Nacionalidade para sefarditas: perplexidades perante a proposta “antissemita” de alteração à lei

| 3 Jul 20

judy rodrigues judia sefardita pintura

A descoberta da origem sefardita tem influenciado o trabalho de Judy Rodrigues, que vive em Bristol (Inglaterra). Nesta composição, incluiu a menorah que terá sido a primeira evidência da presença dos judeus em Portugal, encontrada em Mértola. © Judy Rodrigues.

 

Perplexidade perante a ideia de alterar a lei da nacionalidade e falta de explicações fundamentadas sobre a proposta. Estas foram as duas ideias principais do vídeo-debate promovido pela associação Sedes, acerca da proposta de alteração da Lei da Nacionalidade, no que diz respeito à concessão da nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus sefarditas expulsos de Portugal nos séculos XV e XVI.

A iniciativa da Sedes – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social decorreu ao final da tarde desta quinta-feira, 2 de Julho. Quer os dois intervenientes convidados, quer várias das cerca de quatro dezenas de pessoas que participaram insistiram na ideia de que não estão explicadas claramente as razões para mexer na lei que, mediante certas condições, permite atribuir a nacionalidade aos descendentes dos judeus expulsos de Portugal. “Estamos perplexos com as razões apresentadas para mudar a lei”, disse José Oulman Carp, presidente da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL).

Joshua Ruah acusou a proposta de alterações, feita no Parlamento por um grupo de deputados do PS liderados por Constança Urbano de Sousa, de ser um reflexo de “antisemitismo puro”. Identificando-se como sefardita, afirmou que os seus antepassados já estavam no território português há muitos séculos, mesmo antes da nacionalidade. Simultaneamente militante socialista, confessou não saber o que fazer agora com a sua adesão política. “Vou ter de saber qual é a génese” da proposta, sublinhou também.

Maria de Belém Roseira, antiga ministra da Saúde e uma das intervenientes no debate, referiu que nunca houve nenhuma crítica à lei na altura da sua elaboração. Mas estavam mais frescas as posições de Mário Soares e Jorge Sampaio, que defendiam o papel de Portugal como integrador, disse. “Portugal é exemplar e reconhecido como tal, pela forma como procura integrar” os que querem vir para o país.

Por isso, afirmou que não se oporá a mudanças no decreto regulamentar, desde que elas não desvirtuem a lei. “Estamos a tratar de um erro histórico, que nos envergonha” como país, “e não da anexação” de territórios da Palestina por Israel, afirmou também, quando questionada sobre se haveria qualquer tipo de retaliação para com a política do actual Governo israelita.

 

Proteger o “capital de confiança” que Portugal ganhou

José Ribeiro e Castro, antigo dirigente e deputado do CDS, e que com Maria de Belém foi um dos principais impulsionadores da actual lei, contestou também as mudanças propostas. Defendendo que é muito importante proteger o “capital de confiança” que Portugal demonstrou perante os judeus, ao abrir a concessão da nacionalidade aos descendentes de judeus expulsos, acrescentou: “A comunidade judaica do Porto teve o atrevimento de propor” que a Assembleia da República ouça os mais de 16 mil judeus que já pediram a nacionalidade. “O PS não pode ser manuelino”, acrescentou.

Esther Mucznik, que está na comissão que tem analisado as candidaturas (a lei atribui essa primeira avaliação às comunidades judaicas de Lisboa e Porto), afirmou que tem havido com o Governo português um pacto de confiança, que “tem sido estritamente respeitado” pela comissão criada pela CIL e pela CIP.

A investigadora em temas judaicos acrescentou que não entende que se deva propor qualquer alteração à lei enquanto não se perceber claramente “os motivos que estão por trás”. “O que tem sido feito é tentar descredibilizar a lei e os seus intervenientes”, acrescentou.

José Ruah, da direcção da CIL, referiu que, ao contrário do que têm dito os defensores das alterações, não se notou nenhum extraordinário “aumento de procura” de pedidos, comparando com o ano passado, pelo facto de Espanha ter fechado o tempo previsto para a concessão da nacionalidade a judeus sefarditas. E José Oulman Carp, presidente da mesma Comunidade, também disse que a CIL continuará a fazer “todas as diligências para que a lei não seja alterada”. Quando muito, aceitará alterar alguma regulamentação.

Em causa, como o 7MARGENS tem noticiado, está a proposta da deputada Constança Urbano de Sousa (PS), no sentido de alterar a actual lei. A formulação da lei actual pede como requisitos a “tradição de pertença a uma comunidade sefardita de origem portuguesa, com base em requisitos objetivos comprovados de ligação a Portugal, designadamente apelidos, idioma familiar, descendência directa ou colateral”. A última proposta acrescenta a necessidade de ter (o texto usa o verbo “possuir”) uma “efectiva ligação à comunidade nacional”.

A proposta não tem o acolhimento das comunidades judaicas e várias figuras históricas do PS – além de Belém Roseira, também Vera Jardim, presidente da Comissão de Liberdade Religiosa, Manuel Alegre e Alberto Martins – também se pronunciaram contra a mesma ideia.

O debate integral está disponível na página da Sedes na rede social Facebook.

 

Artigos relacionados

Crescer com novo desenho, novas ideias e o apoio de quem nos lê

Editorial

Crescer com novo desenho, novas ideias e o apoio de quem nos lê

Desde esta segunda-feira, 13 de setembro, o sítio do 7MARGENS tem um novo desenho gráfico. A quem nos lê a partir da newsletter, ou do Facebook, sugerimos que abra www.setemargens.com para ver e perceber o que mudou. Entre outros aspetos, procurámos dar maior expressão à informação mais recente e melhorar alguns pormenores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Depois de Angola e Polónia

Símbolos da JMJ iniciam peregrinação pelas dioceses de Espanha

Dez jovens da diocese da Guarda irão entregar este domingo, 5 de setembro, os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) aos jovens da diocese de Ciudad Rodrigo (Espanha), local onde terá início a peregrinação dos mesmos pelas dioceses espanholas. O encontro acontecerá na fronteira de Vilar Formoso, pelas 11h, e será seguido de uma celebração de acolhimento na Paróquia de Maria Auxiliadora, em Fuentes de Oñoro, divulgou o gabinete de imprensa da JMJ Lisboa 2023, em comunicado enviado às redações.

Nigéria

Libertados alguns dos estudantes raptados de uma escola cristã

Foram libertados 15 jovens estudantes que tinham sido raptados no passado dia 5 de julho de uma escola protestante situada no estado de Kaduna, na Nigéria, avançou esta quinta-feira, 2 de setembro, a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). Na ocasião, homens armados invadiram o estabelecimento de ensino e raptaram mais de uma centena de alunos.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Novo ano letivo: regressar ao normal? novidade

Após dois conturbados anos letivos, devido à pandemia, as escolas preparam-se para um terceiro ano ainda bastante incerto, mas que desejam que seja o mais normal possível. O regresso à normalidade domina as declarações públicas de diretores escolares e de pais, alunos e professores. Este desejo de regresso à normalidade, sendo lógico e compreensível, após dois anos de imensa instabilidade, incerteza e experimentação, constitui ao mesmo tempo um sério problema.

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Cultura e artes

Cinema

Um machado, uma mulher e um cão

Se gosta de cinema e ainda for a tempo, não deixe de ver o filme de Pedro Almodóvar A Voz Humana. É uma curta-metragem (cerca de 30 minutos), complementada por uma entrevista muito interessante e esclarecedora com o realizador e a actriz, Tilda Swinton.

Terras Sem Sombra

O festival de música vai à pesca no mar de Sines

O Festival Terras Sem Sombra regressa neste fim-de-semana, com uma paragem em Sines e um programa que inclui música com o ensemble checo Clarinet Factory e duas propostas sob o signo do mar: conhecer as artes tradicionais da pesca e o património ligado à actividade piscatória do porto de Sines; e sensibilizar para a biodiversidade aprendendo a reconhecer os peixes, crustáceos e moluscos daquela zona da costa alentejana.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This