Nossa Senhora dos Milagres, um santuário para descobrir

| 21 Fev 2024

“As origens desta capela remontam ao séc. XVI.” Foto: Santuário Nossa Senhora dos Milagres. © Joaquim Jesus

 

Na freguesia de Dois Portos, concelho de Torres Vedras, numa modesta elevação do terreno, rodeada por vinhas e campos agrícolas, ergue-se uma pequena construção, caiada de branco, que chama a atenção do viajante. As placas indicativas, na estrada M535, despertam a nossa curiosidade: referem que se trata da capela de Nª Senhora dos Milagres.

Subindo pela estreita estrada que percorre a encosta, alcançamos o topo da colina. Ao chegar, é como se o santuário nos recebesse, abrindo os braços em acolhimento. Aqui somos surpreendidos pelas magníficas vistas que o local nos proporciona. Sentimos um ambiente de paz. O espaço convida-nos ao silêncio, ao contacto com o Alto, com o Divino…

As origens desta capela remontam ao séc. XVI. Conta a lenda que, num certo dia do Verão de 1578, andava por estes campos uma pastorinha com o seu rebanho de ovelhas. Estava muito calor e a menina sentiu-se aflita, com muita sede e sem água para beber. Começou a chorar. Mas eis que lhe apareceu Nossa Senhora, que, escavando um buraco na terra com as suas próprias mãos, fez com que daí brotasse água pura e cristalina para a pastorinha matar a sua sede. A Virgem terá então dito à menina para ir contar o sucedido a seus pais, e pediu que ali fosse construída uma ermida.

O povo, reconhecido pelo milagre, construiu a ermida no cimo do monte sobranceiro à fonte. O edifício foi recebendo melhoramentos ao longo dos séculos seguintes e ganhou importância, tornando-se num local muito conhecido e de grande devoção. Ali se dirigiam inúmeros peregrinos de toda a região, e até mesmo um círio foi levado de Lisboa.

O interior da capela é bastante humilde, mas tem uma simplicidade e beleza que nos encantam. Tudo é modesto, simples, belo… Um pouco ao jeito do presépio de Belém.

Ao entrar, observamos um bonito revestimento de azulejos do séc. XVII a cobrir as paredes. O tecto, de madeira, está decorado com pinturas do séc. XVIII e textos em latim retirados das Escrituras. Chegados ao altar, podemos ver a decorar as paredes da capela-mor azulejos do séc. XVIII, com representações da Anunciação do Anjo à Virgem, da Adoração dos Pastores e da Adoração dos Reis Magos ao Menino. Ao centro, no retábulo, a imagem de Nossa Senhora dos Milagres, com o seu delicado manto azul.

Infelizmente, no ano de 2009, o Santuário foi alvo de vários furtos. Durante esse ano desapareceu tudo o que tinha valor, nomeadamente a imagem de Nossa Senhora dos Milagres, várias imagens de santos, ex-votos valiosos e até mesmo o sino de bronze. Por esse motivo, a imagem que hoje existe no retábulo é uma réplica moderna da imagem original.

Atualmente, o edifício já possui um sistema de alarme.

Mas o espaço mantém todo o seu carácter, formado ao longo de quatro séculos de história e enobrecido pela fé e devoção das muitas gerações de fiéis que neste local têm feito as suas orações. Um património de grande relevância histórica e espiritual, a conhecer no concelho de Torres Vedras.

Aqui fica uma proposta para um passeio em família num fim-de-semana: visitar o Santuário de Nossa Senhora dos Milagres, em Dois Portos, a 50 km de Lisboa e a 16 km de Torres Vedras. A capela normalmente está aberta aos domingos à tarde, entre as 14h00 e as 16h00.

Santuário Nossa Senhora dos Milagres . Dois Portos. Torres Vedras

“A imagem que hoje existe no retábulo é uma réplica moderna da imagem original.” Foto: Santuário Nossa Senhora dos Milagres (interior). © Joaquim Jesus

 

Joaquim Jesus é engenheiro mecânico de formação académica, crente, e vê no contacto com a natureza uma forma de estarmos mais próximos de Deus.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre”

Face a "descredibilização" dos presbíteros

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre” novidade

Reconhecendo que o contexto da Igreja universal “é caracterizado pela descredibilização do clero provocada por diversas crises, pela redução do número de vocações ao sacerdócio ministerial e pela situação sociológica de individualismo e de crescente indiferença perante a questão vocacional”, os representantes do Clero diocesano de Angra (Açores) defendem o incremento da “pastoral vocacional assente na comunidade, sobretudo na família e no testemunho do padre”.

Por uma transumância outra

Por uma transumância outra novidade

Este texto do Padre Joaquim Félix corresponde à homilia do Domingo IV da Páscoa na liturgia católica – último dia da semana de oração pelas vocações – proferida nas celebrações eucarísticas das paróquias de Tabuaças (igreja das Cerdeirinhas), Vilar Chão e Eira Vedra (arciprestado de Vieira do Minho).  

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This