Nas margens da Filosofia – O prazer de ensinar

| 9 Mar 19 | Entre Margens, Últimas

“Ensinar é mais difícil do que aprender porque ensinar quer dizer fazer aprender” (Martin Heidegger)

É  habitual pensarmos na reforma como um fim de carreira mas, embora me tenha aposentado há quatro anos, continuo ligada à vida académica e à investigação. As solicitações sucedem-se e o trabalho mantém-se quase ao mesmo ritmo.A  diferença está na ausência de leccionação, o que me leva a pensar com saudade nas muitas aulas que dei e que constituíram  momentos gratificantes na minha vida. Daí a minha discordância relativamente a Espinosa no que respeita à sua recusa em ser professor.

Recordo que em 1673, poucos anos antes de morrer, o filósofo recebeu um convite aliciante para leccionar na Academia de Heidelberg. Convite esse que declinou com a justificação de querer manter o desejo de filosofar livremente bem como de preservar a tranquilidade pessoal que uma actividade lectiva necessariamente perturbaria. É uma atitude que compreendo, atendendo ao contexto histórico e político da época, pouco receptivo às teorias controversas do autor da Ética. Mas que de modo algum perfilho pois, contrariamente a este filósofo que muito prezo e a quem dediquei grande parte da minha investigação, faz-me falta um espaço em que se possa manifestar essa relação complexa entre  ensinante e  ensinado. E lembro, com alguma nostalgia, o prazer da relação ensino/aprendizagem que se estabelece com uma turma de alunos, no que ela tem de gratificante mas também, por vezes, de frustrante e de conflitual.

Baruch Espinosa declinou convite para ensinar com a justificação de querer manter o desejo de filosofar livremente bem como de preservar a tranquilidade pessoal que uma actividade lectiva necessariamente perturbaria.

 

É de pedagogia que nos fala George Steiner no seu livro As Lições dos Mestres (trad. Rui Pires Cabral, Lisboa, Gradiva, 2005), onde o  ensino nos é apresentado como um acto de amor. Na análise das várias formas de relação que o autor analisa – o mestre que destrói o aluno, o discípulo que trai e arruína o mestre, a relação amorosa que se estabelece entre ensinante e ensinado – é esta última que sobressai como presença constante na variedade dos domínios considerados, tão diversos quanto a religião, a filosofia, a literatura, a música e mesmo o desporto.

Ao longo de  séculos de história, Steiner leva-nos a visitar diferentes tradições culturais e faz-nos cúmplices das grandezas e misérias de mestres famosos. É uma obra que interpela todos os que passaram pela escola – professores, alunos e outros agentes de docência. E a sua tese essencial é a de que “ensinar, ensinar bem, é ser cúmplice de possibilidades transcendentes” (p.148).  Todos aqueles que alguma vez foram tocados pelo exemplo de um Mestre, ou seja, de alguém que lhes abriu caminhos e os marcou indelevelmente com o seu saber e afecto, sentir-se-ão representados nas páginas deste livro.  

Ensinei filosofia a diferentes tipos de público – dezasseis anos no Liceu e trinta na Universidade. Ao longo de todo este tempo de investigadora e de professora de filosofia manteve-se constante um mesmo deslumbramento: o de poder/dever trabalhar as temáticas que estudava e ensinava, numa atitude de permanente questionamento; o de poder/dever partilhar com os estudantes de filosofia uma comum paixão pelo saber, aquilo que, como Espinosa escreve no Tratado da Reforma do Entendimento, nos conduz a uma  suprema alegria. E intensifica-se  em mim, de um modo cada vez mais profundo, a consciência de que, ao ter escolhido a profissão de ensinante,  me coloquei no âmago da prática filosófica, devido à intrínseca relação que a filosofia estabelece com o seu ensino, quer este se situe na Escola quer na Academia. Filosofar, tal como ensinar, é uma actividade essencialmente comunicativa e dialógica, um exercício de paciência, um trabalho demorado sobre teorias e conceitos. Embora mantenha acesa essa actividade em projectos de investigação, em conferências e na escrita de textos,  confesso que o exercício de ensinar me faz muita falta.

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática  de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site)

Artigos relacionados

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco