“Nós Ainda Estamos Aqui”: o país envelhecido e despovoado

| 1 Fev 20

No próximo dia 4, decorre em Lisboa (Teatro Thalia, 10h), a cerimónia de entrega dos prémios Cooperação e Solidariedade, promovidos pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES) e que pretende homenagear pessoas ou instituições que se tenham distinguido em domínios relevantes para a Economia Social.

Além do prémio de honra, há cinco categorias: Invocação e Sustentabilidade, Formação Pós-Graduada, Trabalhos de âmbito Escolar, Estudos e Investigação, e Trabalhos Jornalísticos.

Nesta última categoria, um dos vencedores foi João Faiões, jornalista da SIC, com a reportagem Nós Ainda Estamos Aqui, que retrata o trabalho de várias IPSS no interior do país, envelhecido e despovoado.

Nos próximos dias, o 7MARGENS publicará texto sobre as outras duas reportagens vencedoras dos trabalhos jornalísticos.

Reportagem “Nós ainda estamos aqui”, de João Faiões/SIC. As visitas de técnicos a casa dos idosos é um dos trabalhos das IPSS do interior do país. Foto reproduzida da imagem vídeo.

Nós Ainda Estamos Aqui: o país envelhecido e despovoado

No interior do país as Instituições de Solidariedade Social (IPSS) constituem uma rede de apoio de proximidade vital para amparar os idosos que vivem sozinhos sem os retirar do seu meio.

E é por terras quase desertas desse Interior disperso que equipas de profissionais levam diariamente o amparo necessário aos que ainda resistem num território que há muito mergulhou num inverno demográfico.

As equipas de apoio domiciliário não asseguram apenas as necessidades básicas de alimentação e higiene. Também garantem serviços de enfermagem e substituem as famílias dos idosos, que vivem sozinhos, nas deslocações ao médico, nas compras do dia a dia. E além de companhia levam ainda outros mimos como a cabeleireira e manicure.

O apoio domiciliário às demências é um projeto pioneiro da Misericórdia de Mogadouro que também mereceu destaque na reportagem da SIC. Este serviço possibilita a deteção da doença e o acompanhamento dos pacientes em casa.

Reportagem “Nós ainda estamos aqui”, de João Faiões/SIC: a Misericórdia de Mogadouro tentou reconstituir o ambiente de um bairro nas suas instalações. Foto reproduzida da imagem vídeo.

 

Uma equipa multidisciplinar, constituída por neurologista, psicóloga, enfermeira e animador social conta com uma lista de 60 utentes em várias aldeias.

E responder a todas estas situações no meio rural requer um esforço acrescido. O Estado não olha às particularidades do interior. Os apoios são iguais em todo o país…  longe de cobrirem as despesas.

Por isso estas IPSS sentem-se prejudicadas pelos elevados custos da interioridade que não são comparticipados pelo Estado.

Muitos idosos sem retaguarda familiar próxima, devido à emigração dos filhos, longas distâncias a percorrer e custos acrescidos com o aquecimento, são alguns dos exemplos.

O despovoamento inverteu o sentido das necessidades.

A ausência de crianças levou ao encerramento de centenas de escolas primárias no meio rural.

E a ironia é que algumas dessas escolas estão agora transformadas em lares para idosos. Nenhum deles imaginaria algum dia morar no sítio onde aprendeu as primeiras letras.

Tudo isso está retratado na reportagem da SIC. A realidade de uma parte do País que estaria abandonada à sua sorte não fosse a meritória intervenção de muitas instituições que vão acrescentando dias de vida aos dias contados das aldeias.

O facto de esta reportagem ter sido premiada tem um duplo significado para a equipa que o realizou: o reconhecimento do trabalho jornalístico e a valorização do tema abordado na reportagem.

Um trabalho de reportagem ainda mais gratificante porque nos permitiu mergulhar na realidade de uma parte do país envelhecida e despovoada que é necessário dar a conhecer.

Reportagem “Nós ainda estamos aqui”: um país envelhecido e despovoado à espera de outras respostas. Foto reproduzida da imagem vídeo.

 

João Faiões é jornalista da SIC

 

Nós ainda estamos aqui 

Jornalista/autor – João Faiões

Imagem – João Tuna; Edição de imagem – Fernando Nunes

Produção – Cláudia de Araújo; Coordenação – Luís Marçal

 

A reportagem pode ser vista na página da SIC.

Artigos relacionados