[Segunda leitura]

Notícia que não devia ser notícia

| 5 Jun 2022

Jake Daniels, jogador do Blackpool FC, foi um dos primeiros futebolistas a assumir a sua homossexualidade). Foto © Blackpool FC

Jake Daniels, jogador do Blackpool FC, foi um dos primeiros futebolistas a assumir a sua homossexualidade. Foto © Blackpool FC

 

Foi notícia há dias: Jake Daniels, um jogador profissional de futebol da equipa inglesa Blackpool, afirmou publicamente que é homossexual.

E foi notícia porquê?

Porque ainda é muitas vezes notícia um homem ou uma mulher afirmarem publicamente que são homossexuais.

Mas, sobretudo, porque é ainda mais notícia um jogador profissional de futebol afirmar publicamente que é homossexual. E porque é que é ainda mais notícia? Porque é algo de muito raro, muito raro mesmo.

Como nos conta o The Guardian, a última vez que se ouviu notícia pública de um futebolista homossexual no Reino Unido foi em 1990, ou seja, há 32 anos. A pessoa em causa chamava-se Justin Fashanu, e fosse por isto ou por aquilo, o certo é que acabou por se suicidar em 1998, queixando-se, entretanto, de que a admissão da sua homossexualidade não fora muito bem recebida pelos colegas com quem jogava e até pela família. É claro que isto já foi há muito tempo, já lá vão 32 anos, desde então muita coisa mudou neste domínio como em tantos outros, mas o certo é que desde então nenhum outro futebolista em Inglaterra veio a público falar da sua sexualidade… E devia?…

Sejamos francos: em bom rigor, nada disto devia ser notícia. Nunca. Que é que me interessa se A é homossexual, B é heterossexual, C é bissexual, etc., etc., etc.? Não estamos claramente no domínio da vida privada? Qual a relevância pública de uma “saída do armário”, como se costuma chamar a estes gestos?

E, no entanto, parece que estas revelações infelizmente continuam a ter alguma importância, como os próprios assumem. Jake Daniels explicou o facto de ter tomado agora esta decisão pela vontade pessoal de “contar a [sua] história”.

“Quero que as pessoas conheçam o meu ‘eu’ real”, desabafou. O que pressupõe que, se não dissesse nada, o seu ‘eu’ real continuaria desconhecido. Porquê? Porque, não dizendo nada, as pessoas continuariam a pensar (como à partida pensam de todos os homens de todo o mundo…) que ele era heterossexual. Tão simples como isso. E tão problemático como isso, claro.

Não foi fácil a Jake fazer o que fez, ele que sabe que é homossexual desde os 6 anos (tem agora 17). E ainda menos fácil foi porque queria ser (como agora é) jogador de futebol, num território onde os clichés da masculinidade são porventura mais fortes (quando não homofóbicos e agressivos) do que em qualquer outro. Não é por acaso que, em todos estes anos, ninguém fez o que Fashanu fez em 1990 (uma mera consideração de probabilidade estatística facilmente nos diz que deve haver mais alguns homossexuais entre os futebolistas, não é?…). E foi precisamente por não ser fácil que Jake Daniels decidiu fazê-lo agora. Conforme explicou ao jornal britânico, ele espera com este gesto servir como uma espécie de exemplo (“role model”) para ajudar outros a tomarem idêntica decisão, caso o desejem livremente. A ideia dele é esta: que pessoas em circunstâncias semelhantes pensem que “se este miúdo foi suficientemente corajoso para fazer isto, então eu também sou capaz de o fazer”.

E assim se percebe por que motivo isto é – e se calhar é bom que seja – notícia. Um dia, vai certamente deixar de o ser. Nesse dia, ninguém se importará com a orientação sexual de quem quer que seja e lidará com ela sem qualquer dificuldade ou preconceito. Sobretudo, ninguém cederá à tentação de impor a outros certo tipo de padrões ou modelos de vida, mesmo que não os escolha para si. Por que raio é que eu devo tentar que outra pessoa seja de certa maneira, só porque eu sou de certa maneira?

Bem sei que nem sempre é fácil lidarmos com este assunto, pois há séculos e séculos em cima das nossas cabeças a estabelecer uma norma rígida e imutável – e a tratar como desvio tudo aquilo que não se ajuste tal e qual a essa norma. Mas há que fazer o caminho – o caminho que se faz caminhando. E, aí, certas atitudes individuais, sobretudo de pessoas com visibilidade pública, podem ajudar a andar mais depressa com o passo. A revelação do futebolista inglês, por exemplo, não só contou com total apoio da família como recebeu palavras de estímulo de diversos outros jogadores, o que contribui, como dizia Anita Asante (uma antiga jogadora de futebol e atual comentadora do The Guardian), para “influenciar a conversação pública” sobre o tema e tornar as coisas mais como devem ser.

 

Para que isto deixe de ser notícia.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This