Bens para deslocados

Natal solidário em Pemba

| 18 Dez 2022

Os cabazes foram para as famílias de refugiados que fugiram dos ataques terroristas. Foto © Direitos Reservados

Os cabazes foram para as famílias de refugiados que fugiram dos ataques terroristas. Foto © Direitos Reservados

 

A Comunidade de São José da paróquia de São Paulo e a Associação Kuendeleya promoveram, em Pemba, Moçambique, no sábado, dia 17, uma acção de solidariedade para com os deslocados que fogem dos ataques terroristas. O apoio traduziu-se na entrega de cabazes com produtos alimentares, vestuário, cobertas e material escolar.

A distribuição beneficiou famílias residentes nos bairros municipais de Paquitequete e Mahate unidade B. Uma das famílias, de Paquitequete, acolhe mais de quatro dezenas de pessoas, sobretudo crianças em idade escolar, quase duas dezenas. O material oferecido em Mahate ajudará 28 pessoas, entre as quais 13 crianças em idade escolar.

A representante da comunidade de São José, a Senhora Dona Memória, afirmou na ocasião que a oferta pretende “fazer sorrir as crianças” e “apoiar os pequenos negócios de biscoitos”.

O representante da Associação Kuendeleya, Abudo Gafuro, disse que “é um momento de fraternidade e de amor ao próximo”, neste mês que em que “as famílias devem fazer uma reflexão sobre o progresso do ano”.

“Temos que fazer a diferença nas comunidades através das pequenas acções de solidariedade social e cultural”, acrescentou Abudo Gafuro, defendendo que a proximidade entre os cidadãos é fundamental para a coesão social e a paz.

Abudo Gafuro Manana, recorde-se, foi distinguido no início do mês com o Prémio Voluntário do Ano pela Promoção da Paz e Coesão Social, atribuído pelo programa de Voluntários das Nações Unidas. A Associação Kuendeleya, criada em Cabo Delgado (Moçambique), reúne jovens católicos, protestantes e muçulmanos.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This