Nas margens da Filosofia – O prazer de ensinar

| 9 Mar 19

“Ensinar é mais difícil do que aprender porque ensinar quer dizer fazer aprender” (Martin Heidegger)

É  habitual pensarmos na reforma como um fim de carreira mas, embora me tenha aposentado há quatro anos, continuo ligada à vida académica e à investigação. As solicitações sucedem-se e o trabalho mantém-se quase ao mesmo ritmo.A  diferença está na ausência de leccionação, o que me leva a pensar com saudade nas muitas aulas que dei e que constituíram  momentos gratificantes na minha vida. Daí a minha discordância relativamente a Espinosa no que respeita à sua recusa em ser professor.

Recordo que em 1673, poucos anos antes de morrer, o filósofo recebeu um convite aliciante para leccionar na Academia de Heidelberg. Convite esse que declinou com a justificação de querer manter o desejo de filosofar livremente bem como de preservar a tranquilidade pessoal que uma actividade lectiva necessariamente perturbaria. É uma atitude que compreendo, atendendo ao contexto histórico e político da época, pouco receptivo às teorias controversas do autor da Ética. Mas que de modo algum perfilho pois, contrariamente a este filósofo que muito prezo e a quem dediquei grande parte da minha investigação, faz-me falta um espaço em que se possa manifestar essa relação complexa entre  ensinante e  ensinado. E lembro, com alguma nostalgia, o prazer da relação ensino/aprendizagem que se estabelece com uma turma de alunos, no que ela tem de gratificante mas também, por vezes, de frustrante e de conflitual.

Baruch Espinosa declinou convite para ensinar com a justificação de querer manter o desejo de filosofar livremente bem como de preservar a tranquilidade pessoal que uma actividade lectiva necessariamente perturbaria.

 

É de pedagogia que nos fala George Steiner no seu livro As Lições dos Mestres (trad. Rui Pires Cabral, Lisboa, Gradiva, 2005), onde o  ensino nos é apresentado como um acto de amor. Na análise das várias formas de relação que o autor analisa – o mestre que destrói o aluno, o discípulo que trai e arruína o mestre, a relação amorosa que se estabelece entre ensinante e ensinado – é esta última que sobressai como presença constante na variedade dos domínios considerados, tão diversos quanto a religião, a filosofia, a literatura, a música e mesmo o desporto.

Ao longo de  séculos de história, Steiner leva-nos a visitar diferentes tradições culturais e faz-nos cúmplices das grandezas e misérias de mestres famosos. É uma obra que interpela todos os que passaram pela escola – professores, alunos e outros agentes de docência. E a sua tese essencial é a de que “ensinar, ensinar bem, é ser cúmplice de possibilidades transcendentes” (p.148).  Todos aqueles que alguma vez foram tocados pelo exemplo de um Mestre, ou seja, de alguém que lhes abriu caminhos e os marcou indelevelmente com o seu saber e afecto, sentir-se-ão representados nas páginas deste livro.  

Ensinei filosofia a diferentes tipos de público – dezasseis anos no Liceu e trinta na Universidade. Ao longo de todo este tempo de investigadora e de professora de filosofia manteve-se constante um mesmo deslumbramento: o de poder/dever trabalhar as temáticas que estudava e ensinava, numa atitude de permanente questionamento; o de poder/dever partilhar com os estudantes de filosofia uma comum paixão pelo saber, aquilo que, como Espinosa escreve no Tratado da Reforma do Entendimento, nos conduz a uma  suprema alegria. E intensifica-se  em mim, de um modo cada vez mais profundo, a consciência de que, ao ter escolhido a profissão de ensinante,  me coloquei no âmago da prática filosófica, devido à intrínseca relação que a filosofia estabelece com o seu ensino, quer este se situe na Escola quer na Academia. Filosofar, tal como ensinar, é uma actividade essencialmente comunicativa e dialógica, um exercício de paciência, um trabalho demorado sobre teorias e conceitos. Embora mantenha acesa essa actividade em projectos de investigação, em conferências e na escrita de textos,  confesso que o exercício de ensinar me faz muita falta.

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática  de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site)

Artigos relacionados

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O sofrimento como elemento axiomático da reflexão sobre a eutanásia novidade

Após umas notas na página do 7MARGENS no Facebook, pedem-me para lhes dar forma de artigo a fim de poder ser publicado. Está bem. Por alguma razão, que não estará fora do entendimento de quem venha a ler estas linhas, lembrei-me de ir buscar à estante o disco Requiem for My Friend, do compositor contemporâneo Zbigniew Preisner. Há muito que penso que gostaria de o ter no meu funeral e, por maioria de razão, se algum dia eu for sujeito a eutanásia, no momento da passagem.

Eutanásia ativa: não, não creio!… novidade

É possível e desejável auscultar os eleitores através de referendo sobre se consideram, ou não, que o tema deva ser objeto de legislação por parte da Assembleia da República durante esta legislatura. Assim se garantirá ao Parlamento a total legitimidade de que...

Eutanásia: Para que os que não vêem, vejam… novidade

Foi elucidativo e frutuoso o diálogo entre a deputada Isabel Moreira, constitucionalista, e o padre José Nuno, porta-voz do Grupo Inter-Religioso Religiões-Saúde, levado a cabo pela TVI24, quinta-feira, 13 de Fevereiro, no Jornal das 8 (aqui um pequeno excerto; até às 20h do próximo dia 20 ainda é possível, para quem tem operador de televisão digital, ver o debate na íntegra).

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco