Nobel para Olga Tokarczuk, uma “mística na busca perpétua da verdade”

| 12 Out 19 | Cultura e artes, Cultura e artes - homepage, Literatura e Poesia, Últimas

Quando passei o mês de Novembro de 2013 como professora visitante na Universidade de Varsóvia (na área da educação), li poemas e o livro Viagens de Olga Tokarczuk (na versão em língua inglesa). Olga Tokarczuk nasceu em Sulechów, uma pequena cidade no oeste da Polónia, em 1962, filha de um casal de professores. Formou-se em Psicologia (na perspectiva de Karl Jung) “na universidade de uma grande e soturna cidade comunista” (Varsóvia), afirma ela. Publicou o seu primeiro livro em 1989, uma coletânea de poesia intitulada Miasta w lustraché (Conduz o Teu Arado Sobre os Ossos dos Mortos, na edição portuguesa a lançar na segunda-feira, 14 de outubro), seguindo-se os romances E. E. e Prawiek i inne czasy. Este último tornou-a uma reconhecida escritora. (Nesta quinta-feira, 10 de outubro, Olga Tokarczuk foi anunciada como vencedora do Prémio Nobel da Literatura de 2018 – o prémio não tinha sido atribuído no ano passado –, a par de Peter Handke, vencedor do prémio de 2019.) 

Já no ano em que fui professora visitante na Universidade de Varsóvia (2013) Olga Tokarczuk era ativista e crítica do movimento polaco que veio a instalar a direita no poder, visceralmente contra qualquer fanatismo. Vegetariana e ecologista, o seu compromisso político levou-a a receber ameaças de morte, tendo a sua editora sentido necessidade de lhe garantir segurança pessoal.

A partir da publicação de Prawiek i inne czasy, a sua prosa afastou-se da narrativa mais convencional, incidindo mais na prosa breve e no ensaio. A obra de Olga Tokarczuk tem sido amplamente premiada. Recebeu por duas vezes o mais importante prémio literário da Polónia, o prémio Nike; em 2018, foi finalista do prémio Fémina Estrangeiro e foi vencedora do Prémio Internacional Man Booker. Os seus livros estão traduzidos em trinta línguas. Em Portugal foi apenas publicado, no passado mês de março pela editora Cavalo de Ferro, o livro Viagens já editado na Polónia em 2007, estado anunciada a publicação de Conduz o Teu Arado sobre os Ossos dos Mortos.

Olga é uma viajante. “Não herdei o gene que faz com que as pessoas criem raízes quando permanecem no mesmo lugar” (As citações agora usadas são todas provenientes de Viagens). “A minha energia provém do movimento.” Muito cedo, pôs-se “a caminho pelo mundo fora”, fazendo trabalhos temporários para sobreviver. Viaja ombro a ombro com imigrantes “em busca do país ideal e justo, algures no Ocidente”. Gosta de aeroportos – “cada aeroporto possui a sua própria música” – e tem saudades do tempo em que fazia tricô no avião para se descontrair e focar o seu pensamento: “Agora não permitem agulhas no interior dos aviões.”

As suas obras têm referências sistemáticas à raiz cristã-católica da sua amada Polónia. Descreve assim uma formação muito tradicional em Psicologia – profissão que nunca exerceu – que foi a sua:

“Porém, uma coisa eu sei: todo aquele que procura a ordem deve evitar a Psicologia. Que se dedique antes à Fisiologia ou à Teologia, campos em que, pelo menos, terá fortes fundamentos, quer se trate da matéria quer da alma, e não correrá nos riscos do terreno escorregadio do psiquismo. A psique é um objeto de investigação muito instável (…) Não me arrependo de me ter deixado encantar por esta ocupação singular [a escrita], tanto mais que não tinha vocação para psicóloga (…).”

Noutro passo, Olga descreve o seu processo de escrita:

“Todo aquele que alguma vez tenha tentado escrever um romance sabe que é uma árdua tarefa e, sem dúvida uma das piores formas de auto-subsistência. Durante todo esse tempo, é preciso permanecer fechado em si mesmo, como numa cela individual, na mais completa solidão.

Olga Tokarczuk é considerada mundialmente uma escritora original, ousada, fascinante e intrigante, com um humor fino e irreverente:

“(…) nunca me tornei uma verdadeira escritora; ou talvez seja melhor dizer escritor porque, neste género, a palavra tem uma conotação mais séria.”

Uma das suas amigas, Kinga Dunin, também escritora e crítica literária, explica à AFP: “Olga é uma mística na busca perpétua da verdade, verdade que só pode ser alcançada em movimento, transgredindo as fronteiras. Todas as formas, instituições e idiomas concertados são a morte.”

Este breve aperitivo serve para começarmos verdadeiramente a saborear a obra de Olga Tokarczuk.

 

Teresa Vasconcelos é professora do ensino superior (aposentada), membro do movimento Graal; Contacto: t.m.vasconcelos49@gmail.com)

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Cultura e artes

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

A Igreja de São Cristóvão de Lisboa é o título do livro que será apresentado nesta sexta-feira, 13 de Dezembro, às 18h, naquela igreja da Mouraria que teve um programa de reabilitação iniciado com o projecto vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa – um caso único de envolvimento de uma comunidade católica, artistas, investigadores e a autarquia.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco