Na ressaca da abundância

| 9 Ago 2022

Foto © Sharon McCutcheon, via Unsplash.

Foto © Sharon McCutcheon, via Unsplash.

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Alienamos o tempo da nossa vida a todos os tic-tocs da moda, no medo de perder alguma das suas novidades e ficar fora da tendência. Vivemos ao sabor do que nos apresentam, sem qualquer filtro ou avaliação. Surfamos todas as ondas, procurando as que vêm a seguir sem perceber onde estas nos deixaram.

Não damos a nós próprios o tempo interior necessário para processar o que somos, o que vivemos e para onde vamos. Estamos cheios do que vem de fora, tão cheios que é impossível não ficarmos ressacados.

Tornamo-nos estranhos a nós mesmos.

Não sabemos o que fazer connosco quando estamos sozinhos, sem nenhum gadget que nos distraia. Não sabemos pensar, não sabemos imaginar, não sabemos ler, parar, meditar, sonhar acordados, passear sem airpods apreciando a natureza, ficar só em contemplação deixando-nos tomar pela avalanche de gratidão pela vida à nossa volta, pela nossa própria vida.

Para fruir é preciso ser. Sem ser, a vida passa por nós como água pelo oleado: nem nós nela, nem ela em nós. Vazio.

E para sermos precisamos de nos deixar olhar por Deus, vermo-nos Nele. Só o Criador pode revelar a criatura a ela mesma (Gaudium et Spes, 22). Devagar e confiadamente, num abraço íntimo que nos revela o quão (ininterruptamente, incondicionalmente) somos amados.

Levamos em nós essa centelha de filhos de Deus, cujo rosto humano é Cristo.

Há mais de dois mil anos, Cristo deixou-nos os seguintes modelos de ser e de felicidade (Mateus 5, 1-12): são felizes os pobres em espírito, os mansos, os que choram, os que têm fome e sede de justiça, os misericordiosos, os puros de coração, os que promovem a paz, os que sofrem perseguição por amor da justiça, e os que são insultados e perseguidos por causa do Seu nome.

Em cada uma das invocações, vemos o próprio Cristo: pobre, manso, sofredor, justo, misericordioso, puro, promotor da paz, perseguido por amor da justiça, insultado e perseguido por ser Ele mesmo.

Em que parte nos identificamos? O que perseguimos? Que riquezas carregamos que não nos permitem viver com a plenitude a que estamos destinados?

Em tempo de férias, que boa ocasião para nos colocarmos diante de Deus, deixando-nos envolver por Ele, que sempre nos acolhe e restaura. Sem pressas e sem propósito, a não ser o de estarmos ali, escolhendo a melhor parte, o único necessário, a nossa paz e a nossa felicidade. (Lucas 10, 38-42).

 

Dina Matos Ferreira é consultora e docente universitária. Contacto: dina.matosferreira@gmail.com

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores