[Os Dias da Semana]

Não nos siga nas redes sociais

| 8 Dez 2021

redes sociais foto c pixabay

“Sinto-me feliz por perder 10 milhões de libras deixando o Facebook”, afirmou Mark Cosntantine, director executivo da marca de cosméticos Lush. Foto  © Pixabay.

 

As redes sociais oferecerão vantagens que alguns terão competências para aproveitar, mas, hoje, é impossível desconhecer os seus abundantes inconvenientes, congénitos, há quem garanta. As vozes dos que têm denunciado que o modelo de negócio das redes sociais – a sua razão de ser, portanto – assenta na rendibilidade dos seus efeitos mais nefastos têm sido assaz audíveis. Muitos dos que se manifestam contra elas conhecem-nas internamente, por nelas terem desempenhado funções de relevo. Sabem, pois, muito bem do que falam.

Entretanto, os que julgam que as desvantagens das redes sociais suplantam os benefícios têm-se multiplicado. Por essa razão, abandonam-nas, mesmo que daí resulte algum prejuízo. Não algum, mas imenso, foi o que a Lush, uma famosa marca de produtos de cosmética britânica com 400 lojas próprias em todo o mundo, teve ao encerrar milhares de contas do Facebook, Instagram, Snapchat e TikTok. E, todavia, o diário britânico The Guardian de 26 de Novembro atribui a Mark Constantine, cofundador e director executivo da Lush, uma afirmação singular: “Sinto-me feliz por perder 10 milhões de libras deixando o Facebook” [1]. Para ele, “não havia alternativa” depois das chamadas de atenção dos “lançadores de alertas” para o impacto negativo das redes sociais, como o Instagram, na saúde mental dos adolescentes.

Jack Constantine, filho de Mark e director digital, explicou que a empresa produz produtos que ajudam a desconectar, a relaxar e a proporcionar bem-estar. “Certas redes sociais tornaram-se a antítese deste objectivo, com os seus algoritmos concebidos para incitar as pessoas a fazer deslizar o ecrã eternamente, sem dispor de um único momento para se desconectarem e relaxarem” [2].

O afastamento do Facebook, do Instagram, do Snapchat e do TikTok, e, consequentemente, de mais de 10 milhões de seguidores, verificou-se na “black friday”. “Toma um banho na companhia de um bom livro, cuida de ti com uma máscara facial e um chá, ou desfruta de um passeio ao ar livre. Convidamos-te a fazer uma pausa do mundo virtual para viver o presente. Queremos conectar-nos contigo em sítios que cuidem de ti e do teu bem-estar mental”, dizia, no passado dia 26 de Novembro, a última publicação da empresa de cosméticos na conta portuguesa do Facebook [3].

Os princípios expressos na “Política anti redes sociais” da Lush [4], apresentados no site da marca, demonstram uma significativa preocupação ética. São, simultaneamente, um expressivo requisitório contra o Facebook, o Instagram, o Snapchat e o TikTok, alvos da grave acusação de aplicarem algoritmos para manipular os utilizadores “com conteúdo negativo, notícias falsas, ou pontos de vista extremos, a fim de aumentar interações, cliques e partilhas”.

Para estar presente nessas redes sociais, a Lush pretende que elas funcionem de outro modo. Apenas assim a confiança poderá existir. Os serviços têm de ser prestados “de uma forma clara e transparente”, não ocultando “as suas verdadeiras funções comerciais ou fluxo de receitas”. A transparência impõe-se também em relação ao modo como são instrumentalizados os dados dos utilizadores. Para a empresa, os utilizadores têm também de ser eficazmente protegidos de “assédio, dano e manipulação”.

“Como qualquer outro passatempo aditivo”, diz ainda a Lush, “desejamos que as plataformas concebam o seu produto para minimizar o risco de utilização excessiva e encorajar padrões de utilização saudáveis”.

Um dos convites que a marca formulou na derradeira publicação no Facebook merece ser aceite. Vale a pena “fazer uma pausa do mundo virtual para viver o presente”. A proposta endereçada a cada um tem o atractivo de não implicar custos de espécie alguma.

 

Notas:
[1] https://www.theguardian.com/business/2021/nov/26/im-happy-to-lose-10m-by-quitting-facebook-says-lush-boss
[2] https://www.cbnews.fr/marques/image-lush-stoppe-son-activite-reseaux-sociaux-65413
[3] https://fr-fr.facebook.com/LushPortugal/
[4] https://weare.lush.com/pt/lush-life/as-nossas-politicas/politica-anti-redes-sociais-lush/

 

Jovens vão dizer aos bispos o que querem discutir, num modelo inédito de catequeses da JMJ

Inspirado no processo sinodal

Jovens vão dizer aos bispos o que querem discutir, num modelo inédito de catequeses da JMJ novidade

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 vai inaugurar um novo modelo de catequeses com os bispos, em que os jovens serão “os verdadeiros protagonistas”. Pela primeira vez na história das Jornadas, os jovens de todo o mundo são desafiados a refletir previamente sobre os temas dessas catequeses (as quais mudam de designação e passam a chamar-se encontros) e a partilhar com a organização da JMJ os resultados dessa reflexão. Os encontros, que ocuparão as manhãs de dias 2, 3 e 4 de agosto, serão preparados tendo em conta esses contributos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Em Lisboa

Servas de N. Sra. de Fátima dinamizam “Conversas JMJ”

O Luiza Andaluz Centro de Conhecimento, ligado á congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, acolhe na próxima quinta-feira, 30 de março, a primeira de três sessões do ciclo de “Conversas JMJ”. Esta primeira conversa, que decorrerá na Casa de São Mamede, em Lisboa, pelas 21h30, tem como título “Maria – mulheres de hoje” e será dedicada ao papel da mulher na sociedade atual.

Cristãos “horrorizados e magoados” com escalada de violência na Terra Santa

Apelo à ação do governo israelita

Cristãos “horrorizados e magoados” com escalada de violência na Terra Santa novidade

Os ataques contra cristãos têm vindo a intensificar-se desde o início do ano na Terra Santa, e em particular nas últimas semanas contra a comunidade católica, que se assume cada vez mais assustada e receosa. O padre Francesco Patton, Custódio da Terra Santa, sublinha que “não é coincidência que esses incidentes graves estejam a a ocorrer especificamente agora” e pede ao governo israelita que aja com determinação para pôr fim a esta escalada de tensão.

“Uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”, lembra o Papa

Vídeo de abril

“Uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”, lembra o Papa novidade

Na edição de abril d’O Vídeo do Papa, Francisco pede com determinação que “desenvolvamos uma cultura da paz”, assinalando que “uma paz duradoura só pode ser uma paz sem armas”. Previamente gravado e divulgado esta quinta-feira, 30 de março, o vídeo assinala também os 60 anos da publicação da encíclica Pacem in Terris, escrita pelo Papa João XXIII, que se cumprem no próximo dia 11.

Igreja condena “Doutrina do Descobrimento” e pede perdão aos povos indígenas

Declaração conjunta repudia bulas papais

Igreja condena “Doutrina do Descobrimento” e pede perdão aos povos indígenas novidade

O Vaticano reforçou esta quinta-feira, 30 de março, a sua posição a favor dos direitos dos povos indígenas das Américas, África e Austrália ao repudiar os fundamentos papais do século XV que estiveram na base da posterior “Doutrina do Descobrimento”, formulada para conferir caráter legal à expropriação das terras dos povos indígenas pelo colonos europeus.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This