“Não é a religião que gera violência, mas o nível de apropriação que cada indivíduo faz da mesma”

| 28 Nov 18 | Diálogo ecuménico e inter-religioso, Liberdade religiosa

Afirmar que a religião leva à violência não é só uma simplificação mas também uma generalização: “A religião gera violência, mas também gera paz. Podemos dizer que há uma ambiguidade profunda no fenómeno religioso e na relação com o sagrado que é preciso ser pensada. Não é a religião por si que gera violência, mas o nível de apropriação que cada indivíduo faz da mesma”.

A afirmação é de José Rosa, professor na Universidade da Beira Interior (UBI) e um dos organizadores do colóquio internacional Religião e Violência, que nestas quinta e sexta-feira, dias 29 e 30 de Novembro, decorrerá na UBI, na Covilhã.

Com convidados de variadas áreas profissionais, portugueses e estrangeiros, o objectivo do colóquio é debater a relação entre a violência e o fenómeno religioso – “o homo religiosus é também homo periculosus”, o homem religioso é também um homem perigoso –, discutindo a pertinência de textos sagrados na génese desta mesma violência e das radicalizações que ocorrem em todas as religiões.

José Rosa salienta que a importância deste colóquio não é estabelecer uma relação única e direta entre os dois termos, mas questionar todos os tipos de relação que se podem estabelecer: “É uma questão profundamente atual, que está em cima da mesa desde pelo menos 2001, aquando dos ataques do 11 de Setembro.”

A ideia é centrar o debate na relação da religião com a política, o atual panorama dos estudos religiosos ou da relação entre religião e sacrifício. Será também salientada a disparidade entre os textos sagrados e o modo como os mesmos são interpretados, fruto de muitos conflitos religiosos: “Alguns crentes consideram-se investidos de uma missão divina de fazer violência em nome de Deus. Isto é uma má interpretação que não traduz uma mensagem sagrada” comenta José Rosa. E acrescenta: “Curiosamente, no Alcorão há uma passagem onde se diz que ninguém deve ser sujeito à coação em termos de fé. Só que existe um princípio, também no Alcorão, da abrogação em que versículos que vêm depois anulam os anteriores.”

Este, comenta o investigador, é apenas um dos muitos exemplos que se podem colocar de apropriação do religioso. E é um dos temas a debater, logo no primeiro painel (Religião e Violência. Problematicidade de um nexo, nesta quinta às 14h30), que conta com a participação, além de José Rosa e de Artur Morão (investigador e tradutor), também do pastor presbiteriano Dimas Almeida e de Sami Aldeeb. “É o maior especialista do Ocidente no âmbito dos direitos islâmicos e vai falar-nos sobre as razões de o islão provocar violência e qual a terapia para isso”, diz José Rosa, acerca de Aldeeb, um professor palestiniano que vem da Suíça, e que é neste momento a única pessoa do mundo que já traduziu o Alcorão para três línguas (italiano, francês e inglês).

Sexta-feira, participam ainda, entre outros, António Amaral (professor de Filosofia na UBI), Alfredo Teixeira (diretor do Instituto de Estudos da religião da Universidade católica Portuguesa) ou Joshua Ruah (médico e membro da Comunidade Judaica de Lisboa).

Este projeto, diz José Rosa, foi pensado num ciclo de outros temas que serão desenvolvidos ao longo dos próximos quatro ou cinco anos, como é caso da violência de género na religião para com as mulheres ou a violência de textos sagrados sobre alteração de estratos sociais.

O programa completo do colóquio pode ser consultado aqui

Breves

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

O pensamento nómada do poema de Deus novidade

Uma leitura de “Uma Beleza que Nos Pertence”, de José Tolentino de Mendonça.

O aforismo, afirma Milan Kundera na sua Arte do romance (Gallimard, 1986), é “a forma poética da definição” (p. 144). Esta, prossegue o grande autor checo, envolvendo-se reflexivamente numa definição da definição, é o esforço, provisório, “fugitivo”, aberto, de dar carne de visibilidade àquelas palavras abstratas em que a nossa experiência do mundo se condensa como compreensão.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

Pessoas

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

“Diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” Nos derradeiros momentos de vida, já no hospital, Manuela Silva pegara na mão da irmã que a acompanhou nos últimos meses, olhando-a e, com plena consciência de que vivia os instantes finais, deu-lhe o último recado: “Vou partir, mas diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” A sua memória será recordada nesta segunda-feira, 14, às 19h15, na Capela do Rato, numa eucaristia presidida pelo patriarca de Lisboa.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

As cartas de D. António Barroso…

“António Barroso e o Vaticano”, de Carlos A. Moreira de Azevedo (Edições Alethêia, 2019), revela 400 cartas inéditas, onde encontramos um retrato de corpo inteiro de uma das mais notáveis figuras da nossa história religiosa, que catalisa a rica densidade da sua época.

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Fale connosco