Após críticas do Papa a Ortega

Nicarágua suspende relações diplomáticas com Santa Sé

| 14 Mar 2023

daniel ortega presidente nicaragua em discurso 28 setembro 2022 foto cortesia no site TN8

O Papa comparou recentemente o Presidente nicaraguense, Daniel Ortega (na foto) a Hitler. Foto: cortesia no site TN8.

 

O Ministério das Relações Externas da Nicarágua pediu à Santa Sé o encerramento das suas missões diplomáticas no país, confirmaram esta segunda-feira, 13 de março, os média do Vaticano. Na origem da decisão terão estado as declarações do Papa Francisco na semana passada, em que comparava o regime do Presidente nicaraguense Daniel Ortega à ditadura comunista de 1917 e de Hitler de 1935, avança o jornal Crux.

A verdade é que as relações entre a Igreja e o Governo da Nicarágua têm vindo a deteriorar-se já desde 2018, quando as autoridades reprimiram violentamente os protestos antigovernamentais e alguns líderes católicos deram abrigo aos manifestantes nas suas igrejas, tendo depois procurado atuar como mediadores entre o regime e a oposição.

Duas organizações de defesa dos direitos humanos, Nicarágua Nunca Más e CSW, citadas pelo Crux, reuniram depoimentos de dezenas de pessoas que descreveram situações de assédio, ameaças, violência física e detenção arbitrária contra vários religiosos.

Há precisamente um ano, a 12 de março de 2022, o núncio apostólico em Manágua, o arcebispo Waldemar Stanisław Sommertag, que havia defendido a libertação de centenas de opositores presos em 2018 e 2019, foi expulso do país. A Santa Sé recebeu a decisão do governo da Nicarágua com grande surpresa e pesar: “Tal medida parece incompreensível – sublinhou na altura um comunicado da Santa Sé – porque no decurso de sua missão o arcebispo Sommertag trabalhou com profunda dedicação pelo bem da Igreja e do povo nicaraguense, especialmente os mais vulneráveis, procurando sempre favorecer as boas relações entre a Sé Apostólica e as autoridades da Nicarágua”.

Em entrevista ao jornal espanhol ABC, em dezembro passado, o Papa Francisco, respondendo a uma pergunta sobre a diplomacia vaticana em relação à Nicarágua, reiterou que a Santa Sé “nunca vai embora por decisão sua. Ela é expulsa. Procura sempre salvar as relações diplomáticas e salvar o que pode ser salvo com paciência e diálogo”.

 

Tensão tem vindo a crescer

A tensão entre a Igreja e o Governo de Ortega continuou a aumentar nos primeiros meses deste ano. O bispo de Matagalpa, Rolando Alvarez, foi condenado a 26 anos de prisão, vários padres e seminaristas foram deportados para os EUA, foi proibida a celebração de qualquer procissão nas ruas durante a Quaresma, e duas universidades católicas foram forçadas a encerrar, assim como a Fundação Mariana de combate ao Cancro, e ainda os dois escritórios da Cáritas no país.

Um relatório divulgado pela ONU revelou no passado dia 2 de março que “estão a acontecer crimes contra a humanidade” na Nicarágua. O documento afirma que as violações são da autoria do governo e que estão a acontecer por razões políticas e deixa um apelo à comunidade internacional para que puna os responsáveis – instituições ou indivíduos – com a imposição de sanções.

Alguns dias depois, a 7 de março, durante a 52ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos, realizada em Genebra, o observador permanente da Santa Sé junto das Nações Unidas, Fortunatus Nwachukwu, manifestou a sua preocupação relativamente a à situação vivida na Nicarágua, “com o aumento das restrições à liberdade de expressão, de reunião pacífica e de associação, juntamente com medidas repressivas contra aqueles que criticam o governo, jornalistas e defensores dos direitos humanos, bem como contra membros de associações de direitos humanos e contra membros da Igreja Católica”.

Nwachukwu reiterou o apelo do Papa Francisco “para superar as hostilidades e procurar espaços de diálogo construtivo entre as partes, lançando as bases para o retorno a uma convivência pacífica baseada no respeito pela dignidade e pelos direitos de todas as pessoas. em situação de maior vulnerabilidade, que são desproporcionalmente afetadas pelas circunstâncias atuais”.

 

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção”

Vídeo do Papa de março

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção” novidade

“Sempre haverá mártires entre nós. É o sinal de que estamos no caminho certo”, afirma o Papa Francisco na edição de março d’O Vídeo do Papa, que acaba de ser divulgada. “Uma pessoa que sabe dizia-me que há mais mártires hoje do que no início do cristianismo. A coragem dos mártires, o testemunho dos mártires, é uma bênção para todos”, acrescenta. E é por isso que pede a todos que rezem pelos novos mártires deste tempo, para que “contagiem a Igreja com a sua coragem e o seu impulso missionário”.

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém

Via Sacra ecuménica

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém novidade

A guerra em Israel prossegue e o sentimento de insegurança em Jerusalém cresce. Ainda assim, ou talvez por isso mesmo, a tradicional Via Sacra que ali se realiza anualmente por ocasião da segunda semana da Quaresma não foi cancelada. Na passada sexta-feira, 23 de fevereiro, mais de mil crianças e jovens que frequentam as escolas cristãs da cidade, acompanhados de inúmeros familiares e professores, percorreram as ruas de lenços brancos na mão, pedindo a paz para todo o mundo, e em particular para a Terra Santa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This