Não podemos ignorar

| 29 Nov 20

Capa Vencer o Medo; Edgar Silva

Há muitas razões que tornam este pequeno livro maior do que a sua dimensão física. A bibliografia sobre a luta antifascista é já extensa, mas este ensaio é diferente. Ao fazer a história da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos (CNSPP) nos seus cinco anos de existência (1969-1974), Edgar Silva escolhe retratar a sociedade portuguesa daquele período a partir do conceito de medo. Para o autor não se trata tanto de descrever um Portugal amordaçado, mas antes caracterizar um Portugal amedrontado, “uma sociedade em que o medo era um fardo pesado”. Esta chave de leitura, aliada a uma valorização muito eclética de todo o tipo de referências da época – factos, publicações, expressões artísticas, testemunhos e percursos individuais – permite-lhe reconstruir com enorme acuidade a densidade própria daqueles anos que constituíram o pano de fundo no qual evoluíram diversas correntes da oposição não clandestina ao regime.

É neste quadro que a questão do apoio aos presos políticos ganha uma dupla importância. Como denúncia da violência policial do regime – que, ao contrário das tímidas promessas da “primavera marcelista” de 1968/69, não parou de aumentar até ao 25 de Abril –, e como plataforma de convergência de personalidades oriundas de vários setores da luta antifascista e anticolonial, agindo num quadro legal de oposição ao regime.

De facto, tal como sindicatos, associações de estudantes, cooperativas, associações culturais, cineclubes e outros, a CNSPP tinha existência legal e legalizada, embora, como todos os outros, sempre sujeita a ver essa situação terminar pela imposição arbitrária da polícia e dos tribunais. Tal nunca aconteceu apesar da progressiva radicalização das denúncias e apelos públicos da Comissão.

Importaria perceber porquê e encontrar no envolvimento de muitas pessoas impossíveis de identificar como “comunistas a soldo do inimigo exterior” uma das razões para tal “impunidade”. O facto de a criação da Comissão ter sido subscrita maioritariamente por personalidades católicas (incluindo uma dezena de padres) explica em boa parte quer a audiência que ela veio a ter quer a dificuldade do regime em reprimir totalmente a sua atividade.

Por outro lado, como Edgar Silva documenta, as tomadas de posição e as denúncias da violência contra os presos políticos nas cadeias portuguesas por parte de alguns movimentos europeus e latino-americanos, ou as campanhas a favor de uma amnistia geral por eles lançadas em estreita articulação com a Comissão, serviram também de escudo protetor do trabalho realizado por esta em Portugal. Mas nada disto impediu a proibição pela polícia política de várias reuniões e outras arbitrariedades contra as estruturas e atividades da CNSPP e a perseguição dos seus membros mais destacados.

Edgar Silva propõe-se explicar a génese da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, sublinhar as suas peculiaridades, discutir a sua importância e contributo para o derrube do regime de Marcelo Caetano e relevar quanto o trajeto da Comissão permite perceber os anos da primavera e do inverno marcelista. Para tal não se restringe à análise das “circulares” publicadas pela CNSPP entre 1970 e 1974. Recolhe entrevistas a alguns dos seus fundadores, retoma outras já realizadas, refere ações concretizadas pela Comissão e traça as genealogias do movimento de solidariedade com os presos políticos em Portugal, indo tão longe quanto a I República.

Os últimos anos do regime marcelista foram marcados pelo contínuo desenvolvimento de uma contestação cada vez mais pública, mais generalizada social e geograficamente, mais radical e abrangendo progressivamente novos setores da população. A guerra colonial, a violência e a repressão policial e ideológica foram os motivos principais que levaram muitas pessoas a ultrapassar o medo que “estava presente na vida dos indivíduos, entrava no corpo e subia pelas veias” e exprimirem abertamente o seu repúdio da situação e do regime.

O autor valoriza a importância da CNSPP exatamente nesse campo, como importante contribuição para organizar e fundamentar a indignação pessoal e coletiva contra a tortura e a violência arbitrária, indignação capaz de se impor ao medo de tomar posição. Tal como pouco antes escrevera Sophia de Melo Breyner Andresen: “Vimos, ouvimos e lemos / não podemos ignorar.” Mas, como escreve o autor, se isso devemos à Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, também não é menos verdade que ela é “um dos protagonistas qua ainda não viram devidamente reconhecido o seu papel na construção do Portugal Democrático.” Não será por causa de Edgar Silva que tal reconhecimento fica por fazer.

Vencer o Medo – A Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos [1969-1974], de Edgar Silva

Edições Afrontamento, 2020; 116 págs. €12,00

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This