Mensagem ao Conselho da Europa

“Não há tempo para esperar, é preciso agir” contra emergência climática, diz o Papa

| 29 Set 2021

não há tempo para esperar

É preciso tomar decisões concretas que “não podem ser adiadas para amanhã, se o seu propósito for proteger a casa comum e a dignidade de cada ser humano”, alerta Francisco. Foto: Direitos reservados.

 

O Papa Francisco considera que “já não há tempo para esperar, é preciso agir” em relação à emergência climática, que será tema central da COP-26, a realizar em Glasgow (Escócia), em Novembro. “Qualquer instrumento que respeite os direitos humanos e os princípios da democracia e do estado de direito, que são valores fundamentais do Conselho da Europa, pode ser útil para enfrentar este desafio global”, escreveu o Papa na sua mensagem aos participantes no Encontro de Alto Nível da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa.

Dedicada ao tema “Meio ambiente e direitos humanos: Direito à segurança, saúde e meio ambiente sustentável’, a conferência, que decorre em Estrasburgo, relaciona a luta contra a emergência climática com o “respeito” pelos direitos humanos fundamentais.

O Papa subinha que a crise ambiental convida a pensar na responsabilidade para com as gerações futuras, tomando decisões concretas que “não podem ser adiadas para amanhã, se o seu propósito for proteger a casa comum e a dignidade de cada ser humano”.

Numa outra mensagem em vídeo dirigida aos jovens que participam num seminário sobre educação para a sustentabilidade, o Youth4Climate, que decorre em Milão (Norte de Itália), o Papa diz: “Através de ideias e projectos comuns, podem ser encontradas soluções que superem a pobreza energética e que coloquem o cuidado dos bens comuns no centro das políticas nacionais e internacionais, favorecendo a produção sustentável, a economia circular, a agregação de recursos energéticos, a partilha das tecnologias adequadas.”

O Papa insiste na necessidade de “decisões sábias” para promover “uma cultura do cuidado, uma cultura da partilha responsável”. Ao mesmo tempo, agradece aos jovens “pelos sonhos e projectos de bem que têm e pelo facto de se importarem tanto com as relações humanas e com o cuidado do meio ambiente”.

Francisco evoca ainda o Pacto Global pela Educação lançado no Vaticano, em 2019, afirmando: “As soluções técnicas e políticas não são suficientes, se não estiverem amparadas pela responsabilidade de cada integrante e por um processo educativo que favoreça um modelo cultural de desenvolvimento e sustentabilidade voltado para a fraternidade e a aliança entre o ser humano com o meio ambiente.”

 

 

Desarmamento nuclear também ajuda

Noutro âmbito, o secretário do Vaticano para as relações com os Estados falou dos gastos em armas nucleares que poderiam ser reconvertidos em ajuda para o desenvolvimento e no combate à emergência climática.

“À medida que enfrentamos uma pandemia global de natureza incerta e os efeitos da mudança climática global pioram, os Estados devem reduzir os seus gastos militares para atender as necessidades humanitárias e às exigências da nossa casa comum”, disse o bispo Paul Gallagher, na terça-feira, 28, na Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque, refere a Ecclesia, citando o Vatican News.

No Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares, Gallagher afirmou que há “uma fonte de crescente desigualdade tanto dentro das nações como entre elas” com as despesas de alguns Estados no desenvolvimento e produção de arsenal nuclear.

O responsável lembrou a encíclica Fratelli Tutti (“Todos irmãos”), onde o Papa Francisco apela a que os gastos militares sejam convertidos num fundo global para promover o desenvolvimento dos países mais pobres. Paul Gallagher referiu também a encíclica Pacem in Terris (“A paz na terra”), assinada em 11 de Abril de 1963 pelo Papa João XXIII, onde se diz que a paz não consiste numa distribuição justa de armamentos, mas na confiança mútua.

No dia 20 de Janeiro passado, o Papa Francisco saudou a entrada em vigor do tratado, após a sua ratificação por mais de 50 Estados, incluindo o Vaticano, lembrando que a utilização destas armas tem um “impacto indiscriminado” porque “atinge, em pouco tempo, uma grande quantidade de pessoas, e provoca danos ambientais com uma longuíssima duração”. No entanto, nenhum dos países detentores de armamento nuclear ratificou o Tratado. Portugal escudou-se também na posição da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) para não ratificar, como referiu o ministro Santos Silva ao 7MARGENS.

O bispo Gallagher exortou os Estados que ainda não o fizeram a ratificar este Tratado, pedindo o apoio dos países com armas nucleares ao esforço de desarmamento.

 

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Interfaces relacionais insubstituíveis

Interfaces relacionais insubstituíveis novidade

Numa típica sala de aula do século XVIII, repleta de jovens alunos mergulhados em cálculos e murmúrios, um desafio fora lançado pelo professor J.G. Büttner: somar todos os números de 1 a 100. A esperança de Büttner era a de ter um momento de paz ao propor aquela aborrecida e morosa tarefa. Enquanto rabiscos e contas se multiplicavam em folhas de papel, um dos rapazes, sentado discretamente ao fundo, observava os números com um olhar penetrante. [Texto de Miguel Panão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This