Cardeal António Marto

Na Igreja em Portugal, há “resistência passiva” ao Sínodo

| 13 Out 2021

O cardeal António Marto acredita que não há «resistência ideológica» ao Sínodo em Portugal. Foto © Santuário de Fátima

 

“Sinto que há entusiasmo, mas também uma tendência de resistência passiva, não ideológica”, na Igreja Católica em Portugal, em relação ao Sínodo que o Papa Francisco convocou e cujo processo foi iniciado no sábado passado, em Roma, com uma sessão de testemunhos e debates. Uma iniciativa “de grande relevância pela novidade que o Papa Francisco introduz”, com ela, na dinâmica dos sínodos.

A ideia foi afirmada pelo cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima que, na conferência de imprensa que marcou o início da peregrinação de 12-13 de Outubro, em Fátima, explicou as razões para a resistência de alguns sectores católicos: “Há um certo receio sobre o que isto significa – mas nem o Papa sabe, ele próprio o diz; à medida que vamos fazendo caminho iremos descobrindo.”

Em pano de fundo, estaria o atraso com que, em Portugal, as diferentes dioceses estão a constituir as equipas coordenadoras da dinâmica sinodal. Além disso, o guião do processo elaborado pelo secretariado do Sínodo, no Vaticano, sugere que em cada diocese haja um momento de debate e testemunhos. Mas, de acordo com as notícias das diferentes dioceses já publicadas pela Ecclesia, apenas quatro já anunciaram que organizam uma pequena assembleia sinodal antes da celebração da eucaristia.

Ao início da tarde, na conferência de imprensa depois da reunião do conselho permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, o padre Manuel Barbosa admitiu um “problema de comunicação”, mas sublinhou que “todas as dioceses já estão a trabalhar” e os responsáveis da equipa têm vindo a ser nomeados.

De resto, o secretário da CEP afirmou ainda que todos os contributos de reflexão que cheguem de fora da instituição serão bem-vindos – incluindo “quem não habita os espaços eclesiais”. Até porque existe a possibilidade de cada pessoa ou grupo enviar directamente os seus contributos para Roma.

Referindo-se ao Sínodo como “um momento crucial” que “marca o pontificado deste Papa”, o cardeal Marto afirmou que “ninguém pode faltar à chamada que o Papa dirige a todos”, na reflexão sobre a mudança do “modelo de Igreja clerical, centrada no poder do clero, ao modelo da Igreja sinodal, baseada na corresponsabilidade de todos os fiéis e na sua participação e auscultação”.

O sínodo é um “processo de discernimento que passa pela escuta em comunidade, a partir de experiências concretas”, afirmou ainda o cardeal Marto. “Este é o modo de viver e agir que Deus espera da Igreja no terceiro milénio, como diz o Papa”, declarou, acrescentando: “O objectivo do Sínodo não é produzir propriamente documentos”; antes deve ser inspiração para construir uma Igreja diferente, “estimuladora de confiança, predisposta a sanar feridas, a tecer novas e profundas relações, a construir pontes, iluminar consciências e envolver todos”.

O objectivo final, diz o bispo de Leiria-Fátima, é chegar a uma “Igreja inclusiva” que acolha “todos, mulheres, deficientes, refugiados, migrantes, idosos, pobres, ricos, jovens, adultos, todos”, incluindo “baptizados ou mesmo pessoas de boa vontade que não são membros da Igreja ou, porventura, não sejam crentes”.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This