Não ter medo da covid

| 18 Out 2020

Antisemitismo. Judaísmo. Berlim. Alemanha

Folhas Caídas, instalação de Menashe Kadishman no Museu Judaico de Berlim. Foto © António Marujo

 

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Quem será que está a pôr estas ideias a correr? Quem adere a elas, e porquê? Acreditam mesmo que os actuais governos europeus têm uma agenda totalitária?

Quanto aos outros, os que sabem que estamos a viver uma pandemia, que o vírus tem uma taxa de mortalidade de cerca de 1% e leva ao internamento hospitalar de cerca de 6% dos infectados, mas falam na mesma em “resistir ao medo”, pergunto: o que querem dizer com isso?

Será que “não ceder ao medo” e “manter a normalidade a todo o custo” significa aceitar que o vírus se propague em roda livre, usar para a covid apenas a capacidade médica e hospitalar que esteja disponível depois de tratar todas as outras doenças, e dizer “paciência, shit happens” no caso de a avó, ou a mãe, ou o filho diabético/com problemas cardíacos/com problemas pulmonares/com hipertensão lhes morrerem à porta do hospital por não haver lugar lá dentro? É esse o cenário que propõem?

(Nota: podemos discutir os números que dei acima, 1% de mortalidade e 6% de necessidade de internamento hospitalar – mas, sejam eles quais forem, há que fazer as contas: há camas e pessoal nos hospitais para acudir a todos os que precisarem de ajuda caso o vírus se espalhe livremente pela população?) Ou será que têm propostas para um combate mais eficaz contra o vírus? Venham elas!

Pessoalmente, não sinto medo da covid. Sinto responsabilidade: quero participar voluntariamente no esforço de conter o vírus. Não por mim – provavelmente conseguiria safar-me sem grandes danos – mas para proteger aqueles que possa involuntariamente contagiar.

Se me custa falar com máscara? Sim, custa – mas nada que se pareça com o que me custaria saber que uma vizinha de 80 anos morreu por causa da covid com que involuntariamente a contagiei. Se me custa não poder abraçar os amigos? Sendo esse o preço a pagar para a minha amiga asmática se poder sentir um pouco mais segura, seja. Se tenho pena de andar a adiar sine die os projectos de viagem? Claro que sim – mas repito a mim própria que é apenas um adiar. Se tenho pruridos em usar a app alemã para me avisar caso tenha estado perto de alguém com covid? Não, nada, porque (1) é voluntário, (2) tenho a certeza que não foi criado para espiar os meus movimentos, e – tão last quanto least – (3) não funciona no meu telemóvel jurássico… Se estou chateada por este ano o nosso Natal ser diferente do habitual? Não, nem um bocadinho, porque é uma decisão responsável que tomamos por amor: uma das pessoas com quem costumamos passar o Natal tem um problema gravíssimo de coração. Nem pensar em fazê-la correr risco de vida apenas porque nos custa desistir da tradição.

Podemos sempre escolher entre estar nisto como vítimas ou como cidadãos responsáveis. Cidadãos responsáveis que aceitam voluntariamente privar-se de parte daquilo a que estavam habituados para participarem no esforço de contenção deste vírus. E para não virem a carregar a culpa de terem contribuído para a morte da alguém que amavam. Ah, e quase ia esquecendo: o inimigo não é o governo. É o vírus. O vírus – e quem, perante os esforços de conter a pandemia e salvar vidas – aproveita para criar ainda mais confusão e teorias da conspiração.

 

Traduzo a mensagem da Angela Merkel sobre a situação em que a Alemanha se encontra neste momento, de uma gravação recente do seu podcast (vídeo / texto – ambos em alemão):

Mãos. Lavar mãos. Água. Covid.

“Que pode cada um fazer para abrandar o contágio? Muito: respeitar a distância mínima de segurança, usar uma máscara e observar as regras de higiene.” Foto © Beat Ruest/Wikimedia Commons

 

“Pelo menos desde a semana que passou estamos cientes de que nos encontramos numa fase muito séria da pandemia do corona. Dia após dia, o número de novas infecções está a aumentar rapidamente. A pandemia está a alastrar de novo rapidamente, ainda mais depressa do que no início, há mais de meio ano. O Verão – relativamente mais descontraído – terminou, e agora esperam-nos meses difíceis. Nos próximos dias e semanas vai decidir-se como será o Inverno e como será o nosso Natal. Isso vai ser decidido por nós todos, em função daquilo que fizermos.

Entendo que isso significa o seguinte para nós:

Devemos fazer agora tudo o que estiver ao nosso alcance para evitar que o vírus se propague de forma incontrolável. Agora, cada dia conta. Para quebrar as cadeias de contágio, é necessário informar todas as pessoas que estiveram em contacto com alguém infectado. Os centros de saúde estão a fazer um trabalho extraordinário, mas, se o número de infectados se tornar demasiado alto, vão chegar ao limite das suas possibilidades.

Tendo isto em conta, que pode cada um de nós fazer para abrandar o ritmo do contágio? Muito, e a maior parte desde já pelos simples cuidados de respeitar a distância mínima de segurança, de usar uma máscara a tapar a boca e o nariz, e de observar as regras de higiene.

Mas agora temos de fazer mais. A ciência diz-nos claramente que a propagação do vírus está directamente ligada ao número de contactos, de encontros que cada um de nós tem. Se cada um de nós reduzir durante algum tempo e de forma substancial o número de encontros fora da própria família, então será possível parar e inverter a tendência actual de aumento de infecções.

É este o apelo que hoje faço a todos: reduzam substancialmente o número de pessoas com quem se encontram, tanto fora como dentro de casa.

Peço: prescindam que qualquer viagem que não seja absolutamente necessária, prescindam de qualquer festa que não seja absolutamente necessária. Por favor: sempre que possível, fique cada um em sua casa e na respectiva localidade.

Sei que peço duros sacrifícios, e que para muitos são renúncias difíceis. Mas é uma situação temporária, e de facto fazemos estes sacrifícios por nós próprios: pela nossa saúde e pela saúde de todos aqueles que queremos ver poupados a esta doença. Para não sobrecarregar o nosso sistema de saúde, para permitir que as escolas e os infantários permaneçam abertos. Para a nossa economia, e para os nossos empregos.

Vejamos: a que se deveu o nosso sucesso relativo durante os primeiros seis meses da pandemia? Foi termo-nos mantido unidos e termos respeitado as regras. Por consideração pelos outros, e por sensatez. De momento, é esta a ferramenta mais eficaz que temos para lutar contra a pandemia. E agora é mais necessária que nunca.

Muito obrigada a todos.”

 

Helena Araújo vive em Berlim e é autora do blogue 2 Dedos de Conversa, de onde se reproduzem estes textos, publicados com os títulos Não ter medo da covid e Angela Merkel sobre a situação actual da pandemia.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This