Nobel da Paz para a reconciliação da Etiópia com a Eritreia

| 12 Out 19

O anúncio foi feito em Oslo, às 10h da manhã desta sexta-feira, 11 de Outubro: “O primeiro-ministro Abiy Ahmed Ali [da Etiópia] foi galardoado com o Prémio Nobel da Paz deste ano pelos seus esforços em prol da paz e da cooperação internacional, em particular pela sua iniciativa decisiva de resolver o conflito fronteiriço com a vizinha Eritreia” com o acordo de paz de 9 de Julho de 2018, afirmou a presidente do Comité Nobel, Berit Reiss-Andersen.

Imagem do Comité Nobel, para o anúncio do Prémio da Paz 2019 ao primeiro-ministro Abiy Ahmed Ali, da Etiópia.

 

“Sinto-me humilde e emocionado. Muito obrigado. Este é um prémio para África, atribuído à Etiópia. Posso imaginar que os restantes líderes de África vão olhá-lo como algo positivo e trabalhar no processo de construir a paz em todo o continente. Estou muito feliz e emocionado com esta notícia. É um grande reconhecimento”, respondeu Abiy Ahmed Ali, quando recebeu o telefonema do comité a confirmar a atribuição do Nobel.

Na conta do gabinete do primeiro-ministro etíope na rede social Twitter, lia-se: “Expressamos o nosso orgulho na escolha do primeiro-ministro da Etiópia para Prémio Nobel da Paz de 2019. Este reconhecimento é um testemunho dos ideias da unidade, da cooperação e da coexistência mútua, que o primeiro-ministro tem vindo consistentemente a defender.”

Abiy Ahmed Ali é filho de mãe cristã e pai muçulmano, lê-se no DN. Tendo chegado ao poder em Fevereiro de 2018, na sequência de uma grave crise política do país, Abiy tornou-se, com 43 anos, no mais jovem líder político de África. As medidas que entretanto tomou abriram janelas de esperança para um dos países mais pobres do mundo e com conflitos latentes desde há anos – incluindo com os vizinhos da Eritreia. Essas medidas incluem a libertação de milhares de presos políticos, o convite ao regresso de exilados políticos, a organização e promessa de eleições livres para 2020, o fim das restrições à liberdade de imprensa e da lei marcial em vigor. Além disso, a equipa do Governo tem mais de metade dos cargos ocupados por mulheres, tendo também, pela primeira vez, uma mulher sido nomeada como presidente do Supremo Tribunal, recorda o Público.

Na carta de nomeação de Abiy Ahmed, divulgada pelos jornais locais e citada pelo DN, afirma-se que o primeiro-ministro “um símbolo de paz e justiça numa região onde os líderes políticos têm governado pela violência, tirania e violação dos direitos humanos” e que pretende transformar o seu país em ordem a que haja mais equidade e maior respeito pelos direitos humanos.

 

A paz não vem só de um lado

Ecrás num jardim de luz para anunciar o Nobel da Paz de 2019, o primeiro-mnistro etíope Abiy Ahmed Ali. Foto Sabine Rønsen (WMNO) /Wikimedia Commons

 

“A paz não surge das ações de uma das partes apenas. Quando o primeiro-ministro Abity estendeu a mão do presidente Afwerki [da Eritreia], este agarrou-a e ajudou a formalizar o processo de paz entre os dois países. O Comité Nobel Norueguês espera que este acordo de paz traga mudanças positivas para todas as populações da Etiópia e da Eritreia”, acrescentou ainda a presidente do Comité Nobel, ao anunciar a decisão. “Sem dúvida, algumas pessoas acharão que este prémio está a ser atribuído demasiado cedo. O Comité Nobel Norueguês acredita que os esforços de Ahmed Abiy merecem reconhecimento e precisam de ser encorajados”, disse, numa referencia a polémicas anteriores – nomeadamente em relação à atribuição do prémio ao Presidente Barack Obama, dos EUA.

“Reconhecemos as suas [do primeiro-ministro] intenções de levar a cabo eleições democráticas no próximo ano. (…) Há muito que já foi conseguido para fazer reformas democráticas na Etiópia, mas há ainda um longo caminho a percorrer. Roma não foi feita num dia e a paz e o desenvolvimento democrático também não são atingidos num curto espaço de tempo”, disse ainda Berit Reiss-Andersen.

A guerra entre Etiópia e Eritreia, entre 1998 e 2000, provocou mais de 80 mil mortos e, apesar do acordo de paz de 2000, a situação era ainda de conflito latente por causa da delimitação de fronteiras.

A Amnistia Internacional apelou a que o prémio leve o Governo etíope a redobrar o respeito pelos direitos humanos. “O primeiro-ministro da Etiópia recebeu o Prémio Nobel da Paz, este prémio deve servir para motivá-lo a fazer face aos grandes desafios de direitos humanos que possam reverter os ganhos feitos até agora”, reagiu a organização de defesa dos direitos humanos.

Além das felicitações da Comissão Europeia, também o secretário-geral da ONU, citado ainda no DN, saudou a decisão: “Os ventos de mudança sopram por toda a África. O primeiro-ministro Abiy Ahmed é uma das razões. A sua visão ajudou a Etiópia e a Eritreia a chegarem a um entendimento histórico e sinto-me honrado em testemunhar a assinatura do acordo de paz no ano passado. Isto abriu oportunidades para a região tirar partido da paz e da segurança e a liderança do primeiro-ministro Ahmed é um magnífico exemplo para os outros e para além de África, no sentido de se ultrapassar a resistência causada pelo passado e de pôr as pessoas em primeiro lugar.”

O Vatican News recorda ainda o encontro do agora laureado com o Papa Francisco, em 21 de Janeiro deste ano e fala do primeiro-ministro como “uma esperança para o futuro da democracia na Etiópia”. O professor de História Africana da Universidade de Nápoles, Alessandro Triulzi, considerou que o prémio “reconhece a importância da Etiópia como um país hegemónico na região do corno de África”, como afirmou, em declarações à Rádio Vaticana.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Um Manual de Desintoxicação nos dois anos do PontoSJ novidade

Manual de Desintoxicação é o título do livro que a editorial A.O., dos jesuítas, apresenta esta quinta-feira, 27, no centro cultural Brotéria, no Bairro Alto, em Lisboa. Para o efeito, a partir das 19h, haverá uma conversa entre os jornalistas Isabel Lucas e Luís Osório e o professor universitário Viriato Soromenho-Marques.

Situação “catastrófica” no Líbano, sem “ninguém” para ajudar cristãos novidade

Cerca de 40 mil famílias cristãs podem deixar o Líbano, nos próximos tempos, se a grave crise económica persistir no país, agravando duras condições de vida das pessoas. A irmã Maria Lúcia Ferreira, religiosa portuguesa do Mosteiro de São Tiago Mutilado, em Qara (Síria), perto da fronteira com o Líbano, diz que o agravamento da situação neste último país pode afectar ainda mais os cristãos, que “não têm ajuda de ninguém”, enquanto “os xiitas têm a ajuda do Irão e os sunitas têm a ajuda da Arábia Saudita…”

Epidemia de dengue mata crianças na Bolívia novidade

A diocese de Santa Cruz (centro-sul da Bolívia) decidiu apoiar a prevenção da luta contra a epidemia de dengue que atinge várias regiões do país e que, naquela diocese, matou já 20 pessoas, a maior parte das quais eram crianças.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Olhar a mulher com Alfredo Cunha novidade

O Tempo das Mulheres, em exposição no Museu de Lisboa (Torreão Poente da Praça do Comércio) até 29 de março, oferece um conjunto de fotografias de mulheres com o comentário de Maria Antónia Palla. A objetiva de Alfredo Cunha percorreu diversas regiões do globo, diferentes épocas e vivências culturais. A exposição divide-se em quatro tempos: infância, juventude, idade adulta, e terceira idade; numa alusão aos tempos que percorrem a vida e se constituem como marcos da sua evolução.

Da eutanásia às Cinzas

Viveremos (os cristãos), nesta quarta-feira, a imposição das Cinzas, lindíssima celebração pela qual muitos cristãos (incluindo eu) têm verdadeira devoção, sejam quais forem as interpretações, significados pessoais (ou teológicos) desse gesto: para mim, é sagrado. Passada a Quarta-Feira de Cinzas iniciaremos a caminhada quaresmal.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Mar
3
Ter
Seminário “Ecologia e Espiritualidade” @ ISTA - Convento de S. Domingos
Mar 3@18:00_20:15

O seminário consta de oito sessões semanais, de 3 de Março a 28 de Abril e tem preços reduzidos de participação para estudantes e desempregados.

 

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco