Diocese de Angra envia apoio

Na Síria, 7,5 milhões de crianças precisam de ajuda humanitária

| 18 Mar 2024

Crianças sírias. Foto © UNICEFUNI465185

Mais de 650 mil crianças sírias com menos de cinco anos sofrem de subnutrição crónica – um aumento de cerca de 150 mil desde 2019. Foto © UNICEF/UNI465185

 

Não faz manchetes dos jornais, nem sequer aparece no interior da maioria deles, mas a guerra na Síria, que completou na semana passada 13 anos, já obrigou mais de 13 milhões de sírios – cerca de metade da população pré-conflito – a fugir das suas casas. A recente onda de violência – que assolou o país nos últimos seis meses em diversas localidades – é a pior dos últimos quatro anos e, atualmente, há na Siria 7,5 milhões de crianças a precisar de ajuda humanitária – mais do que em qualquer outro momento durante o conflito -, alerta a UNICEF.

“A triste realidade é que hoje e nos próximos dias, muitas crianças na Síria celebrarão o seu 13º aniversário, tornando-se adolescentes, sabendo que toda a sua infância até à data foi marcada por conflitos, deslocamentos e privações”, afirmou a diretora regional da UNICEF para o Médio Oriente e Norte de África, Adele Khodr, em comunicado divulgado pela instituição. “Em última análise, as crianças precisam de uma oportunidade. Precisam de uma solução pacífica a longo prazo para a crise, mas não podemos ficar apenas à espera que isso aconteça. Entretanto, é fundamental garantir que as crianças e as famílias não só tenham acesso a serviços básicos mas também que estamos a equipar as crianças com as competências necessárias para construir o seu próprio futuro”, acrescentou.

Segundo dados da ONU, quase metade dos 5,5 milhões de crianças em idade escolar na Síria – cerca de 2,4 milhões de crianças entre os 5 e os 17 anos – não frequenta a escola. E mais de 650 mil crianças com menos de cinco anos sofrem de subnutrição crónica – um aumento de cerca de 150 mil desde 2019. Só entre 1 de janeiro e 31 de outubro de 2023, 454 civis foram mortos devido aos conflitos armados, dos quais 115 eram crianças.

Apesar destes números, “o financiamento humanitário caiu para um nível mais baixo de sempre, tanto dentro da própria Síria como para os sírios nos países vizinhos”, lamenta a UNICEF.

“Uma geração de crianças na Síria já pagou um preço insuportável por este conflito”, disse Khodr. “O apoio contínuo da comunidade internacional é fundamental para restaurar sistemas que proporcionem serviços sociais básicos essenciais, como educação, água e saneamento, saúde, nutrição, proteção social e infantil, garantindo que nenhuma criança na Síria seja deixada para trás”.

 

“Também o povo açoriano já foi sujeito de semelhante ajuda fraterna”

Sensível às enormes necessidades da população síria, incrementadas pelo terramoto que assolou o país a 6 de fevereiro do ano passado – o quinto mais mortal dos últimos 20 anos -, a diocese de Angra entregou na semana passada 12.378,40 euros à Cáritas daquele país, o resultado da renúncia quaresmal no ano de 2023, informou esta segunda-feira, 18 de março, o ecónomo diocesano, cónego António Henrique Pereira.

A transferência, feita através da Cáritas Internacional, visa apoiar as populações sírias vítimas do terramoto na Síria, que ocorreu a 6 de fevereiro do ano passado e vitimou mortalmente mais de 50 mil pessoas.

“Todos sabemos o que significa um terramoto nos Açores, também o povo açoriano já foi sujeito de semelhante ajuda fraterna, até de outros países. Agora vamos pensar neles e nas suas casas e vidas a reconstruir”, podia ler-se na mensagem da Quaresma do bispo de Angra, no ano passado.

Já este ano, o bispo Armando Esteves Domingues anunciou que as comunidades açorianas vão ajudar, com os donativos da sua renúncia quaresmal, projetos em São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This