Nossa Senhora da Igreja Pobre, Notre-Dame de Paris

| 20 Abr 19 | Artes, Entre Margens, Newsletter, Últimas

O interior de Notre-Dame de Paris, depois do incêndio. Foto reproduzida do Twitter da presidente de câmara de Paris, Anne Hidalgo

 

Senti-lhe a falta, quando me levantei no dia seguinte. Não era como quando a gente cai de repente na realidade de que o carro foi de facto roubado ou que a casa de férias desabou mesmo numa tempestade.

Lembrei as Torres Gémeas. Neste caso, o que de facto mais custou foi a extensão da maldade e do ódio, ao provocar a morte angustiante de milhares de pessoas. Fazia impressão ver ruir aqueles gigantes. Eram, porém, monumentos explicitamente dedicados ao Poder do Dinheiro e ao triunfalismo de um sistema económico.

Não assim com Notre-Dame. Senti a sua falta como a de alguém muito querido com quem convivemos, mesmo se apenas em rápidos encontros, e que vimos agonizar sem acreditar.

Era  muito mais do que um monumento de pedra: era a Grande Avó da actual civilização europeia. Ela própria descendia de uma antiquíssima fé em Deus (com os defeitos, injustiças e crimes que mancham a mais nobre genealogia). E a fé, humana como é, precisa de criar monumentos – servem, segundo a etimologia, para “avisar a mente”: enchem-nos de admiração e convidam-nos ao silêncio com Deus. Ao manifestarem a “grandeza de Deus”, fomos levados a decorá-los com a maior arte e riqueza possível.

A tentação do triunfalismo não poupou muitos dos responsáveis de monumentos. E não souberam resistir como Jesus no deserto.

Ao sair da minha longa formação de jesuíta, reflecti que o voto mais importante era o de pobreza. Foi muito bom ver isso no Papa Francisco.

“Devemos ter como se nada fosse nosso.” Porque tudo é passageiro e perecível. “Sábados” e riquezas são para investir no bem da Humanidade.

A “Igreja Pobre” (=todos os cristãos!) não pode ser triunfalista, arrogante, elitista, com a ajuda do poder subjugador do triunfalismo dogmático. E muito menos viver em “catedrais do Dinheiro”.

Muitos templos magníficos têm sido destruídos por forças naturais ou pelo poder “triunfante” de destruir e matar. Notre-Dame de Paris estava lá sempre, e talvez parecesse eterna. Não é verdade que os avós não envelhecem e estão lá sempre?

“Nossa Senhora da Igreja Pobre.” A Mãe humilde de Jesus. Na Anunciação, é apresentada como humilde, longe de qualquer tipo de arrogância por ser a mãe do Cristo de Deus.

Acompanhou a “destruição” física do seu filho. Acompanhou o grupo daqueles que sentiram nessa “destruição” o desafio para uma Fé mais adulta, mais interventiva, e que nunca pode ser “plenamente” esclarecida, porque sempre à procura de Deus, “cujo templo não se vê aqui ou acolá”.

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco