Papa no bairro da Serafina

“Não poderia existir uma JMJ se não tivéssemos em conta esta realidade”

| 4 Ago 2023

Papa em encontro no bairro da Serafina, 5 ago de 2023, Foto JMJ Lisboa 2023

“Quando dou a mão a um necessitado, a um doente, a um marginal, eu depois posso dar a mão a outras pessoas e, sem medo de contágio, tenho nojo da pobreza?”, perguntou o Papa no bairro da Serafina. Foto © JMJ Lisboa 2023.

 

Os óculos não funcionaram, mas Francisco não se atrapalhou. Até porque a mensagem que queria passar, naquele bairro “onde nem os polícias entravam”, não estava no papel, e sim “no espírito”: “Não existe amor abstrato, só amor concreto. O amor platónico está em órbita, não na realidade. O amor concreto é aquele que suja as mãos”, disse o Papa, olhos nos olhos com “os amigos do Centro Paroquial da Serafina, da Casa Família Ajuda de Berço e da Associação Acreditar” que ali se encontravam na manhã desta sexta-feira, 4 de agosto.

“E podemos perguntar-nos: e o amor que eu sinto por todos? É concreto ou abstrato?”, continuou. “Quando dou a mão a um necessitado, a um doente, a um marginal, eu depois posso dar a mão a outras pessoas e, sem medo de contágio, tenho nojo da pobreza? Ou estou sempre a procurar uma vida limpa, destilada?”, perguntou, insistindo: “Quantas vidas destiladas e inúteis que vivem sem deixar marca?”.

Não era o caso de muitos dos que estavam a escutá-lo, nomeadamente o padre Francisco Crespo, responsável pelo centro paroquial, que agradeceu ao Papa a sua vinda. “Este gesto ajuda-nos a fazer mais e melhor por aqueles que precisam do apoio e do amor de Cristo”, assegurou.

O também pároco recordou o dia em que ali chegou: “impressionou-me tanta manifestação de pobreza, mas, sobretudo, o olhar vazio dos idosos sentados nas ruas”. Esta sexta-feira, no entanto, o olhar dos muitos idosos, pessoas com deficiência, crianças e jovens presentes no centro – que atualmente dá resposta a 800 utentes – estava cheio: de alegria e gratidão.

O padre Francisco Crespo considera que a vida no bairro foi melhorando, com a ajuda de muitos, mas reconheceu que é preciso continuar com a “cultura do cuidado”, ou seja, valorizar “o pouco ou o muito que cada um pode dar para se sentir útil e integrado na comunidade”.

Aos olhos do Papa, mesmo sem óculos, este projeto é já “uma realidade que deixa marca, uma realidade de muitos anos que está a deixar uma marca que inspira os outros”. E por isso pediu especificamente para visitá-lo. Porque “não poderia existir uma JMJ se não tivéssemos em conta esta realidade, porque isto também é juventude”, explicou. “Vós gerais vida continuamente e isso é feito com o vosso compromisso, com o facto de sujarem as mãos e de gerar vida. Agradeço-vos de todo coração por isso. Continuem, não desanimem e, se desanimarem, bebam um copo de água e continuem”, concluiu.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This