Nas margens da Filosofia – Uma comunidade que pensa

| 21 Jan 19 | Entre Margens, Últimas

“Pensar incomoda como andar à chuva” (Alberto Caeiro)

O Pensador e a Porta do Inferno, de Auguste Rodin (Museu Rodin); foto Wikicommons

Esta  afirmação do heterónimo de Fernando Pessoa é desmentida pela Comunidade da Capela do Rato que, longe de se sentir incomodada, há quatro anos tem aderido entusiasticamente à proposta de diversos cursos onde se cruzam a filosofia, a literatura, a teologia e a espiritualidade.

Quando o padre Tolentino Mendonça, em 2016, me propôs a organização de um curso em que se pudesse falar de filosofia de modo a interessar um público  de “leigos”, achei que haveria um número razoável de  pessoas a aderir a esta iniciativa. A minha experiência em cursos deste tipo realizados na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa tinha sido positiva. Conhecendo muitos dos membros da Capela, pensava que seria fácil reunir uma vintena de pessoas que regularmente assistissem a sessões semanais. Com o dinamismo de uma equipa de excelência, ultrapassaram-se muitos obstáculos quanto à gestão e organização do curso. E manteve-se a exigência inicial de se abordarem assuntos complexos de um modo acessível, pois os auditores eram pessoas cultas mas sem formação filosófica.

No meu espírito esteve sempre subjacente o conselho de Ortega y Gasset para quem “A clareza é a cortesia do filósofo”. E procurei amigos “corteses” que amavelmente aceitaram o repto. Assim, em 2016, constituiu-se o primeiro curso subordinado ao tema Os filósofos também falam de Deus.Procurámos que a lista cobrisse todas as épocas, da Antiguidade aos nossos dias. A exclusão de alguns pensadores dependeu da  disponibilidade dos diferentes especialistas que generosamente aceitaram o nosso pedido de colaboração. O curso decorreu   semanalmente, de Janeiro a Maio, em doze sessões que contemplaram Platão, Aristóteles, Santo Agostinho, S. Tomás de Aquino, Espinosa, Leibniz, Kant, Hegel, Nietzsche, Simone Weil, Paul Ricoeur e Agostinho da Silva [N.R. – O áudio das sessões está disponível aqui, clicando em cada uma das datas, entre Janeiro e Maio, com o título respeitante a cada filósofo] Para meu espanto, neste primeiro curso inscreveram-se 175 pessoas, um número que foi sempre aumentando nos anos seguintes.

O segundo curso, em 2017, teve como título Filosofar é também agire nele foram consideradas grandes correntes da ética ocidental. Em dezasseis sessões analisaram-se as Éticas da Virtude, as Éticas das Virtudes e Ambiente, a Bioética, as Éticas da Cidadania, a Ética Animal, as Éticas do Cuidado, a Ética da Responsabilidade, as Éticas Ambientalistas, as Éticas Consequêncialistas, as Éticas do Dever, a Ética da Justiça, a Ética Empresarial, as Éticas da Justiça e do Cuidado, as Éticas Feministas e a Ética dos Evangelhos. [registos áudio disponíveis aqui, no esquema já referido]. A adesão foi grande, pois o curso foi seguido por 210 participantes.

Tendo o público mostrado interesse em trabalhar obras literárias, o curso de 2018 foi intitulado Quando a filosofia e a literatura se cruzam. E nele foram apresentadas  obras de Platão, Santo Agostinho, Voltaire, Goethe, Nietzsche, Iris Murdoch, Camus, Milan Kundera, Umberto Eco,  Gonçalo M. Tavares, Martha Nussbaum, Paul Ricoeur e Clarice Lispector [registos áudios aqui]. Houve 230 participantes.

Em 2019,  sob o título Filosofia, Literatura e Espiritualidade, serão comentadas obras de autores como Bonhöffer, J.M. Coetze, Papa Francisco, Teolinda Gersão, Jean-Paul Sartre, Saint-Exupéry, Maria Gabriela Llansol, Etty Hillesum, Daniel Faria, Kafka, Joyce, Simone Weil, Shusaku Endo e Marguerite Yourcenar. E esperamos que D. José Tolentino Mendonça feche o curso, contando a sua experiência na Biblioteca do Vaticano.

Em todo este tempo, o acolhimento entusiástico  do padre Tolentino e o apoio permanente de uma equipa activa e coesa foram uma mais-valia, sem a qual os cursos não teriam atingido o sucesso obtido. No presente ano excederam-se as previsões, pois há 235 inscritos e uma lista de espera de 60 pessoas. [O curso, que se inicia nesta segunda-feira, 21 de Janeiro, tem as inscrições esgotadas desde o início do mês, mas o registo áudio irá ficando disponível aqui.]

É realmente uma Comunidade que gosta de pensar.

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

Breves

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Fale connosco