Nobel para Olga Tokarczuk, uma “mística na busca perpétua da verdade”

| 12 Out 19

Quando passei o mês de Novembro de 2013 como professora visitante na Universidade de Varsóvia (na área da educação), li poemas e o livro Viagens de Olga Tokarczuk (na versão em língua inglesa). Olga Tokarczuk nasceu em Sulechów, uma pequena cidade no oeste da Polónia, em 1962, filha de um casal de professores. Formou-se em Psicologia (na perspectiva de Karl Jung) “na universidade de uma grande e soturna cidade comunista” (Varsóvia), afirma ela. Publicou o seu primeiro livro em 1989, uma coletânea de poesia intitulada Miasta w lustraché (Conduz o Teu Arado Sobre os Ossos dos Mortos, na edição portuguesa a lançar na segunda-feira, 14 de outubro), seguindo-se os romances E. E. e Prawiek i inne czasy. Este último tornou-a uma reconhecida escritora. (Nesta quinta-feira, 10 de outubro, Olga Tokarczuk foi anunciada como vencedora do Prémio Nobel da Literatura de 2018 – o prémio não tinha sido atribuído no ano passado –, a par de Peter Handke, vencedor do prémio de 2019.) 

Já no ano em que fui professora visitante na Universidade de Varsóvia (2013) Olga Tokarczuk era ativista e crítica do movimento polaco que veio a instalar a direita no poder, visceralmente contra qualquer fanatismo. Vegetariana e ecologista, o seu compromisso político levou-a a receber ameaças de morte, tendo a sua editora sentido necessidade de lhe garantir segurança pessoal.

A partir da publicação de Prawiek i inne czasy, a sua prosa afastou-se da narrativa mais convencional, incidindo mais na prosa breve e no ensaio. A obra de Olga Tokarczuk tem sido amplamente premiada. Recebeu por duas vezes o mais importante prémio literário da Polónia, o prémio Nike; em 2018, foi finalista do prémio Fémina Estrangeiro e foi vencedora do Prémio Internacional Man Booker. Os seus livros estão traduzidos em trinta línguas. Em Portugal foi apenas publicado, no passado mês de março pela editora Cavalo de Ferro, o livro Viagens já editado na Polónia em 2007, estado anunciada a publicação de Conduz o Teu Arado sobre os Ossos dos Mortos.

Olga é uma viajante. “Não herdei o gene que faz com que as pessoas criem raízes quando permanecem no mesmo lugar” (As citações agora usadas são todas provenientes de Viagens). “A minha energia provém do movimento.” Muito cedo, pôs-se “a caminho pelo mundo fora”, fazendo trabalhos temporários para sobreviver. Viaja ombro a ombro com imigrantes “em busca do país ideal e justo, algures no Ocidente”. Gosta de aeroportos – “cada aeroporto possui a sua própria música” – e tem saudades do tempo em que fazia tricô no avião para se descontrair e focar o seu pensamento: “Agora não permitem agulhas no interior dos aviões.”

As suas obras têm referências sistemáticas à raiz cristã-católica da sua amada Polónia. Descreve assim uma formação muito tradicional em Psicologia – profissão que nunca exerceu – que foi a sua:

“Porém, uma coisa eu sei: todo aquele que procura a ordem deve evitar a Psicologia. Que se dedique antes à Fisiologia ou à Teologia, campos em que, pelo menos, terá fortes fundamentos, quer se trate da matéria quer da alma, e não correrá nos riscos do terreno escorregadio do psiquismo. A psique é um objeto de investigação muito instável (…) Não me arrependo de me ter deixado encantar por esta ocupação singular [a escrita], tanto mais que não tinha vocação para psicóloga (…).”

Noutro passo, Olga descreve o seu processo de escrita:

“Todo aquele que alguma vez tenha tentado escrever um romance sabe que é uma árdua tarefa e, sem dúvida uma das piores formas de auto-subsistência. Durante todo esse tempo, é preciso permanecer fechado em si mesmo, como numa cela individual, na mais completa solidão.

Olga Tokarczuk é considerada mundialmente uma escritora original, ousada, fascinante e intrigante, com um humor fino e irreverente:

“(…) nunca me tornei uma verdadeira escritora; ou talvez seja melhor dizer escritor porque, neste género, a palavra tem uma conotação mais séria.”

Uma das suas amigas, Kinga Dunin, também escritora e crítica literária, explica à AFP: “Olga é uma mística na busca perpétua da verdade, verdade que só pode ser alcançada em movimento, transgredindo as fronteiras. Todas as formas, instituições e idiomas concertados são a morte.”

Este breve aperitivo serve para começarmos verdadeiramente a saborear a obra de Olga Tokarczuk.

 

Teresa Vasconcelos é professora do ensino superior (aposentada), membro do movimento Graal; Contacto: t.m.vasconcelos49@gmail.com)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

A ilusão do super-homem novidade

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

Cultura e artes

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco