Reações ao Sínodo

“Não há como voltar atrás” quanto ao papel das mulheres, mas é preciso avançar mais

| 30 Out 2023

Marcha pela ordenação de mulheres, Roma, outubro 2023. Foto WOC

A Conferência pela Ordenação das Mulheres está  “consternada com o fracasso do Sínodo em levar a sério os apelos esmagadores para abrir todos os ministérios ordenados às mulheres”. Foto © WOC.

 

O documento que sintetiza os trabalhos da primeira sessão da XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo “parece refletir um reconhecimento das feridas que as mulheres sofreram nas mãos da Igreja, mas não consegue envolver-se substancialmente na cura dessas feridas, optando, em vez disso, por deixar essas questões para cada vez mais estudos e comissões”, lamenta a Women’s Ordination Conference (WOC, ou Conferência pela Ordenação de Mulheres), em reação ao texto publicado no passado sábado pelo Vaticano.

Por um lado, a organização – fundada em 1975 nos EUA – apoia o facto de 54 mulheres terem podido, pela primeira vez, votar “ao lado dos seus contemporâneos do sexo masculino” e também “as formas como  necessidade de uma maior participação das mulheres na vida pastoral e governo da Igreja foram delineadas no documento final”.

Mas, por outro lado, diz estar “consternada com o fracasso do Sínodo em levar a sério os apelos esmagadores para abrir todos os ministérios ordenados às mulheres”, e com o “tratamento superficial do documento sobre a injustiça da desigualdade de mais de metade dos membros da Igreja”.

Em comunicado enviado ao 7MARGENS, a WOC defende que “para que o processo sinodal retenha qualquer credibilidade, será necessário levar a sério a plena igualdade das mulheres e das pessoas LGBTQ+ em todos os aspectos da vida da Igreja”.

Assim, de modo a garantir que “as vozes, experiências e vocações das mulheres não sejam ainda mais apagadas no processo sinodal”, a Conferência pela Ordenação de Mulheres apela a todos os apoiantes desta causa que se façam “ainda mais visíveis”.

“Continuaremos a trabalhar pela responsabilização perante as bases e a ser uma voz intransigente para a inclusão equitativa das mulheres em todos os níveis da Igreja. Já vimos mulheres votarem nos corredores do Vaticano – não há como voltar atrás”, conclui a organização no seu comunicado.

 

Silêncio sobre o aborto

“Embora o Sínodo tenha terminado (pelo menos este ano), o nosso trabalho está longe de terminar”, concorda a organização feminista norte-americana Catholics for Choice (Católicos pela Escolha), num comunicado igualmente enviado ao 7MARGENS após a publicação da síntese.

Até porque, além de pedir “igualdade das mulheres, ordenação de mulheres ao sacerdócio, justiça para pessoas LGBTQI e justiça para vítimas de abuso sexual”, esta ONG defendia que a assembleia tivesse falado “aberta e honestamente sobre o aborto”, reconhecendo “as suas complexidades morais” e ouvindo “a sabedoria de muitos fiéis católicos que fizeram abortos”. E lamenta que tal não tenha acontecido.

“O silêncio do Sínodo sobre o aborto – que afeta a vida de muito mais católicos do que qualquer uma destas outras questões urgentes – mostra quão difundido o estigma do aborto permanece na nossa Igreja”, escreve a Catholics for Choice.

Ainda assim, reconhece: “pela primeira vez na era moderna, a Igreja Católica manteve conversas sobre temas anteriormente tabus, como a ordenação de mulheres, o reconhecimento das relações das pessoas LGBTQIA+ e o repensar das estruturas de poder da Igreja”. E considera que isto, “para uma organização tão historicamente impermeável à mudança, é simplesmente notável”.

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This