Nacionalidade para sefarditas: perplexidades perante a proposta “antissemita” de alteração à lei

| 3 Jul 20

judy rodrigues judia sefardita pintura

A descoberta da origem sefardita tem influenciado o trabalho de Judy Rodrigues, que vive em Bristol (Inglaterra). Nesta composição, incluiu a menorah que terá sido a primeira evidência da presença dos judeus em Portugal, encontrada em Mértola. © Judy Rodrigues.

 

Perplexidade perante a ideia de alterar a lei da nacionalidade e falta de explicações fundamentadas sobre a proposta. Estas foram as duas ideias principais do vídeo-debate promovido pela associação Sedes, acerca da proposta de alteração da Lei da Nacionalidade, no que diz respeito à concessão da nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus sefarditas expulsos de Portugal nos séculos XV e XVI.

A iniciativa da Sedes – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social decorreu ao final da tarde desta quinta-feira, 2 de Julho. Quer os dois intervenientes convidados, quer várias das cerca de quatro dezenas de pessoas que participaram insistiram na ideia de que não estão explicadas claramente as razões para mexer na lei que, mediante certas condições, permite atribuir a nacionalidade aos descendentes dos judeus expulsos de Portugal. “Estamos perplexos com as razões apresentadas para mudar a lei”, disse José Oulman Carp, presidente da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL).

Joshua Ruah acusou a proposta de alterações, feita no Parlamento por um grupo de deputados do PS liderados por Constança Urbano de Sousa, de ser um reflexo de “antisemitismo puro”. Identificando-se como sefardita, afirmou que os seus antepassados já estavam no território português há muitos séculos, mesmo antes da nacionalidade. Simultaneamente militante socialista, confessou não saber o que fazer agora com a sua adesão política. “Vou ter de saber qual é a génese” da proposta, sublinhou também.

Maria de Belém Roseira, antiga ministra da Saúde e uma das intervenientes no debate, referiu que nunca houve nenhuma crítica à lei na altura da sua elaboração. Mas estavam mais frescas as posições de Mário Soares e Jorge Sampaio, que defendiam o papel de Portugal como integrador, disse. “Portugal é exemplar e reconhecido como tal, pela forma como procura integrar” os que querem vir para o país.

Por isso, afirmou que não se oporá a mudanças no decreto regulamentar, desde que elas não desvirtuem a lei. “Estamos a tratar de um erro histórico, que nos envergonha” como país, “e não da anexação” de territórios da Palestina por Israel, afirmou também, quando questionada sobre se haveria qualquer tipo de retaliação para com a política do actual Governo israelita.

 

Proteger o “capital de confiança” que Portugal ganhou

José Ribeiro e Castro, antigo dirigente e deputado do CDS, e que com Maria de Belém foi um dos principais impulsionadores da actual lei, contestou também as mudanças propostas. Defendendo que é muito importante proteger o “capital de confiança” que Portugal demonstrou perante os judeus, ao abrir a concessão da nacionalidade aos descendentes de judeus expulsos, acrescentou: “A comunidade judaica do Porto teve o atrevimento de propor” que a Assembleia da República ouça os mais de 16 mil judeus que já pediram a nacionalidade. “O PS não pode ser manuelino”, acrescentou.

Esther Mucznik, que está na comissão que tem analisado as candidaturas (a lei atribui essa primeira avaliação às comunidades judaicas de Lisboa e Porto), afirmou que tem havido com o Governo português um pacto de confiança, que “tem sido estritamente respeitado” pela comissão criada pela CIL e pela CIP.

A investigadora em temas judaicos acrescentou que não entende que se deva propor qualquer alteração à lei enquanto não se perceber claramente “os motivos que estão por trás”. “O que tem sido feito é tentar descredibilizar a lei e os seus intervenientes”, acrescentou.

José Ruah, da direcção da CIL, referiu que, ao contrário do que têm dito os defensores das alterações, não se notou nenhum extraordinário “aumento de procura” de pedidos, comparando com o ano passado, pelo facto de Espanha ter fechado o tempo previsto para a concessão da nacionalidade a judeus sefarditas. E José Oulman Carp, presidente da mesma Comunidade, também disse que a CIL continuará a fazer “todas as diligências para que a lei não seja alterada”. Quando muito, aceitará alterar alguma regulamentação.

Em causa, como o 7MARGENS tem noticiado, está a proposta da deputada Constança Urbano de Sousa (PS), no sentido de alterar a actual lei. A formulação da lei actual pede como requisitos a “tradição de pertença a uma comunidade sefardita de origem portuguesa, com base em requisitos objetivos comprovados de ligação a Portugal, designadamente apelidos, idioma familiar, descendência directa ou colateral”. A última proposta acrescenta a necessidade de ter (o texto usa o verbo “possuir”) uma “efectiva ligação à comunidade nacional”.

A proposta não tem o acolhimento das comunidades judaicas e várias figuras históricas do PS – além de Belém Roseira, também Vera Jardim, presidente da Comissão de Liberdade Religiosa, Manuel Alegre e Alberto Martins – também se pronunciaram contra a mesma ideia.

O debate integral está disponível na página da Sedes na rede social Facebook.

 

Artigos relacionados

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Queremos multiplicar o número de leitores do 7MARGENS.
Todos os apoios são relevantes. E a ajuda para que seja cada vez mais vasta a nossa comunidade de leitores é imprescindível: com mais leitores poderemos ter mais apoios e com estes podemos fazer mais e melhor informação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

podcast

“Estado social: as crises são todas iguais?”

“Estará o Estado Social a definhar? Como reagiu o nosso Estado Social à crise financeira de 2010? E à pandemia? Como responderam o nosso e o dos outros? Qual das duas crises ‘infetou’ mais o Estado Social português?”

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Nossa Senhora da Boa Viagem em duas rodas, rogai por nós!

Gosto de trabalhar em Agosto. Também gosto de guardar uns dias das minhas férias para viver na cidade que habito. Agrada-me tecer rotina longe das rotinas, quando todes constroem a sua casa longe de casa. Sempre gostei, mas este ano tem um sabor especial: marca o mês em que a rotina se volta a fazer de cabelos ao vento, na minha bicicleta, depois de uns anos sem pedalar.

Evangelizar nas redes sociais 

  Acolhendo a desafiante exortação do Papa Francisco aos participantes no Congresso Mundial da Signis – Associação Católica Mundial para a Comunicação – que decorre em Seul, de 16 a 19 de Agosto de 2022, decidi-me a revisitar a minha presença nas redes sociais e...

A revelação ética mais importante da história humana

Com Jesus Cristo, o alcance do amor de doação (ágape), incondicional e desinteressado, atinge o seu ápice com o amor ao inimigo («a ideia ética mais extraordinária da história humana»), que representa o que há de mais contrário à lógica da vontade amoral de afirmação do poder.

Cultura e artes

Filipinas

Estado proíbe leitura de cinco livros no secundário

A Comissão da Língua Filipina retirou cinco livros da lista de livros aconselhados para os alunos do secundário, proibindo a sua leitura por “terem conteúdos que violam a lei antiterrorismo do país”. O decreto foi publicado a 12 de agosto, noticia a agência UCA News de dia 15.

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This