“Não podemos abandonar seres humanos na neve”: ONG alertam para sofrimento de migrantes nos Balcãs

| 30 Dez 20

migrantes Bosnia, Foto IOM 2020_Ervin Causevic

Grupo de migrantes abandona o campo de refugiados de Lipa, na Bósnia, depois de este ter sido destruído num incêndio. Foto: IOM/Ervin Causevic.

 

O Centro Astalli (Serviço Jesuíta aos Refugiados italiano) e a Cáritas Ambrosiana (da diocese de Milão) apelaram esta segunda-feira, 28, para o “risco de uma catástrofe humanitária” no noroeste da Bósnia, onde milhares de migrantes e refugiados se encontram sem abrigo, expostos a temperaturas negativas e à queda de neve, depois de o campo onde muitos deles residiam, em Lipa, ter sido na semana de Natal destruído por um incêndio.

“A situação nos Balcãs, na fronteira com a Itália, é uma violação dos direitos humanos contra pessoas que fogem da guerra e de crises humanitárias como as do Iraque, Síria e Turquia”, pode ler-se no comunicado divulgado pelo Centro Astalli. A instituição manifesta-se “alarmada com as condições de extremo perigo, pobreza e sofrimento em que se encontram milhares de migrantes (…) vítimas de um grande incêndio que arrasou o campo onde viviam em condições já inaceitáveis”.

A situação atinge cerca de três mil refugiados, a cerca de 30 quilómetros de Bihac, na Bósnia-Herzegovina, que estão neste momento a dormir na mata, sem água nem comida, ou na única tenda que não foi devorada pelas chamas. “Vivemos como animais. Ou mesmo pior. Se ninguém nos ajudar, morreremos” é o grito desesperado de Kasim, um paquistanês que sobrevive nesse inferno, citado numa reportagem do diário italiano Corriere della Sera.

Para o padre Camillo Ripamonti, director do Centro Astalli, “a Europa deverá assumir a tarefa de ativar planos de recolocação e redistribuição em todos os Estados Membros para resgatar os migrantes forçados que têm direito a ser acolhidos e protegidos”. “Não podemos abandonar seres humanos na neve”, sublinha o responsável.

“Há dezenas de testemunhos de maus tratos que registamos, alerta por seu lado a Cáritas Ambrosiana, num comunicado citado pelo Vatican News. “Além dos perigos relacionados com o atravessamento de áreas com minas que remontam às guerras dos anos 90, as condições físicas e psicológicas dos migrantes deterioram-se rapidamente e os riscos de confrontos com as comunidades locais aumentam”.

Também Peter van der Auweraert, chefe da missão da Organização Internacional para as Migrações (OIM) na região, denunciou a situação na sua conta de Twitter e pediu “coragem política” e “ação imediata”. A União Europeia havia já alertado a Bósnia para a necessidade de serem tomadas medidas de urgência no sentido de apoiar todos os refugiados e migrantes, em particular com a chegada do inverno.

O dispositivo de assistência que ali funcionava há escassos meses era gerido pelas autoridades locais, com assistência da Organização Internacional para as Migrações (OIM), como resposta ao afluxo crescente de migrantes que buscam entrar na União Europeia e vivem nas zonas fronteiriças em condições extremamente precárias. disse van der Auweraert, nas vésperas de Natal. “Por vários motivos, principalmente políticos, ele nunca foi ligado à rede de água ou eletricidade e nunca foi preparado para o inverno. E agora, depois do incêndio, nunca será. ”

De acordo com o serviço de notícias das Nações Unidas, a OIM, a Cruz Vermelha e outras associações humanitárias estão no terreno a distribuir alimentos, roupas quentes, sacos-cama e conjuntos de higiene. Não foi identificado, no entanto, nenhum campo ou outro local na região com capacidade para acolher os cerca de três mil migrantes.

As Nações Unidas expressaram a sua preocupação e prometeram apoio nos esforços para encontrar soluções. Um comunicado exortou as autoridades a que se envolvam “imediatamente na preparação para o inverno do acampamento de tendas de emergência de Lipa e [na oferta de] uma opção de abrigo alternativo enquanto o trabalho está sendo realizado, para identificar e disponibilizar novos locais para pessoas presas ao ar livre com temperaturas abaixo de zero”.

Van der Auweraert, da OIM, observou que, embora os migrantes ainda estivessem na região, alguns planeavam ir para Sarajevo, enquanto outros encontrariam lugares para dormir na rua localmente. “O que nos preocupa é que muitos já disseram que irão para Sarajevo ou Velika Kladuza, mas já sabemos que não há capacidade adicional em nenhum dos abrigos para homens solteiros. Isso provavelmente fará com que as pessoas se mudem para mais perto da fronteira”, alertou. “Este é um cenário de pesadelo: essas pessoas deveriam estar dentro de casa, assim como o resto da Europa está nesta época de férias.”

“O acampamento de Lipa nasceu mal. Quatro barracas-dormitório, forradas de oleado, cada uma com 120 beliches, mais uma barraca que servia de refeitório e alguns duches químicos. A eletricidade vinha de geradores a querosene, que explodiram com os primeiros nevões. A água começou a congelar”, descreve, ao jornal La Repubblica (disponível só para assinantes), Silvia Maraone, coordenadora dos projetos ao longo da rota dos Balcãs na Ipsia, uma ONG que atua na Bósnia há 25 anos e em campos de refugiados do país desde 2018.

Os migrantes são todos muito jovens, entre 23 e 25 anos e incluem alguns menores. Vêm principalmente do Afeganistão e do Paquistão. “Eles pedem comida, roupas, sacos de dormir e barracas. As pessoas precisam de tudo. É um desastre humanitário”, continua Maraone. Alguns, depois do incêndio, saíram para tentar o que chamam de “o jogo”: chegar à Croácia – e à União Europeia. Mas não contam com a polícia: assim que chegam à fronteira são capturados, muitas vezes espancados, despojados do pouco que trazem consigo, levados de volta e abandonados nas montanhas, no bosque ou nas margens de um rio.

Enquanto esperam uma solução, há moradores que organizam piquetes em frente ao acampamento para evitar ter os migrantes por perto e, em Sarajevo, uma reunião entre os governos central e local tenta encontrar uma solução. “É o abismo da humanidade. Há muita cegueira por parte das instituições locais. Pessoas que foram refugiadas e fugiram da guerra há 25 anos, hoje não reconhecem essas pessoas que estão a morrer de frio. É como se tivessem esquecido o que já passaram. Uma violência indescritível”, diz Maraone.

A Bósnia, descreve ainda o La Repubblica, tornou-se o gargalo de uma rota de migrantes que tentam chegar à Europa vindos da Ásia. Cerca de 70.000 pessoas – refugiados, migrantes e requerentes de asilo – já foram registadas no país, nos últimos dois anos. Das cerca de nove mil pessoas que vivem atualmente na Bósnia, apenas seis mil estão nos campos. As restantes dormem ao ar livre, nos edifícios e fábricas em ruínas ou abandonados na sequência da guerra da ex-Iugoslávia. “É o abismo da humanidade.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This