Nobel para Olga Tokarczuk, uma “mística na busca perpétua da verdade”

| 12 Out 19

Quando passei o mês de Novembro de 2013 como professora visitante na Universidade de Varsóvia (na área da educação), li poemas e o livro Viagens de Olga Tokarczuk (na versão em língua inglesa). Olga Tokarczuk nasceu em Sulechów, uma pequena cidade no oeste da Polónia, em 1962, filha de um casal de professores. Formou-se em Psicologia (na perspectiva de Karl Jung) “na universidade de uma grande e soturna cidade comunista” (Varsóvia), afirma ela. Publicou o seu primeiro livro em 1989, uma coletânea de poesia intitulada Miasta w lustraché (Conduz o Teu Arado Sobre os Ossos dos Mortos, na edição portuguesa a lançar na segunda-feira, 14 de outubro), seguindo-se os romances E. E. e Prawiek i inne czasy. Este último tornou-a uma reconhecida escritora. (Nesta quinta-feira, 10 de outubro, Olga Tokarczuk foi anunciada como vencedora do Prémio Nobel da Literatura de 2018 – o prémio não tinha sido atribuído no ano passado –, a par de Peter Handke, vencedor do prémio de 2019.) 

Já no ano em que fui professora visitante na Universidade de Varsóvia (2013) Olga Tokarczuk era ativista e crítica do movimento polaco que veio a instalar a direita no poder, visceralmente contra qualquer fanatismo. Vegetariana e ecologista, o seu compromisso político levou-a a receber ameaças de morte, tendo a sua editora sentido necessidade de lhe garantir segurança pessoal.

A partir da publicação de Prawiek i inne czasy, a sua prosa afastou-se da narrativa mais convencional, incidindo mais na prosa breve e no ensaio. A obra de Olga Tokarczuk tem sido amplamente premiada. Recebeu por duas vezes o mais importante prémio literário da Polónia, o prémio Nike; em 2018, foi finalista do prémio Fémina Estrangeiro e foi vencedora do Prémio Internacional Man Booker. Os seus livros estão traduzidos em trinta línguas. Em Portugal foi apenas publicado, no passado mês de março pela editora Cavalo de Ferro, o livro Viagens já editado na Polónia em 2007, estado anunciada a publicação de Conduz o Teu Arado sobre os Ossos dos Mortos.

Olga é uma viajante. “Não herdei o gene que faz com que as pessoas criem raízes quando permanecem no mesmo lugar” (As citações agora usadas são todas provenientes de Viagens). “A minha energia provém do movimento.” Muito cedo, pôs-se “a caminho pelo mundo fora”, fazendo trabalhos temporários para sobreviver. Viaja ombro a ombro com imigrantes “em busca do país ideal e justo, algures no Ocidente”. Gosta de aeroportos – “cada aeroporto possui a sua própria música” – e tem saudades do tempo em que fazia tricô no avião para se descontrair e focar o seu pensamento: “Agora não permitem agulhas no interior dos aviões.”

As suas obras têm referências sistemáticas à raiz cristã-católica da sua amada Polónia. Descreve assim uma formação muito tradicional em Psicologia – profissão que nunca exerceu – que foi a sua:

“Porém, uma coisa eu sei: todo aquele que procura a ordem deve evitar a Psicologia. Que se dedique antes à Fisiologia ou à Teologia, campos em que, pelo menos, terá fortes fundamentos, quer se trate da matéria quer da alma, e não correrá nos riscos do terreno escorregadio do psiquismo. A psique é um objeto de investigação muito instável (…) Não me arrependo de me ter deixado encantar por esta ocupação singular [a escrita], tanto mais que não tinha vocação para psicóloga (…).”

Noutro passo, Olga descreve o seu processo de escrita:

“Todo aquele que alguma vez tenha tentado escrever um romance sabe que é uma árdua tarefa e, sem dúvida uma das piores formas de auto-subsistência. Durante todo esse tempo, é preciso permanecer fechado em si mesmo, como numa cela individual, na mais completa solidão.

Olga Tokarczuk é considerada mundialmente uma escritora original, ousada, fascinante e intrigante, com um humor fino e irreverente:

“(…) nunca me tornei uma verdadeira escritora; ou talvez seja melhor dizer escritor porque, neste género, a palavra tem uma conotação mais séria.”

Uma das suas amigas, Kinga Dunin, também escritora e crítica literária, explica à AFP: “Olga é uma mística na busca perpétua da verdade, verdade que só pode ser alcançada em movimento, transgredindo as fronteiras. Todas as formas, instituições e idiomas concertados são a morte.”

Este breve aperitivo serve para começarmos verdadeiramente a saborear a obra de Olga Tokarczuk.

 

Teresa Vasconcelos é professora do ensino superior (aposentada), membro do movimento Graal; Contacto: t.m.vasconcelos49@gmail.com)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

“Qual é o mal de matar?” novidade

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indescritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé.

Cultura e artes

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Uma história do universalismo cristão

The Devil’s Redemption: A New History and Interpretation of Christian Universalism (Baker Academic, 2018) foi classificado em 2018 pelo The Gospel Coalition, uma organização de Igrejas Evangélicas de tendência Reformada, como o Livro de Teologia do ano.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco