“Nome grande”, nome espiritual

| 11 Ago 19

O nome, como parte constitutiva, completa a pessoa, pois explica a natureza própria do ser individual […]. É um distintivo, segue a alma espiritual, como a sombra que segue a alma sensitiva. […] O nome situa o homem no grupo; é a denominação que permite reconhecê-lo, o sinal da sua situação, da sua origem, da sua actividade, das suas relações com os outros […]. (Altuna, 2006: 268)

 

É sobejamente sabido que, no tempo colonial, em Moçambique, as conservatórias de Registo Civil só registavam nomes de origem portuguesa. Uma vez que antes da chegada dos portugueses ao país, as pessoas tinham a tradição de nomear, não o deixaram de fazer. Apenas acabaram por utilizar dois nomes, um oficial, imposto pela governação, que é o de registo, e um outro utilizado em fórum doméstico, ao que chegou a chamar-se “nome de casa”, nome tradicional ou “nome grande”. Devo também frisar a existência de outros nomes, não necessariamente “grandes”, utilizados em situação familiar, que podem derivar de um acontecimento ligado à época de nascimento do indivíduo ou a algum ritual de passagem. Falarei sobre esses nomes, a partir do meu conhecimento sobre os gitongas e matswas, grupos étnicos oriundos da província de Inhambane.

O nome une o indivíduo às suas origens, aos seus ancestrais, à sua família. Vejam-se os tipos de categorias ou os critérios utilizados para nomear, dos quais falei no texto “Os rituais de nascimento rongas e portugueses”. Nas culturas desses grupos étnicos, um indivíduo não existe por si só; ou seja, a sua identidade se encontra ligada à sua família, aos seus ancestrais, à sua espiritualidade e/ou, por vezes a um acontecimento. Quero com isso dizer que, quando lhe perguntam o nome, do ponto de vista da filosofia dos gitonga, o indivíduo deverá dizer o seu, o do pai e o do avô.

Por exemplo: Mbate wa Kwamba wa Rungo, de onde Mbate é o seu nome, Kwamba é do seu pai e Rugo o pai do pai. Fica-se a saber quem é: de quem é filho e de quem é neto. Ou então deve dizer: Mbate wa Kwamba wana Nhamussua, o que significa, o seu nome, o do seu pai e o da sua família linhageira, do lado do pai. Só assim é que a sua identidade fica clara. Na verdade, só assim é que se pode perceber parte da sua identidade, a mais contemporânea possível; porque, casos há em que ele, para se identificar, deverá utilizar a saga da família, constituída por nomes e por alguns símbolos, apenas conhecidos entre os membros da sua família e que o permitem informar quem é, a quem lho pergunte; ou seja, o recurso à saga informa a que família alargada o indivíduo pertence e é através dela que outros membros da sua família o podem reconhecer como sendo da mesma linhagem.

Para explicar este último caso, utilizarei o exemplo da saga da minha família, para dizer quem sou. Sou originariamente matswa da parte do meu pai e bitonga da parte da minha mãe. A filosofia é a mesma nas duas culturas:  niwaka Nheve (sou da família Nheve), vbigagana vbvi bholileko vbi vhumala matsewule(?). A Kaya kayina inxlangueni ka Nheve(a nossa casa é a dos Nheve).A saga tem outras componentes, envolvendo mais parte da árvore de família. Apenas mencionei um segmento. O que vem entre parêntesis é uma tentativa de tradução.

Há nesta saga um nome e alguns símbolos. O nome é Nheve, que foi traduzido pelos portugueses para Neves e o símbolo é vbigagana vbvi bholileko vbi vhumala matsewule, reconhecível apenas por quem faça parte da minha família e cujo significado identifica uma determinada situação familiar de grande ausência de algo, que não sei o que seja. Mas devo dizer que sou de uma família pouco numerosa. Só para dar um exemplo, o meu avô, pai do meu pai, era filho único, algo raro entre as famílias africanas, algumas delas que, para além de manterem familiaridade através da consanguinidade, mantêm-na, por via simbólica, através de totens. Suspeito que a tal ausência esteja ligada à minha linhagem familiar, que é pequena.

Retomando a frase simbólica na minha saga familiar, afirmo, com toda a sinceridade, que isso é uma espécie de código ou senha familiar. Ninguém, no seio da minha família, ainda se dignou a traduzi-la. E fazem-no de propósito. Não tem a ver com o se ser ou não letrado. É, de facto, uma senha reconhecível entre os da mesma pertença e que os distingue dos outros membros de outras linhagens. E isto ajuda a explicar que um indivíduo só existe na medida em que é parte de uma família.

 

Nome grande, identidade e protecção

O nome grande é-o, não na medida do seu comprimento, mas na medida do seu significado espiritual. Ainda que o indivíduo tenha um nome oficial e outro doméstico, é apenas o nome grande que é utilizado quando se quer lembrar um familiar homónimo ou quando a pessoa adoece (e isso, em termos de performance, é feito carinhosamente e com muito respeito), ou ainda utilizado para os pedidos de bênçãos aos antepassados ou nas grandes mhambas. (cf. o texto que antes publiquei no 7MARGENS “Celebração da fraternidade: o ágape e a mhamba, da graça à salvação”).

O nome grande identifica um indivíduo, mas é também um nome para a sua protecção. É escolhido pela família, numa decisão colegial; o que explica a razão pela qual, na maior parte das vezes, se espere a criança nascer para o atribuir; num ritual no qual ele é chamado pelo nome escolhido, enquanto a mãe o amamenta. E o nome é repetido várias vezes. Acredita-se que enquanto este decorrer e a criança sugar devidamente do peito da mãe, aceitou o nome, caso não, o nome escolhido deve ser trocado, porque rejeitado pela criança.

Casos há em que a criança mama (aceita o nome), mas, por alguma razão, mais tarde, não lhe cai bem, ou seja, não o protege, não o abençoa. Nestes casos, faz-se um ritual para o renunciar, para o tirar; ou melhor, faz-se um ritual de “lavagem” ao indivíduo, para o libertar desse nome e após esse evento, ele não o poderá voltar a utilizar, nem deverá ser referido. E o indivíduo receberá um outro. A retirada do nome é feita com recurso a mesinhas mergulhadas em água e o indivíduo deve lavar-se ou é lavado enquanto fala, dizendo que não voltará a utilizar aquele nome, pedindo que os seus antepassados o abençoem e iluminem a sua família na escolha de um novo que se adeqúe aos seus espíritos, que seja um nome protector, um nome de facto grande.

Sobre os outros nomes ou os nomes pequenos de alguém: voltando a utilizar o caso de Mbate wa Kwamba wa Rungo, este poderia ainda ter o nome de “Mughoyi”, que não sendo utilizado a nível da família alargada, é-o a nível da família restrita. “Mughoyi” significa aquele que estraga e, do que sei sobre os gitongas ou os indivíduos aos quais se deu esse nome, tem a ver com o facto de nascerem de uma união não consentida. Então, mughoyi, nestes casos, significa aquele que criou problemas (estragou) determinada união matrimonial. Sendo este um exemplo, o mughoyi pode ainda receber um outro nome que derive de um ritual de passagem ou de algo nele surgido. Mas o que se deve reter quanto aos nomes é que o nome grande é o que o indivíduo utiliza para se identificar e os pequenos são utilizados pelos familiares referindo-se ao denominado de tal forma. Mas acaba sendo pouco ou quase nunca conhecido pela família alargada.

Nos dias que correm, algumas famílias voltaram a registar oficialmente os seus filhos com recurso aos nomes grandes e isso tem sido permitido oficialmente, a nível das conservatórias de Registo Civil.

 

Sara Jona Laísse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica de Maputo e membro do Graal (Movimento Internacional de Mulheres Cristãs) – Moçambique; contacto: saralaisse@yahoo.com.br

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal novidade

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica novidade

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco