No meio do caos, os bahá’ís no Iémen enfrentam perseguições

| 6 Mar 19

Mapa e situação geopolítica do Iémen; fonte: Baha’i World News Service (news.bahai.org); ilustração © Bahá’í International Community

 

Nos últimos anos, imagens brutais de uma guerra fratricida no Iémen surgiram na comunicação social e em redes sociais. O país tornou-se palco de confronto de interesses de potências regionais e as suas débeis infra-estruturas têm vindo a ser destruídas, criando uma crise humanitária sem precedentes na região.

Ao longo desta terrível guerra civil, os bahá’ís do Iémen recusaram-se sempre a tomar partido por qualquer das facções em conflito. Apesar dessa posição de não envolvimento ter sido repetidamente afirmada, as perseguições e ameaças surgiram desde o início do conflito.

Essas ameaças assumiram novas dimensões em 2018, quando a Amnistia Internacional denunciou que 24 bahá’ís – incluindo oito mulheres e uma adolescente – que se encontravam detidos em Sanaa, a capital do país, poderiam vir a ser condenados à pena de morte. A Amnistia afirmava que “mais uma vez se assistia a um processo forjado e a procedimentos ilegais usados para perseguir os Bahá’ís do Iémen devido à sua religião”.

No final do passado mês de Dezembro, surgiram notícias de que as autoridades Houthis (o principal grupo opositor ao Governo) estavam a exercer pressão para que um tribunal concluísse a sua decisão sobre um processo contra os 24 membros da Comunidade Bahá’í. Algumas semanas antes, a ONU tinha conseguido supervisionar um processo de libertação de prisioneiros, no qual os Houthis se tinham recusado a incluir os Bahá’ís, considerados prisioneiros de consciência pela Amnistia Internacional.

No meio do caos, a única esperança dos Bahá’ís têm sido a oração e as pressões da comunidade internacional.

 

Uma presença que vem do século XIX

A Comunidade Bahá’í no Iémen surgiu no século XIX, pouco depois do aparecimento desta religião na Pérsia e no Império Otomano. Nas décadas recentes, a comunidade foi crescendo e pessoas de vários segmentos da sociedade iemenita converteram-se à fé bahá’í. Particularmente notório foi o caso de um grupo tribal iemenita que descobriu a fé bahá’í na internet e começou a seguir as leis e ensinamentos bahá’ís. Algum tempo depois, o interesse pela fé bahá’í estendeu-se a outras tribos, tendo alguns dirigentes tribais vindo a identificar-se abertamente como bahá’ís. Apesar de não existirem estatísticas exactas, estima-se que existam no Iémen alguns milhares de bahá’ís, provenientes de diversos estratos sociais e regiões do país.

Como em muitos outros países, o foco das actividades bahá’ís centra-se na transformação social e no desenvolvimento das potencialidades humanas. No Iémen, esses objectivos levaram a Comunidade Bahá’í a estimular os jovens e adultos a contribuir para a regeneração social, dedicando as suas energias em áreas como a construção de infra-estruturas, a medicina, a reconciliação tribal, a educação e a ajuda humanitária.

Artigos relacionados

Breves

Cardeal Tolentino Mendonça preside ao 13 de maio em Fátima

O cardeal José Tolentino Mendonça irá presidir à peregrinação aniversária de maio no Santuário de Fátima. A informação foi avançada à revista Família Cristã esta sexta-feira, 9 de abril, pelo também cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima.

Ler Saramago em conjunto num zoom de Lisboa a Roma

O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, foi a obra escolhida para dar o mote ao encontro organizado por dois clubes de leitura, um de Roma, outro de Lisboa, que decorrerá via Zoom, dia 16 de abril, às 18h00. Uma segunda sessão, na qual participará Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, terá lugar a 25 de junho, também às 18h00. A inscrição é gratuita e está aberta a todos.

Monge condenado a dois anos de cadeia na Turquia por dar comida

O padre Sefer Bileçen, padre Aho no nome monástico, da Igreja Siríaca Ortodoxa, ofereceu comida a um grupo que bateu à porta do seu mosteiro. O Ministério Público turco disse que o grupo era do PKK e acusa-o de prestar auxílio a uma organização terrorista, como o Governo turco considera o PKK, que reivindica há décadas a independência do Curdistão.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Linguagem simbólico-religiosa: uma literacia para o humano novidade

Podemos compreender a linguagem dos símbolos e a linguagem religiosa como uma forma de comunicação que abre o ser humano a uma nova mundividência? Ou será tão estranha e distante que resulta num novo analfabetismo? Imaginemos o cenário seguinte: um casal percorre diariamente a avenida de uma grande cidade, repleta de anúncios e informação muito diversificada.

O jejum de Ramadão, um acto de obediência e adoração novidade

Entre esta terça-feira, 13 de Abril, até 12 de Maio de 2021, os muçulmanos entrarão, in cha Allah, no mês do Ramadão (em árabe Ramadan), o nono mês do calendário lunar, durante o qual foi revelado o Alcorão, Livro Sagrado do Islão. O jejum do mês do Ramadão é o quarto pilar da prática no Islão, portanto, é uma obrigação religiosa.

Liberdade ou o valor das pequenas coisas

Vivemos dezenas de anos cheios de momentos especiais e de benefícios que insistimos em banalizar porque estavam ao nosso alcance, diria mesmo garantidos. Era pelo menos o que pensávamos. Atualmente parece que começamos a conhecer o valor das pequenas coisas e, se assim é, estamos a aprender uma grande lição.Muitas pessoas perdem tempo (gostava de poder dizer – perdiam) com detalhes que as coisificam.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

Ler Saramago em conjunto num zoom de Lisboa a Roma

O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, foi a obra escolhida para dar o mote ao encontro organizado por dois clubes de leitura, um de Roma, outro de Lisboa, que decorrerá via Zoom, dia 16 de abril, às 18h00. Uma segunda sessão, na qual participará Pilar del Rio, presidente da Fundação José Saramago, terá lugar a 25 de junho, também às 18h00. A inscrição é gratuita e está aberta a todos.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This