Entrevista

No Sudão do Sul, um Natal à espera de roupa nova… e do Papa

| 24 Dez 2022

Três mulheres, três profissões, três países onde o Natal é muito diferente do vivido em Portugal, e não apenas porque os termómetros registam neste momento temperaturas acima dos 30 graus… Numa série de curtas entrevistas para assinalar esta época festiva, já ficámos a conhecer, dia 23, a Cátia Marinheiro (oficial de comunicação na FAO, em Angola), este sábado, 24, conversamos com a irmã Beta Almendra (missionária comboniana no Sudão do Sul) e no domingo, 25, falamos com a Cesibell Sánchez (que trabalha como sommelier na capital do Peru, Lima).

 

 

É natural da vila da Ericeira, mas diz que o seu “primeiro amor” foi o Quénia, e basta ver os minutos iniciais do vídeo para +erceber que o Sudão do Sul também já conquistou o seu coração. Desde 2021 em missão naquela que é a segunda maior cidade do país, Wau, a irmã Beta Almendra, comboniana, falou ao 7MARGENS da falta que fazem a paz e a segurança no Sudão do Sul, e de como ali se sentem “as consequências de uma crise muito maior”.

Com várias Organizações Não Governamentais a abandonar o terreno e a retirar os seus apoios para se concentrarem em locais onde as necessidades são ainda maiores, muitos serviços deixaram já de funcionar, sobretudo na área da saúde e da educação, lamenta. “Se é preciso uma operação [no hospital público], tem de se pagar a gasolina para o gerador funcionar”, exemplifica.

Depois de uma pandemia que fez com que muitas crianças, sobretudo raparigas, saíssem da escola e não voltassem, uma das principais missões da irmã Beta tem sido “lutar para que as meninas possam prosseguir os seus estudos”. É com essas jovens que já está a preparar uma peregrinação de cerca de 600km com muitas delas, até à capital, Juba, onde esperam poder acolher Francisco com alegria, dentro de pouco mais de um mês.

Em agosto de 2023, o objetivo é voltar a acolher o Papa, mas em Lisboa, na Jornada Mundial da Juventude, e trazer duas dessas meninas consigo.

Para já, é tempo de viver o Natal, uma época “de grande stress para os pais” – conta a irmã Beta – porque a tradição manda que todos vistam roupa nova, e em famílias grandes (e pobres) como as do Sudão do Sul isso é quase uma missão impossível.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This