“Não é a religião que gera violência, mas o nível de apropriação que cada indivíduo faz da mesma”

| 28 Nov 18

Afirmar que a religião leva à violência não é só uma simplificação mas também uma generalização: “A religião gera violência, mas também gera paz. Podemos dizer que há uma ambiguidade profunda no fenómeno religioso e na relação com o sagrado que é preciso ser pensada. Não é a religião por si que gera violência, mas o nível de apropriação que cada indivíduo faz da mesma”.

A afirmação é de José Rosa, professor na Universidade da Beira Interior (UBI) e um dos organizadores do colóquio internacional Religião e Violência, que nestas quinta e sexta-feira, dias 29 e 30 de Novembro, decorrerá na UBI, na Covilhã.

Com convidados de variadas áreas profissionais, portugueses e estrangeiros, o objectivo do colóquio é debater a relação entre a violência e o fenómeno religioso – “o homo religiosus é também homo periculosus”, o homem religioso é também um homem perigoso –, discutindo a pertinência de textos sagrados na génese desta mesma violência e das radicalizações que ocorrem em todas as religiões.

José Rosa salienta que a importância deste colóquio não é estabelecer uma relação única e direta entre os dois termos, mas questionar todos os tipos de relação que se podem estabelecer: “É uma questão profundamente atual, que está em cima da mesa desde pelo menos 2001, aquando dos ataques do 11 de Setembro.”

A ideia é centrar o debate na relação da religião com a política, o atual panorama dos estudos religiosos ou da relação entre religião e sacrifício. Será também salientada a disparidade entre os textos sagrados e o modo como os mesmos são interpretados, fruto de muitos conflitos religiosos: “Alguns crentes consideram-se investidos de uma missão divina de fazer violência em nome de Deus. Isto é uma má interpretação que não traduz uma mensagem sagrada” comenta José Rosa. E acrescenta: “Curiosamente, no Alcorão há uma passagem onde se diz que ninguém deve ser sujeito à coação em termos de fé. Só que existe um princípio, também no Alcorão, da abrogação em que versículos que vêm depois anulam os anteriores.”

Este, comenta o investigador, é apenas um dos muitos exemplos que se podem colocar de apropriação do religioso. E é um dos temas a debater, logo no primeiro painel (Religião e Violência. Problematicidade de um nexo, nesta quinta às 14h30), que conta com a participação, além de José Rosa e de Artur Morão (investigador e tradutor), também do pastor presbiteriano Dimas Almeida e de Sami Aldeeb. “É o maior especialista do Ocidente no âmbito dos direitos islâmicos e vai falar-nos sobre as razões de o islão provocar violência e qual a terapia para isso”, diz José Rosa, acerca de Aldeeb, um professor palestiniano que vem da Suíça, e que é neste momento a única pessoa do mundo que já traduziu o Alcorão para três línguas (italiano, francês e inglês).

Sexta-feira, participam ainda, entre outros, António Amaral (professor de Filosofia na UBI), Alfredo Teixeira (diretor do Instituto de Estudos da religião da Universidade católica Portuguesa) ou Joshua Ruah (médico e membro da Comunidade Judaica de Lisboa).

Este projeto, diz José Rosa, foi pensado num ciclo de outros temas que serão desenvolvidos ao longo dos próximos quatro ou cinco anos, como é caso da violência de género na religião para com as mulheres ou a violência de textos sagrados sobre alteração de estratos sociais.

O programa completo do colóquio pode ser consultado aqui

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

A máscara – espelho da alma

A propósito da recolha, compilação e publicação de alguns contos e lendas do concelho de Bragança, todos eles belíssimos e inspiradores, resolvi escrever sobre um deles (A Máscara de Ouro), por três razões principais: a primeira razão prende-se com o facto de unir a memória e o território, na figura do Abade de Baçal, patrono do meu Agrupamento de Escolas;

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Pessoas

Eduardo Lourenço, pensar livre…

Eduardo Lourenço, pensar livre…

Uma das visitas mais fascinantes que fiz ao Museu do Prado foi na companhia de Eduardo Lourenço. Não me lembro de quanto tempo tivemos juntos, percorrendo as salas de um modo totalmente desprendido, esquecidos das horas e do tempo. Aconteceu como nos velhos contos medievais em que um minuto se torna mil anos, como com o monge que se distraiu a ver a paisagem e ao voltar já não conhecia os companheiros do convento, pois tinha passado um ror de tempo naquele minuto esquecido.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

A máscara – espelho da alma

A propósito da recolha, compilação e publicação de alguns contos e lendas do concelho de Bragança, todos eles belíssimos e inspiradores, resolvi escrever sobre um deles (A Máscara de Ouro), por três razões principais: a primeira razão prende-se com o facto de unir a memória e o território, na figura do Abade de Baçal, patrono do meu Agrupamento de Escolas;

A Gaivota que nos ensinou o que é a esperança

Muitas vezes são invejadas as pessoas que abraçam a vida com uma atitude de esperança. Como se esta fosse um dom inato que permitisse viver com maior ligeireza. Contrariamente ao que se possa pensar, a esperança é um ato de resistência, um combate interior e, por vezes, exterior. Exige muitíssimo mais olhar o mundo com um olhar de esperança e de braços erguidos quando tudo parece perdido do que, pura e simplesmente, aceitar a dureza da realidade que não nos satisfaz.

O estado dos portugueses

Era bom que todos entendessem que a presente situação pode ser ainda pior do ponto de vista emocional do que uma guerra, pelo menos num aspecto. É que a guerra implica um inimigo a combater, com um rosto, uma intenção e uma identidade, contra quem se podem dirigir as nossas energias, o que não é possível numa pandemia causada por um vírus que não se vê a olho nu e cuja presença não se sente nem percepciona.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This