Nas margens da Filosofia – O prazer de ensinar

| 9 Mar 19

“Ensinar é mais difícil do que aprender porque ensinar quer dizer fazer aprender” (Martin Heidegger)

É  habitual pensarmos na reforma como um fim de carreira mas, embora me tenha aposentado há quatro anos, continuo ligada à vida académica e à investigação. As solicitações sucedem-se e o trabalho mantém-se quase ao mesmo ritmo.A  diferença está na ausência de leccionação, o que me leva a pensar com saudade nas muitas aulas que dei e que constituíram  momentos gratificantes na minha vida. Daí a minha discordância relativamente a Espinosa no que respeita à sua recusa em ser professor.

Recordo que em 1673, poucos anos antes de morrer, o filósofo recebeu um convite aliciante para leccionar na Academia de Heidelberg. Convite esse que declinou com a justificação de querer manter o desejo de filosofar livremente bem como de preservar a tranquilidade pessoal que uma actividade lectiva necessariamente perturbaria. É uma atitude que compreendo, atendendo ao contexto histórico e político da época, pouco receptivo às teorias controversas do autor da Ética. Mas que de modo algum perfilho pois, contrariamente a este filósofo que muito prezo e a quem dediquei grande parte da minha investigação, faz-me falta um espaço em que se possa manifestar essa relação complexa entre  ensinante e  ensinado. E lembro, com alguma nostalgia, o prazer da relação ensino/aprendizagem que se estabelece com uma turma de alunos, no que ela tem de gratificante mas também, por vezes, de frustrante e de conflitual.

Baruch Espinosa declinou convite para ensinar com a justificação de querer manter o desejo de filosofar livremente bem como de preservar a tranquilidade pessoal que uma actividade lectiva necessariamente perturbaria.

 

É de pedagogia que nos fala George Steiner no seu livro As Lições dos Mestres (trad. Rui Pires Cabral, Lisboa, Gradiva, 2005), onde o  ensino nos é apresentado como um acto de amor. Na análise das várias formas de relação que o autor analisa – o mestre que destrói o aluno, o discípulo que trai e arruína o mestre, a relação amorosa que se estabelece entre ensinante e ensinado – é esta última que sobressai como presença constante na variedade dos domínios considerados, tão diversos quanto a religião, a filosofia, a literatura, a música e mesmo o desporto.

Ao longo de  séculos de história, Steiner leva-nos a visitar diferentes tradições culturais e faz-nos cúmplices das grandezas e misérias de mestres famosos. É uma obra que interpela todos os que passaram pela escola – professores, alunos e outros agentes de docência. E a sua tese essencial é a de que “ensinar, ensinar bem, é ser cúmplice de possibilidades transcendentes” (p.148).  Todos aqueles que alguma vez foram tocados pelo exemplo de um Mestre, ou seja, de alguém que lhes abriu caminhos e os marcou indelevelmente com o seu saber e afecto, sentir-se-ão representados nas páginas deste livro.  

Ensinei filosofia a diferentes tipos de público – dezasseis anos no Liceu e trinta na Universidade. Ao longo de todo este tempo de investigadora e de professora de filosofia manteve-se constante um mesmo deslumbramento: o de poder/dever trabalhar as temáticas que estudava e ensinava, numa atitude de permanente questionamento; o de poder/dever partilhar com os estudantes de filosofia uma comum paixão pelo saber, aquilo que, como Espinosa escreve no Tratado da Reforma do Entendimento, nos conduz a uma  suprema alegria. E intensifica-se  em mim, de um modo cada vez mais profundo, a consciência de que, ao ter escolhido a profissão de ensinante,  me coloquei no âmago da prática filosófica, devido à intrínseca relação que a filosofia estabelece com o seu ensino, quer este se situe na Escola quer na Academia. Filosofar, tal como ensinar, é uma actividade essencialmente comunicativa e dialógica, um exercício de paciência, um trabalho demorado sobre teorias e conceitos. Embora mantenha acesa essa actividade em projectos de investigação, em conferências e na escrita de textos,  confesso que o exercício de ensinar me faz muita falta.

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática  de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site)

Artigos relacionados

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia 

Entre margens

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana” novidade

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Os jovens do Torne na luta por “uma Igreja nova num Portugal novo”

Na década de sessenta do século passado, e até 1974, surgiu na paróquia de São João Evangelista (Vila Nova de Gaia), da Igreja Lusitana, Católica, Apostólica, Evangélica (IL), um grupo de jovens, que se intitulou Jovens do Torne – JT. No princípio englobado na “Liga do Esforço Cristão de Gaia”, foram prosseguindo um caminho ecuménico, alargado a todas as religiões e ateus.

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc novidade

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

O que nos aconteceu? A pergunta do cardeal Tolentino e os pactos necessários

São precisos novos pactos – na comunicação, entre gerações, na comunidade e para o ambiente. Ideias defendidas pelo cardeal Tolentino Mendonça, que vê este tempo como uma oportunidade para novas experiências que a Igreja Católica deve fazer para se aproximar de quem se afastou. E que aponta uma necessária “conversão ecológica” por parte das comunidades cristãs, que ainda não integraram a encíclica Laudato Si’, na sua prática.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho novidade

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco