Nossa Senhora da Igreja Pobre, Notre-Dame de Paris

| 20 Abr 19 | Artes, Entre Margens, Newsletter, Últimas

O interior de Notre-Dame de Paris, depois do incêndio. Foto reproduzida do Twitter da presidente de câmara de Paris, Anne Hidalgo

 

Senti-lhe a falta, quando me levantei no dia seguinte. Não era como quando a gente cai de repente na realidade de que o carro foi de facto roubado ou que a casa de férias desabou mesmo numa tempestade.

Lembrei as Torres Gémeas. Neste caso, o que de facto mais custou foi a extensão da maldade e do ódio, ao provocar a morte angustiante de milhares de pessoas. Fazia impressão ver ruir aqueles gigantes. Eram, porém, monumentos explicitamente dedicados ao Poder do Dinheiro e ao triunfalismo de um sistema económico.

Não assim com Notre-Dame. Senti a sua falta como a de alguém muito querido com quem convivemos, mesmo se apenas em rápidos encontros, e que vimos agonizar sem acreditar.

Era  muito mais do que um monumento de pedra: era a Grande Avó da actual civilização europeia. Ela própria descendia de uma antiquíssima fé em Deus (com os defeitos, injustiças e crimes que mancham a mais nobre genealogia). E a fé, humana como é, precisa de criar monumentos – servem, segundo a etimologia, para “avisar a mente”: enchem-nos de admiração e convidam-nos ao silêncio com Deus. Ao manifestarem a “grandeza de Deus”, fomos levados a decorá-los com a maior arte e riqueza possível.

A tentação do triunfalismo não poupou muitos dos responsáveis de monumentos. E não souberam resistir como Jesus no deserto.

Ao sair da minha longa formação de jesuíta, reflecti que o voto mais importante era o de pobreza. Foi muito bom ver isso no Papa Francisco.

“Devemos ter como se nada fosse nosso.” Porque tudo é passageiro e perecível. “Sábados” e riquezas são para investir no bem da Humanidade.

A “Igreja Pobre” (=todos os cristãos!) não pode ser triunfalista, arrogante, elitista, com a ajuda do poder subjugador do triunfalismo dogmático. E muito menos viver em “catedrais do Dinheiro”.

Muitos templos magníficos têm sido destruídos por forças naturais ou pelo poder “triunfante” de destruir e matar. Notre-Dame de Paris estava lá sempre, e talvez parecesse eterna. Não é verdade que os avós não envelhecem e estão lá sempre?

“Nossa Senhora da Igreja Pobre.” A Mãe humilde de Jesus. Na Anunciação, é apresentada como humilde, longe de qualquer tipo de arrogância por ser a mãe do Cristo de Deus.

Acompanhou a “destruição” física do seu filho. Acompanhou o grupo daqueles que sentiram nessa “destruição” o desafio para uma Fé mais adulta, mais interventiva, e que nunca pode ser “plenamente” esclarecida, porque sempre à procura de Deus, “cujo templo não se vê aqui ou acolá”.

 

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

O sonho de um novo humanismo… novidade

A Carta Convocatória para o Encontro “Economia de Francisco” (Economy of Francisco), a ter lugar em Assis, de 26 a 28 de março de 2020, corresponde a um desafio crucial para a reflexão séria sobre uma nova economia humana. Dirigida aos e às jovens economistas e empreendedores, pretende procurar e encontrar uma alternativa à “economia que mata”.

Criança no centro?

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco