Fundação AIS

“Ninguém é poupado.” Violência no Haiti atinge Igreja Católica

| 12 Mai 2022

Haiti. protesto. manifestação

Imagem de arquivo de uma manifestação violenta no Haiti. Foto © Voice of America/Wikimedia Commons.

 

O arcebispo de Cap-Haïtien, D. Launay Saturné, afirmou que o Haiti está a viver um tempo de enorme insegurança com a multiplicação de grupos armados que atuam perante a inoperância das autoridades. “Ninguém é poupado. Estamos todos expostos”, disse o prelado haitiano, em declarações à Fundação AIS.

Para o monsenhor Saturné, esta instabilidade está a fazer crescer o medo entre a população, contribuindo também para a paralisia da vida económica. “Ninguém sabe quanto tempo vai durar esta situação conturbada, esta instabilidade política e a insegurança. Muitos sectores e instituições de vida nacional tornaram-se instáveis e quase inexistentes. Ninguém é poupado. Estamos todos expostos.”

No dia 28 de abril, o padre Whatner Aupont foi raptado nos arredores da capital, Port-au-Prince, relançando a questão da insegurança no Haiti, país que atravessa uma profunda crise política e económica.

Apesar de o sacerdote ter sido libertado logo no dia seguinte, menos de 24 horas depois do sequestro, a Fundação AIS sublinha que isso em nada diminuiu a gravidade do facto, notando que nem os próprios membros da Igreja estão a ser poupados na onda de violência que atravessa o país.

Falando à Fundação AIS, na sequência da libertação do sacerdote, Launay Saturné disse que esta questão está a tornar-se de dia para dia mais complexa e difícil. “A deterioração desta situação deve-se à multiplicação de gangues armados, aos constantes casos de rapto, à insegurança omnipresente, à inflação, especialmente ao aumento dos preços dos bens essenciais, aos incidentes sangrentos e a uma avalanche de distúrbios e atos de crueldade.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This