[Os Dias da Semana]

Não nos siga nas redes sociais

| 8 Dez 2021

redes sociais foto c pixabay

“Sinto-me feliz por perder 10 milhões de libras deixando o Facebook”, afirmou Mark Cosntantine, director executivo da marca de cosméticos Lush. Foto  © Pixabay.

 

As redes sociais oferecerão vantagens que alguns terão competências para aproveitar, mas, hoje, é impossível desconhecer os seus abundantes inconvenientes, congénitos, há quem garanta. As vozes dos que têm denunciado que o modelo de negócio das redes sociais – a sua razão de ser, portanto – assenta na rendibilidade dos seus efeitos mais nefastos têm sido assaz audíveis. Muitos dos que se manifestam contra elas conhecem-nas internamente, por nelas terem desempenhado funções de relevo. Sabem, pois, muito bem do que falam.

Entretanto, os que julgam que as desvantagens das redes sociais suplantam os benefícios têm-se multiplicado. Por essa razão, abandonam-nas, mesmo que daí resulte algum prejuízo. Não algum, mas imenso, foi o que a Lush, uma famosa marca de produtos de cosmética britânica com 400 lojas próprias em todo o mundo, teve ao encerrar milhares de contas do Facebook, Instagram, Snapchat e TikTok. E, todavia, o diário britânico The Guardian de 26 de Novembro atribui a Mark Constantine, cofundador e director executivo da Lush, uma afirmação singular: “Sinto-me feliz por perder 10 milhões de libras deixando o Facebook” [1]. Para ele, “não havia alternativa” depois das chamadas de atenção dos “lançadores de alertas” para o impacto negativo das redes sociais, como o Instagram, na saúde mental dos adolescentes.

Jack Constantine, filho de Mark e director digital, explicou que a empresa produz produtos que ajudam a desconectar, a relaxar e a proporcionar bem-estar. “Certas redes sociais tornaram-se a antítese deste objectivo, com os seus algoritmos concebidos para incitar as pessoas a fazer deslizar o ecrã eternamente, sem dispor de um único momento para se desconectarem e relaxarem” [2].

O afastamento do Facebook, do Instagram, do Snapchat e do TikTok, e, consequentemente, de mais de 10 milhões de seguidores, verificou-se na “black friday”. “Toma um banho na companhia de um bom livro, cuida de ti com uma máscara facial e um chá, ou desfruta de um passeio ao ar livre. Convidamos-te a fazer uma pausa do mundo virtual para viver o presente. Queremos conectar-nos contigo em sítios que cuidem de ti e do teu bem-estar mental”, dizia, no passado dia 26 de Novembro, a última publicação da empresa de cosméticos na conta portuguesa do Facebook [3].

Os princípios expressos na “Política anti redes sociais” da Lush [4], apresentados no site da marca, demonstram uma significativa preocupação ética. São, simultaneamente, um expressivo requisitório contra o Facebook, o Instagram, o Snapchat e o TikTok, alvos da grave acusação de aplicarem algoritmos para manipular os utilizadores “com conteúdo negativo, notícias falsas, ou pontos de vista extremos, a fim de aumentar interações, cliques e partilhas”.

Para estar presente nessas redes sociais, a Lush pretende que elas funcionem de outro modo. Apenas assim a confiança poderá existir. Os serviços têm de ser prestados “de uma forma clara e transparente”, não ocultando “as suas verdadeiras funções comerciais ou fluxo de receitas”. A transparência impõe-se também em relação ao modo como são instrumentalizados os dados dos utilizadores. Para a empresa, os utilizadores têm também de ser eficazmente protegidos de “assédio, dano e manipulação”.

“Como qualquer outro passatempo aditivo”, diz ainda a Lush, “desejamos que as plataformas concebam o seu produto para minimizar o risco de utilização excessiva e encorajar padrões de utilização saudáveis”.

Um dos convites que a marca formulou na derradeira publicação no Facebook merece ser aceite. Vale a pena “fazer uma pausa do mundo virtual para viver o presente”. A proposta endereçada a cada um tem o atractivo de não implicar custos de espécie alguma.

 

Notas:
[1] https://www.theguardian.com/business/2021/nov/26/im-happy-to-lose-10m-by-quitting-facebook-says-lush-boss
[2] https://www.cbnews.fr/marques/image-lush-stoppe-son-activite-reseaux-sociaux-65413
[3] https://fr-fr.facebook.com/LushPortugal/
[4] https://weare.lush.com/pt/lush-life/as-nossas-politicas/politica-anti-redes-sociais-lush/

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This