Dois anos depois da entrada dos talibans

No Afeganistão, mulheres de mais de 12 anos a estudar são … zero

| 16 Ago 2023

raparigas em escola do afeganistão foto pixabay

Raparigas numa escola no Afeganistão: desde 2021 este número reduziu para zero.  Foto © Pixabay

 

O número de mulheres a frequentar o ensino superior no Afeganistão era superior a uma centena de milhar em 2021, contra apenas cinco mil em 2005, segundo dados divulgados pela UNESCO. Hoje, esse número causa estarrecimento e revolta, desde logo, entre as mulheres afegãs: é zero.

Depois de, em setembro de 2021, a inscrição de raparigas e mulheres com idade superior a 12 anos ter sido indefinidamente adiada, 1,1 milhões ficaram sem acesso ao sistema de educação formal.

Em dezembro de 2022 foi a vez de o ensino superior ter sido vedado sine die à população feminina, afetando mais de 100 mil estudantes.

É por isso que o dia 15 de agosto de 2021 ficou na memória de tantos afegãos, quando os talibãs ocuparam Cabul, os ocidentais fugiram em pânico e o novo regime fundamentalista tomou conta do país.

Neste espaço de tempo, praticamente todas as ONG foram forçadas a abandonar o país e a deixar no desemprego milhares de pessoas locais que com elas colaboravam. Apenas a ONU e as suas agências, juntamente com algumas organizações como a Cruz Vermelha e os Médicos Sem Fronteiras, mantiveram a ação humanitária e socioeducativa, mas com regras impostas pelos talibãs.

As mulheres, que foram as mais prejudicadas, “perderam, de repente, o seu lugar na sociedade. Agora só servem para casar e ter filhos”, nas palavras, citadas pelo diário El País, de uma procuradora jovem que se dedicava à promoção dos direitos das mulheres e crianças maltratadas, até à chegada dos talibãs a Cabul.

Muitos e muitas que conseguiram abandonar o país temem pela sorte dos familiares e amigos que ficaram. Diante de uma repressão e controlo tão fortes, continua, entretanto, a haver resistência, incluindo escolas para meninas, sob a capa do estudo do Corão.

“Nunca pensei que o mundo nos esquecesse tão rapidamente”, lamenta uma refugiada afegã ao El País.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This