No meio do caos, os bahá’ís no Iémen enfrentam perseguições

| 6 Mar 19

Mapa e situação geopolítica do Iémen; fonte: Baha’i World News Service (news.bahai.org); ilustração © Bahá’í International Community

 

Nos últimos anos, imagens brutais de uma guerra fratricida no Iémen surgiram na comunicação social e em redes sociais. O país tornou-se palco de confronto de interesses de potências regionais e as suas débeis infra-estruturas têm vindo a ser destruídas, criando uma crise humanitária sem precedentes na região.

Ao longo desta terrível guerra civil, os bahá’ís do Iémen recusaram-se sempre a tomar partido por qualquer das facções em conflito. Apesar dessa posição de não envolvimento ter sido repetidamente afirmada, as perseguições e ameaças surgiram desde o início do conflito.

Essas ameaças assumiram novas dimensões em 2018, quando a Amnistia Internacional denunciou que 24 bahá’ís – incluindo oito mulheres e uma adolescente – que se encontravam detidos em Sanaa, a capital do país, poderiam vir a ser condenados à pena de morte. A Amnistia afirmava que “mais uma vez se assistia a um processo forjado e a procedimentos ilegais usados para perseguir os Bahá’ís do Iémen devido à sua religião”.

No final do passado mês de Dezembro, surgiram notícias de que as autoridades Houthis (o principal grupo opositor ao Governo) estavam a exercer pressão para que um tribunal concluísse a sua decisão sobre um processo contra os 24 membros da Comunidade Bahá’í. Algumas semanas antes, a ONU tinha conseguido supervisionar um processo de libertação de prisioneiros, no qual os Houthis se tinham recusado a incluir os Bahá’ís, considerados prisioneiros de consciência pela Amnistia Internacional.

No meio do caos, a única esperança dos Bahá’ís têm sido a oração e as pressões da comunidade internacional.

 

Uma presença que vem do século XIX

A Comunidade Bahá’í no Iémen surgiu no século XIX, pouco depois do aparecimento desta religião na Pérsia e no Império Otomano. Nas décadas recentes, a comunidade foi crescendo e pessoas de vários segmentos da sociedade iemenita converteram-se à fé bahá’í. Particularmente notório foi o caso de um grupo tribal iemenita que descobriu a fé bahá’í na internet e começou a seguir as leis e ensinamentos bahá’ís. Algum tempo depois, o interesse pela fé bahá’í estendeu-se a outras tribos, tendo alguns dirigentes tribais vindo a identificar-se abertamente como bahá’ís. Apesar de não existirem estatísticas exactas, estima-se que existam no Iémen alguns milhares de bahá’ís, provenientes de diversos estratos sociais e regiões do país.

Como em muitos outros países, o foco das actividades bahá’ís centra-se na transformação social e no desenvolvimento das potencialidades humanas. No Iémen, esses objectivos levaram a Comunidade Bahá’í a estimular os jovens e adultos a contribuir para a regeneração social, dedicando as suas energias em áreas como a construção de infra-estruturas, a medicina, a reconciliação tribal, a educação e a ajuda humanitária.

Artigos relacionados

Breves

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem. “O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres.

Eurostat

Desemprego dos jovens portugueses mais distante da média da UE

A percentagem de jovens portugueses com menos de 25 anos encontrava-se nos 22,4 por cento em novembro de 2021, segundo dados que o Eurostat acaba de publicar. Essa percentagem representa uma ligeira melhoria relativamente ao mês homólogo do ano anterior, mas revela igualmente um fosso maior face à média da União Europeia.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Viver no ritmo certo novidade

Enquanto pensava no que iria escrever este mês, havia uma palavra que não saía da minha mente: “descanso”. Obtive a confirmação desta quando, por coincidência ou não, este foi o tema escolhido pela Aliança Evangélica Europeia para a sua semana universal de oração, realizada de 9 a 16 de janeiro de 2022. Os líderes evangélicos apelam a que todos possam viver no ritmo de Deus porque estamos a ser engolidos por uma onda de homens e mulheres sobrecarregados, completamente esgotados e sem força para lutar mais pela vida.

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

2022: aprender a construir a paz

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

Cultura e artes

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This