Não somos deste mundo

| 23 Out 2022

O mundo não é algo que nos deva ser estranho. Foto © M / Unsplash

 

Talvez precisemos de reconhecer que não somos deste mundo, para que possamos verdadeiramente saboreá-lo e experiênciá-lo. É como quando estamos em viagem num país estrangeiro, tornamo-nos mais disponíveis para apreciar todas as coisas, a história do local, a comida, o ar, as pessoas, enfim. Se mergulharmos demasiado no mundo, deixamos de ser capazes de apreciá-lo, e nesse sentido, deixamos de ser capazes de viver humanamente. É que nós somos consciência, alma, interioridade acima de tudo. Ser humano é estabelecer uma distância radical entre a consciência que se é, e as coisas tal como nos aparecem; entre o domínio da interioridade subjetiva e o mundo. Ser humano é reconhecer que a verdade está dentro de nós, e que a verdade aparente das coisas exteriores é tanto maior quanto nós achamos que é, ou seja, quanto maior for o valor e o peso que lhes atribuímos nas nossas existências, colocando nelas, erradamente, o nosso fim existencial.

Isso está longe de querer dizer “fuga do mundo” ou diabolização da aparência e da materialidade; não é nada disso. É mesmo o inverso, porque sabermos estabelecer essa distância é o único modo de experienciarmos o melhor do mundo sem nos perdermos nele. Precisamente por isso é que devemos regularmente praticar o retiro e a renúncia, cultivar a interioridade, para que possamos ir sempre renovando a nossa faculdade de sentir e experienciar o mundo com a devida profundidade, sem nunca perdermos a capacidade de nos espantarmos e maravilharmos.

Se não estivermos bem instalados no centro objetivo e absoluto da nossa interioridade mesma, da nossa consciência, reconhecendo aí o nó absoluto que nos vincula absolutamente ao Infinito (que é nosso verdadeiro lugar e origem), não estaremos na posição certa para sentir, pensar, experienciar o mundo com a devida profundidade/intensidade, e para o pôr em perspetiva no seu devido lugar em relação a nós.

Há algo de extraordinariamente sublime e libertador em vivermos sempre como se fôssemos apenas visitantes deste mundo, peregrinos, cuja verdadeira vida e esperança se encontra necessariamente noutro lugar infinitamente mais essencial e mais vasto. Se temos algum compromisso, não é como o mundo, mas com outra, ou outras consciências que, como eu, não são deste mundo nem têm nele o seu fim último.

O mal está, por conseguinte, em imergir no mundo até à dissolução. Ou, o que é o mesmo, em fazer do mundo um absoluto em si mesmo, um dado, um facto puro que começa e acaba em si próprio. O mal está na idolatria da objetividade material, do atomismo discreto da realidade (ou seja, a crença de que a realidade última é descontínua, admitindo portanto lacunas de nada absoluto na sua constituição). No limite, o mal está na própria absolutização do mal, quer dizer, na crença de que o mal é constitutivo da própria realidade, e tem, e terá portanto sempre a última palavra. Abandonar a crença no Absoluto como Bem, ou Bem Absoluto, enquanto realidade infinita que contém e subjaz ao próprio mundo, contínua e não discreta, é permitir que o mundo e a consciência humana se deixem corromper progressivamente pela dúvida até à vertigem de um ceticismo sem saída, como se as fissuras de nada absoluto cuja realidade se admite minassem por fim toda a estrutura do Ser Absoluto, até à sua destruição (nadificação).

Mas como o mundo (materialidade absolutizada/idolatrada) não é jamais capaz de satisfazer completamente, nem de oferecer qualquer esperança real e redentora para o espírito humano, cedo ou tarde cai-se na desesperança e no relativismo, que por vezes não é senão uma fachada para a absolutização do mal, que é muito pior. Quer dizer, alega-se o abandono de um absoluto para logo de seguida tomar-se outro, quer seja o nada ou o próprio mal – que são basicamente o mesmo. Mas não se pode de maneira nenhuma fazer do nada ou do mal absolutos sem acabar por se ser engolido por eles (ou esvaziado) – i.e., sem se cair na angústia e no desespero, num nihilismo irredutível ou na apologia do absurdo como filosofia de vida.

Daí que, para os primeiros teólogos e padres do Cristianismo, em particular Santo Agostinho, o maniqueísmo é tão indefensável e pernicioso como a idolatrização do próprio mal, porque de facto, conceber o mal absoluto como opondo-se eternamente ao bem absoluto, é abrir a porta a um pessimismo fundamental relativamente ao próprio mundo, pois o mundo é o próprio mal. Porque a absolutização do mal absoluto, mesmo com o contraponto do bem absoluto, mina a crença neste último e na sua efetiva necessidade, inexorabilidade e ubiquidade ontológica. Lança a dúvida sobre a própria bondade e omnipotência desse Absoluto para criar um universo que, ainda que não seja o bem último, tem pelo menos um lugar nele, sendo portanto ele mesmo um certo bem. Além do mais, não é defensável a ideia de que dois absolutos possam coexistir num mesmo universo, ou coexistir de todo, se o Absoluto é, por definição, a própria Unidade Mesma sem par.

O único mal absoluto é crer no mal absoluto. O que é basicamente o mesmo que crer que o mundo é esse mal absoluto. Mas não, o mundo não é o mal, como tal não devemos fugir dele nem deixar de experienciar sem culpa o melhor, o mais belo, o mais sublime que ele tem (ainda que dessa beleza e sublimidade ele seja apenas devedor). O mal não é o mundo, mas a maneira como imputamos ao mundo uma ontologia que ele não tem efetivamente, como o reduzimos a uma objetividade que é princípio e fim em si mesma, esvaziando-o assim de um sentido transcendente. O mal é a idolatria do mundo, não o mundo tal como ele é. O mal é imputarmos a nós mesmos essa mesma (i)realidade, esquecendo, ou não querendo, ou não sabendo ver a infinita profundidade da nossa alma, e o quanto o nosso fim e consumação se encontra, não na confusão com esse mundo, mas no Absoluto que infinitamente o transcende sem deixar de lhe ser imanente.

 

Ruben Azevedo é professor e membro do Ginásio de Educação Da Vinci – Campo de Ourique (Lisboa).

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This