Na festa muçulmana do sacrifício, católicos apelam à unidade

| 31 Jul 20

Mesquita Central de Lisboa. Oração. Islão

Oração na Mesquita Central de Lisboa antes da pandemia. Foto CIL

 

“Amados irmãos muçulmanos”, assim se dirigiu o patriarca caldeu, Louis Raphael Sako, a todos os cidadãos de fé islâmica no Iraque, que na tarde de quinta-feira, 30 de julho, iniciaram as celebrações de Eid al Adha, a festa do sacrifício. No mesmo dia, também os bispos católicos franceses dirigiam uma carta a todos os muçulmanos, apelando a uma cada vez maior fraternidade e solidariedade entre as diferentes religiões.

“Esta festa islâmica celebra-se este ano em condições duras, enquanto a vida dos cidadãos está sob o peso crescente da emergência sanitária e do peso social”, escreveu o representante da Igreja Caldeia, citado pela agência Fides.

Recordando que a festa de Eid al Adha assinala a prova de obediência dada por Abraão, que se mostrou disposto a sacrificar a vida do próprio filho caso essa fosse a vontade de Deus, o patriarca Louis Sako afirmou que é também “um convite para voltarmos a nós próprios, arrependermo-nos e renovarmo-nos, sacrificando os interesses privados ou da própria fação em prol do bem e dos crescimento do nosso país e para custodiar a dignidade dos nossos cidadãos”.

Para o patriarca caldeu, a festa muçulmana do sacrifício representa assim “uma oportunidade de unir energias em espírito de responsabilidade nacional, cooperando com o governo atual e com todas as pessoas de boa vontade, para superar a pandemia de coronavírus e todas as outras emergências”.

Também os bispos católicos franceses, num documento assinado pelo padre Vincent Feroldi, diretor do Serviço Nacional para as Relações com os Muçulmanos, consideram que para “preservar o bem e a vida de todos” é essencial “combinar a prática das nossas respetivas crenças com uma atitude cívica comum”, avança o Vatican News.

“Confinados, tivemos que nos reinventar para continuar a viver a atitude fundamental do crente, que é estar em relação com Deus através da oração, prestar muita atenção ao nosso próximo através da escuta, da partilha, da solidariedade e da preocupação e promover a vida em todas as suas formas”, sublinham.

Com o fim do confinamento, os bispos esperam “que possa continuar a dinâmica iniciada durante todo o período de quarentena entre os líderes das diversas tradições religiosas presentes na França, a fim de superar, junto com todos os nossos concidadãos, a pandemia do coronavírus”.

E terminam com uma oração a “Deus Todo-Poderoso”, pedindo que ele mantenha os crentes “unidos na confiança para continuar a nossa peregrinação na terra, trabalhando para torná-la mais fraterna e solidária a cada dia”. “Feliz festa de Eid al-Adha!”, conclui a mensagem dirigida as muçulmanos. “Deus vos abençoe, e abençoe as vossas famílias e comunidades”.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Máximo histórico

Quatro em cada dez espanhóis dizem-se ateus ou não crentes

O estudo mais recente do Centro de Investigações Sociológicas de Espanha revela que quase quatro em cada dez espanhóis (38,7%) se declaram ateus ou não crentes e são apenas 16,7% os inquiridos que se assumem como católicos praticantes. Trata-se do máximo histórico do número de não crentes e do valor mais baixo alguma vez registado em relação aos católicos praticantes. Se a tendência se mantiver, estima-se que dentro de dois anos o número de não crentes no país ultrapasse, pela primeira vez, o de crentes.

Entre margens

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos… novidade

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Esta é a Igreja que eu amo!

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Cultura e artes

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Uma história de salvação, um núcleo palpitante

Nesta belíssima obra agora disponível, James Dunn – biblista britânico que dedicou a sua vida ao estudo da história do primeiro século do Cristianismo – proporciona ao leitor uma viagem através dos diversos escritos do Novo Testamento, neles buscando os traços da mensagem e da vida de Jesus.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This