Oriundos da América Central

Nova caravana de migrantes à porta dos EUA

| 20 Jun 2022

Caravanas de migrantes avançam em direção aos EUA. Foto de arquivo © DR

A nova caravana de migrantes em direção aos EUA pode ser uma das maiores de sempre. Foto de arquivo © DR

 

A primeira onda de uma grande caravana de migrantes que partiu das Honduras em maio tinha chegado na última sexta-feira, 17, à fronteira dos Estados Unidos, perto da cidade de Eagle Pass, segundo noticiou o periódico local Eagle Pass Business Journal.

A caravana, considerada uma das maiores de sempre, poderá ser constituída por largos milhares de pessoas – homens, mulheres e crianças. As reportagens referem números que variam entre duas mil e 11 mil pessoas, mas há relatos que indicam que outras caravanas se preparam para integrar esta, podendo o conjunto vir a atingir mais de 15 mil pessoas.

Uma reportagem de The Guardian, de 3 de junho último, feita na cidade mexicana de Tapachula, no estado de Chiapas, referia que mais de uma dezena de milhar de pessoas estava preparada para se porem em marcha.

A partir da segunda metade deste mês de junho, porém, os media norte-americanos deixaram de dar destaque a este tema, o que poderá ter a ver com o que na recente Cimeira das Américas foi decidido sobre o tema das migrações.

Segundo o Business Journal, muitos dos migrantes têm viajado pelo México em autocarros, comboios, camiões, táxis e aviões, procurando avançar rapidamente para conseguir asilo em busca do “sonho americano”. Estariam a aproveitar as 11 mil autorizações para imigrantes estrangeiros abertas pelo Governo mexicano no mês passado.

A caravana é constituída sobretudo por pessoas dos países da América Central e do Sul, ainda que a integrem cidadãos de outros países. À chegada a Eagle Pass, a polícia da fronteira deteve 300 pessoas, que na prática se ofereceram para serem presas, já que acreditam poder conseguir o asilo, uma vez que estejam noutras cidades dentro dos EUA, para as quais foram levadas em autocarros.

Nas palavras da jornalista Lillian Perlmutter, autora da reportagem em The Guardian, a politização é evidente. As autoridades mexicanas acolhem bem a caravana e dispõem-se até a apoiar os elementos mais frágeis, podendo, depois, negociar com o Governo norte-americano as possíveis soluções (que dificilmente serão soluções para os migrantes, já que, se há aspeto em que as promessas do Presidente Biden não se concretizaram foi relativamente à imigração e asilo).

As imagens dos media mostram a multidão a caminhar, mas não mostram aqueles que vão ficando pelo caminho e, sobretudo, aqueles que simplesmente desaparecem na viagem. É para este fenómeno dos “desaparecidos” que o Serviço Jesuíta dos Migrantes do México tem vindo a chamar a atenção, desde há 15 anos.

Num “Relatório sobre o desaparecimento de migrantes no México“, publicado em 20 de maio deste ano, refere-se que, no período entre 2007 e 2021, a organização tratou 1.280 casos de pessoas desaparecidas.

Mas foi nos últimos três anos, e particularmente em 2021, que mais subiu o número de solicitações recebidas: neste ano registaram-se, segundo o estudo, 27% do total de casos, um aumento de 291 por cento.

Pelos últimos contactos dessas pessoas desaparecidas feitos com familiares ou amigos percebe-se que, em 75 por cento dos casos, encontravam-se no México, haviam sido detidas e a partir desse momento desapareceram. Isto mostra, segundo o serviço dos jesuítas, que “os migrantes detidos são geralmente privados do direito de comunicar com os seus familiares e amigos, perdendo assim o contacto com eles”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This