Nova constituição põe evangelização no centro da acção da Cúria Romana

| 23 Abr 19 | Destaques, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas, Vaticano/Santa Sé

Após cinco anos de trabalho, a mudança preconizada na nova constituição Praedicate Evangelium assume a evangelização como centro da missão e da vida da Cúria Romana e da Igreja Católica, tomando muitas das intuições, sugestões, reflexões e propostas do Papa nos seus mais importantes documentos. Revista espanhola avançará nesta quinta-feira com mais detalhes.

O Papa Francisco durante uma audiência geral em Dezembro de 2015: o novo documento recuperará o espírito de reforma do Papa Francisco, diz o cardeal Maradiaga. Foto © Lajoumard/WikiMedia Commons

 

Um novo “super-ministério” para a Evangelização, com mais poder do que a Congregação para a Doutrina da Fé; a Cúria Romana colocada ao serviço quer do Papa quer das igrejas locais, deixando de ser um órgão de poder e tonando-se uma estrutura de serviço; um estatuto dos bispos locais que não ficará mais subalternizado ao dos bispos e cardeais da Cúria; a possibilidade de colocar leigos à frente dos organismos do Vaticano; e a Comissão de Protecção de Menores integrada na estrutura da Cúria Romana, para tornar a sua acção mais eficaz – estes são, em síntese, alguns dos pontos principais da nova constituição apostólica que regulará a organização e o funcionamento da Cúria Romana, e que poderá ser assinada pelo Papa no final de Junho.

Depois de cinco anos de trabalho e 39 reuniões do C-9, o conselho de cardeais criado por Francisco para o aconselhar e trabalhar com ele na minuta da reforma, chega ao fim este processo, que se traduz numa profunda mudança, cujos elementos essenciais são antecipados pela revista espanhola Vida Nueva.

Pelo caminho, o C-9 foi entretanto reduzido para C-6, depois da saída de três membros: Laurent Monsengwo, do Congo, e Javier Errázuriz, do Chile, por limite de idade, ainda que neste último caso, tenham aparecido entretanto também acusações de encobrimento de abusos; e o australiano George Pell condenado por dois casos de abusos sexuais.

A mudança preconizada pelo novo documento revela-se desde logo no título: com a nova constituição Praedicate Evangelium (Anunciai o Evangelho), o Papa Francisco pretende colocar a missão e não a estrutura da Cúria no centro da vida da Igreja Católica. O documento assumirá muitas das intuições, sugestões, reflexões e propostas do Papa no seu texto programático, a exortação apostólica Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho), publicada em 2013 e que pretendia já colocar a Igreja numa dinâmica evangelizadora.

 “O Papa Francisco sublinha permanentemente que a Igreja é missionária”, confirma o cardeal Oscar Rodriguez Maradiaga (arcebispo de Tegucigalpa, Honduras), um dos membros do C-6 ouvidos pela Vida Nueva. “Por essa razão, é lógico colocar em primeiro lugar o dicastério para a Evangelização e não o da Doutrina da Fé. Deste modo, o Papa envia um sinal significativo acerca da reforma para todo o Povo de Deus”, acrescenta, citado no Crux, que teve acesso ao texto da Vida Nueva.

O ponto principal da nova constituição apostólica é que a missão da Igreja é a evangelização”, acrescenta ainda o cardeal Oswald Gracias, arcebispo de Bombaim, e outro dos membros do C-6. “Coloca-a no centro da Igreja e de tudo o que a Cúria faz. Será o primeiro dicastério. O título do texto mostra que a a evangelização é o principal objectivo, antes de qualquer outra coisa.”

Essa mesma orientação missionária foi destacada na reunião de há duas semanas como horizonte a assumir pela Cúria, a par do fortalecimento do processo sinodal (de participação) dentro da Igreja Católica e destacando a necessidade de mais mulheres em papéis de liderança.

Nessa perspectiva, o novo dicastério para a Evangelização será o organismo mais importante da nova configuração curial. Reunirá, pelo menos, as competências das actuais estruturas da Congregação para a Evangelização dos Povos (Propaganda Fide), criada em 6 de Janeiro de 1622 pelo Papa Gregório XV, e do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, criado por Bento XVI em 21 de Setembro de 2010.

 

Ramón Llull, Portugal e Espanha na origem

A ideia de um organismo destinado a apoiar o Papa na evangelização foi proposta, pela primeira vez, pelo catalão Ramón Llull, um precursor do diálogo inter-religioso, à volta do ano 1400. Mas foi com a expansão dos Descobrimentos portugueses e espanhóis que a necessidade desse organismo ganhou relevância, com o papado a conceder mesmo vários privilégios aos monarcas portugueses e espanhóis para o apoio à missão de evangelização.

Ilustração representando Ramon Llull, místico e teólogo do século XIII-XIV

 

A mudança agora prevista será, porventura, uma das mais significativas: de acordo com a anterior constituição apostólica, a Pastor Bonus, publicada por João Paulo II em 1988, a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), que tem por missão assegurar a ortodoxia da fé católica, era o organismo mais importante na estrutura da Cúria, a par da Secretaria de Estado, destinada sobretudo a gerir questões políticas e de relações com os estados.

Sucessora do Tribunal da Inquisição, a CDF tem actualmente também como missão as averiguações dos casos de abusos e o seu julgamento, podendo recomendar a retirada do ministério de presbítero a qualquer padre, bispo ou cardeal – como foi o caso do antigo arcebispo de Washington, Theodore McCarrick.

A par dessa alteração de foco, surgem três outras mudanças, que não deixam de acentuar a dinâmica sinodal e colegial pretendida pelo Papa, sendo que duas delas têm a ver com os bispos na relação com a Cúria: os organismos do Vaticano passam a estar também ao serviço das igrejas locais (bispos e conferências episcopais) e deixarão de ter uma tutela de poder sobre os episcopados locais, como até aqui: “Como sucessores dos apóstolos, os bispos não têm uma posição eclesiológica que os coloque abaixo daqueles que trabalham na Cúria Romana”, como acontecia até aqui, diz o cardeal Maradiaga, confirmando que qualquer bispo de qualquer diocese terá o memso poder hierárquico que o prefeito de um organismo do Vaticano – uma revolução de 180 graus na organização hierárquica do catolicismo, que regressa às formas descentralizadas que existiam antes do Concílio de Trento.

Na Praedicate Evangelium passa a prever-se também a possibilidade de haver leigos à frente dos organismos do Vaticano – até agora limitada quase só a estruturas como os museus, os média e pouco mais. Este aspecto “concretiza a luta de Francisco contra o clericalismo”, analisa o jornalista Darío Menor.

Outras novidades previstas são a criação de um Dicastério para a Caridade e a fusão entre aCongregação para a Educação Católica e o Conselho Pontifício para a Cultura. Mas haverá um outro sinal importante: o novo organismo para a Caridade virá logo depois da Secretaria de Estado e do Dicastério para a Evangelização, refere o Crux, lembrando que a caridade é um elemento chave da fé cristã. Esta estrutura passará a administrar todas as doações que o Papa recebe e a superintender também a Administração do Património da Sé Apostólica (APSA).

Estas alterações dão corpo a outras mudanças já postas em marcha, como foi o caso da fusão dos diversos média no Dicastério para as Comunicações e de vários conselhos pontifícios no Dicastério para Leigos, Família e Vida e Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral (dedicado a questões sociais e políticas, como o desenvolvimento, a paz e a justiça).

 

O que se segue

Capa da edição da revista espanhola Vida Nueva, que irá para as bancas nesta quinta-feira, 25, onde se desenvolve o tema da reforma da Cúria Romana.

A Vida Nueva publicará, já nesta quinta-feira, várias páginas resumindo de forma mais alargada o conteúdo da nova constituição, aprovada na reunião do C-6 de 8-10 de Abril, e na qual estiveram presentes todos os seus actuais membros: Pietro Parolin, secretário de Estado, Óscar Rodríguez Maradiaga, de Tegucigalpa (Honduras), Reinhard Marx (Munique, Alemanha) Seán Patrick O’Malley (Boston, EUA), Giuseppe Bertello (governador da Cidade do Vaticano) e Oswald Gracias (Bombaim, Índia).

O texto, já numa forma quase final, foi entretanto enviado a todos os organismos da Cúria Romana e às conferências episcopais do mundo inteiro, de modo a que possam ainda ser feitas sugestões de correcção. Não havendo atrasos, o Papa poderá assinar o documento a 29 de Junho, festa litúrgica de São Pedro e São Paulo e a data de celebração por excelência ligada ao papado. Dias antes, entre 25 e 27, o C-6 reunirá pela quadragésima vez, para dar ao texto os retoques finais.

Por ocasião da última reunião do C-6, o director interino da Sala de Imprensa do Vaticano, Alessandro Gisotti, confirmou que o documento foi também colocado à consulta dos sínodos das Igrejas Orientais, dos diferentes organismos da Cúria vaticana, das conferências de superiores e superioras de congregações religiosas e de algumas universidades pontifícias. 

A própria continuidade do C-6 ou de algum organismo equivalente estará prevista também na Praedicate Evangelium, que adianta ainda o fim da diferença “hierárquica” entre as congregações (mais importantes) e os conselhos pontifícios, passando todos os organismos a ter o nome de dicastérios. A Vida Nueva diz ainda que um dos membros do C-6 aponta para um horizonte de pelo menos 25 anos de vigência da nova constituição, que considera como fruto do equilíbrio entre as metas estabelecidas no início do pontificado de Francisco e a actual realidade no Vaticano e na Igreja universal.

No Crux, o cardeal Maradiaga diz que a Praedicate Evangelium pode devolver aos crentes a esperança que o pontificado de Francisco gerou no início: o documento dá “ao povo de Deus uma nova e corajosa perspectiva da reforma no espírito de Francisco”, diz, confirmando a inspiração que repousa sobre os grandes textos do pontificado, como a Evangelii Gaudium, a encíclica Laudato Si’, acerca do cuidado da casa comum, e Amoris Laetitia, sobre a família.
E o cardeal Gracias acrescenta: “Não será apenas uma mudança estética, mas será o impulso para uma mudança de mentalidade que já está em andamento.”

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco