas, tem causado o abandono do ensino por parte de muitas crianças”, diz o relatório.

A Amnistia considera que o Governo paquistanês tem estado “activo na questão das alterações climáticas, chamando consistentemente a atenção para a sua vulnerabilidade e falta de responsabilidade pela crise”. O Governo anunciou entretanto várias medidas de combate à emergência climática, “mas os residentes de Jacobabad ainda não colheram os benefícios”, nota a AI: não há reflorestação, nem fontes de energia renováveis e a assistência e informação para lidar com as ondas de calor também continua a ser confusa.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim” novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This