Diálogo revelado esta segunda-feira

Na conversa com os jesuítas portugueses, Francisco respondeu às perguntas todas, todas, todas… mesmo as mais imprudentes

| 28 Ago 2023

Papa Francisco durante encontro com jesuítas em Portugal, 5 de agosto de 2023, Colégio de São João de Brito. Foto Vatican Media, via Ponto SJ

O Papa encontrou-se com os jesuítas portugueses na tarde de 5 de agosto, no Colégio de São João de Brito, em Lisboa. Foto © Vatican Media, via Ponto SJ.

 

O clericalismo que se “infiltra” nos padres e nos leigos, os “grupos americanos” que se opõem à mudança na Igreja e “vivem de ideologias”, a importância de ajudar “todos, todos, todos” – incluindo homossexuais e transgénero – a encontrar o seu espaço na Igreja, e a “alegria” que tem sido para si a preparação do Sínodo: estes foram alguns dos temas que Francisco abordou na longa conversa com os jesuítas em Portugal, que aconteceu no passado dia 5 de agosto, à margem da Jornada Mundial da Juventude, e publicada esta segunda-feira, 28, no Ponto SJ, em simultâneo com a Revista italiana La Civiltà Cattolica.

“Façam-me perguntas! Perguntem o que quiserem. Não tenham medo de ser imprudentes nas perguntas”, começou por desafiar o Papa, dirigindo-se aos seus “companheiros” jesuítas em Portugal. Francisco fez questão de deixar bem claro logo de início: queria que o diálogo, que decorreu no Colégio de São João de Brito (uma escola da Companhia de Jesus), em Lisboa, fosse “fraterno e aberto”. E o seu desejo foi cumprido.

A primeira pergunta veio de Vasco, estudante de Filosofia que se apresentou como sendo “o mais novo da Província” portuguesa dos jesuítas, e que nem por isso teve receio de questionar: “Perante os desafios da nossa geração, olhando para a nossa sociedade sexualizada, consumista…, na sua experiência como jesuíta, acha que a nossa formação está estruturada para enfrentar estes desafios?  E como podemos cuidar melhor da nossa formação como jesuítas a nível afetivo, sexual, corporal?”.

Francisco respondeu, também sem medos, assumindo que o “preocupa muito” o facto de vivermos numa sociedade “mundana”, e particularmente “quando o mundanismo se introduz na vida consagrada”, e deixou, ele próprio, uma pergunta aos que o escutavam atentamente: “já vos interrogastes sobre a vossa mundanidade espiritual pessoal?”.

 

“Os leigos clericalizados são assustadores”

Afirmando que “é preciso sair para este mundo, com os valores e os desvalores que ele tem”, Francisco assinalou que “hoje em dia, o problema grave diz respeito aos refúgios ocultos da procura de si mesmo, que muitas vezes têm que ver com a sexualidade, mas também com outras coisas” e que uma grande ajuda para lidar com esse problema está “no exame e consciência, como pedia Santo Inácio”.

“Não tenho medo da sociedade sexualizada, não; tenho medo da forma como nos relacionamos com ela, isso sim. Tenho medo dos critérios mundanos. Prefiro usar o termo «mundano», em vez de «sexualizado», porque o termo engloba tudo. Por exemplo, a ânsia de se promover”, referiu.

Mais à frente na conversa, quando questionado sobre “que afetos desordenados” achava mais frequentes na Igreja e na Companhia, o Papa reiterou a sua preocupação com “o mundanismo” e também “o clericalismo”. “O clericalismo infiltra-se nos padres, mas é ainda pior quando se infiltra nos leigos. Os leigos clericalizados são assustadores”, afirmou Francisco. E insistiu na importância do exame de consciência: “tantas pessoas (…) acabam por viver de um modo mundano, de um modo não cristão. Como é que chegaram a isso? Por causa dessa falta de introspeção, de exame de consciência, que é estar alerta para ver se há sete demónios, piores do que o primeiro”.

Assim, recomendou a todos: “levem o exame a sério, não o negligenciem e sejam honestos, porque não se trata apenas de pecado – isso fica para a confissão –, porque o exame é uma coisa quotidiana: o que é que se passou hoje no meu coração? Não se deve abandonar esta prática”.

 

“Voltar atrás é inútil”

Papa Francisco durante encontro com jesuítas em Portugal, 5 de agosto de 2023, Colégio de São João de Brito. Foto Vatican Media, via Ponto SJ

Para Francisco, certos “grupos americanos” estão a isolar-se e “em vez de viverem da doutrina, da verdadeira doutrina que sempre se desenvolve e dá fruto, vivem de ideologias. Foto © Vatican Media, via Ponto SJ.

 

Mas se há coisas que não devem mudar, outras precisam mesmo de evoluir, destacou o Papa quando questionado sobre as muitas críticas que lhe são feitas nos Estados Unidos da América, nomeadamente da parte de bispos.

“Quero lembrar a estas pessoas que voltar atrás é inútil e que é preciso compreender que há uma evolução correta na compreensão das questões de fé e de moral”, afirmou, exemplificando: “Hoje é pecado possuir bombas atómicas; a pena de morte é um pecado, não pode ser praticada, e antes não era assim; quanto à escravatura, alguns Papas antes de mim toleravam-na, mas hoje as coisas são diferentes”.

Para Francisco, não restam dúvidas: “a compreensão do homem muda com o tempo, assim como a consciência do homem se aprofunda”, e “as outras ciências e a sua evolução ajudam também a Igreja neste crescimento da compreensão”. Por isso, concluiu, “a visão da doutrina da Igreja como um monólito é errada”.

Mas “há quem se ponha de lado”, reconheceu o Papa, e a esses chamou de “retrocedistas”, alertando: “Quando se anda para trás, forma-se algo fechado, desligado das raízes da Igreja e perde-se a seiva da revelação. Se não se muda para cima, retrocede-se, e então assumem-se critérios de mudança diferentes daqueles que a própria fé nos dá para crescer e mudar. E os efeitos sobre a moral são devastadores”.

Nestes casos, “perde-se a verdadeira tradição e recorre-se a ideologias para obter apoio e apoios de todo o tipo. Por outras palavras, a ideologia substitui a fé, a pertença a um sector da Igreja substitui a pertença à Igreja”, considera Francisco. Para ele, certos “grupos americanos” estão a isolar-se e “em vez de viverem da doutrina, da verdadeira doutrina que sempre se desenvolve e dá fruto, vivem de ideologias. Mas quando se abandona a doutrina na vida para a substituir por uma ideologia, perdeu-se, perdeu-se como na guerra”

 

Sensibilidade e criatividade para acompanhar todos

Papa Francisco durante encontro com jesuítas em Portugal, 5 de agosto de 2023, Colégio de São João de Brito. Foto Vatican Media, via Ponto SJ

“Acompanhar espiritualmente e pastoralmente as pessoas exige muita sensibilidade e criatividade. Mas todos, todos, todos são chamados a viver na Igreja: nunca se esqueçam disso”, pediu o Papa. Foto © Vatican Media, via Ponto SJ.

 

E uma das coisas que implica viver a doutrina é “ir às encruzilhadas e chamar todos, todos, todos”, porque “todos têm o seu espaço na Igreja”. Respondendo concretamente a uma questão sobre o lugar dos homossexuais, Francisco alertou: “Não podemos ser superficiais e ingénuos, forçando as pessoas a coisas e comportamentos para os quais ainda não estão maduras, ou não são capazes. Acompanhar espiritualmente e pastoralmente as pessoas exige muita sensibilidade e criatividade. Mas todos, todos, todos são chamados a viver na Igreja: nunca se esqueçam disso”.

E recordou que, nas suas audiências gerais de quarta-feira, estão sempre presentes grupos de mulheres transgénero. “A primeira vez que vieram, estavam a chorar”, contou. “Perguntei-lhes porquê? Uma delas disse-me: «Não pensei que o Papa me pudesse receber!». Depois, após a primeira surpresa, habituaram-se a vir. Algumas escrevem-me e eu respondo-lhes por correio eletrónico. Todos são convidados! Apercebi-me de que estas pessoas se sentem rejeitadas, e isso é muito duro.”

Dura é também a realidade da guerra, que Francisco destacou entre as coisas que mais o preocupam neste momento. “Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, as guerras são incessantes em todo o mundo. E hoje vemos o que está a acontecer no mundo. Escusado será acrescentar palavras”, afirmou.

Em contrapartida, quando questionado sobre as alegrias que experimenta, Francisco respondeu: “a alegria que mais tenho em mente é a preparação do Sínodo, mesmo que por vezes veja, nalgumas partes, que há falhas na forma como é conduzido.”.

Para o Papa, que salvaguarda que o Sínodo não é invenção sua mas antes surgiu do impulso de Paulo VI, “é uma alegria ver como dos pequenos grupos paroquiais, dos pequenos grupos de igrejas, surgem reflexões muito bonitas e há um grande fermento”.

E lembrando que “a sinodalidade não tem que ver com a procura de votos, como faria um partido político” e que “num Sínodo, o protagonista é o Espírito Santo”, o Papa lançou um apelo: “Deixem-no exprimir-se como na manhã de Pentecostes. Penso que esse é o caminho mais forte”.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This