Nova constituição: Cúria Romana mais simples e descentralizada

| 10 Jul 19 | Cristianismo - Homepage, Destaque 2, Igreja Católica, Newsletter, Últimas, Vaticano/Santa Sé

Estátua representando São Paulo, da autoria do escultor Adamo Tadolini, na Basílica de São Pedro do Vaticano: a missão da Cúria Romana passa a estar centrada na evangelização e no anúncio do Evangelho. Foto © AngMoKio/Wikimedia Commons

 

(Este texto substitui uma versão anterior que, por razões técnicas, não estava acessível)

A futura constituição apostólica sobre a organização da Cúria Romana prevê a fusão de vários departamentos, contempla uma maior presença de leigos e de mulheres à frente de órgãos do Vaticano, que deverá passar a ter uma organização mais descentralizada e uma lógica mais sinodal (participação de todos) no seu funcionamento.

Um esboço preliminar do documento Praedicate Evangelium, obtido e divulgado pelo site de informação Crux confirma alguns elementos já avançados pela Vida Nueva em Abril e sintetizados no 7MARGENS.

Depois de enviado aos responsáveis dos vários serviços do Vaticano, conferências de bispos, núncios e institutos de direito, o elevado número de comentários recebidos sobre o documento levou a adiar a sua publicação para nunca antes de Setembro, depois de ter estado inicialmente prevista para final de Junho. O tom geral da nova constituição incide numa “descentralização saudável” da estrutura da Santa Sé e coloca o foco na evangelização.

Esta reforma pretende pôr em prática uma maior racionalização no funcionamento da Cúria, ao reduzir o número de departamentos e simultaneamente evitar a repetição de competências e assim torná-la mais eficiente e economizadora.

O texto preliminar está dividido em nove grandes áreas: as três primeiras são dedicadas à explicação do conceito, função e normas gerais da Cúria Romana, as seguintes abordam a estrutura, as competências e actividades dos diferentes serviços, que passarão a designar-se dicastérios.

Segundo a primeira parte do Praedicate Evangelium, a constituição “visa colocar em prática de forma mais radical o trabalho da Cúria no presente, em virtude das mudanças que acontecem no interior da Igreja e que estão no coração deste novo passo na evangelização que somos chamados a viver”, cita o Crux.

 

A importância da sinodalidade

A vida de comunhão na Igreja “tem a face da sinodalidade”, que deve ser expressa em todos os níveis – com o próprio povo de Deus, com os bispos e com o Papa, refere o esboço. As conferências episcopais, inclusive os grupos continentais, “estão entre as formas mais significativas de expressar e servir a comunhão eclesial em várias regiões com o pontífice romano, garante da unidade”, continua o documento.

Como missão prioritária, a Cúria ficará encarregada de compartilhar a experiência da Igreja na forma de melhores práticas, sugestões criativas e ideias sobre como corrigir problemas, agindo assim como “uma plataforma ou fórum de comunicação” entre as igrejas locais e as conferências de bispos. “A Cúria não fica entre o Papa e as conferências episcopais, mas está ao serviço de ambos”, lê-se no documento.

Nesta nova reforma, o papel das conferências de bispos será reforçado, uma vez que a nova constituição exigirá uma maior consulta aos organismos nacionais ou regionais de bispos, por parte da Cúria, antes de tomar decisões importantes que os afectem. Os documentos que tratam de uma área ou região específica passarão mesmo a ter de “ser apresentados à conferência de bispos interessados ​​antes de serem publicados pela Cúria”.

A proposta vai no mesmo sentido da decisão tomada em 2015 pelo Papa Francisco, de descentralizar processos de anulação de matrimónios, permitindo através das normas simplificadas, que os bispos fossem os juízes dos casos em suas próprias dioceses, em vez de terem de enviar os casos à diocese metropolita mais próxima ou directamente para Roma.

 

Secretaria de Estado e Evangelização com papéis reforçados

A Praedicate Evangelium define, nesta versão provisória, um papel mais relevante na estrutura católica para os leigos e para as mulheres, não apenas na presidência dos serviços da Cúria Romana, mas na liderança em áreas da família e da vida, da promoção da paz e da justiça, da economia e do cuidado da criação.

O aprofundamento da reflexão sobre as relações entre homens e mulheres “de acordo com sua reciprocidade, complementaridade e igual dignidade” deve ser um dos desígnios primordiais para o Dicastério dos Leigos, Família e Vida. Este departamento deverá igualmente reunir e propor modelos para acompanhamento pastoral, formação e acompanhamento para pessoas divorciadas e casais que voltaram a casar, assim como em relações de poligamia, em determinadas culturas.

A Secretaria de Estado no Vaticano terá o seu papel reforçado naquela que é uma das mudanças mais significativas na proposta, como também já tinha dado conta a revista espanhola Vida Nueva, em Abril passado.

Depois de já ter tido um papel minimizado por alguns papas, a Secretaria de Estado – responsável pelo pessoal diplomático – aparece em primeiro lugar no novo organigrama dos dicastérios da Cúria, seguida por aquele que será um novo mega-departamento para a evangelização, que resultará da fusão da Congregação para a Evangelização dos Povos (encarregada de orientar os “territórios missionários”) com o Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (vocacionado para propor novos caminhos perante a crescente secularização dos países ocidentais.

Um novo dicastério para “serviços de caridade”, directamente dependente do Papa, será também criado, substituindo o actual Gabinete do Esmoler Papal, cujos fundos vêm de doações feitas ao Papa bem como ao Instituto para as Obras da Religião, o “banco” do Vaticano.

A nova constituição perspectiva ainda a junção da Congregação para a Educação Católica e do Conselho Pontifício para a Cultura num novo dicastério para “educação e cultura”. A Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores na Cúria, organismo consultivo do Papa, manterá a sua autonomia e passará a estar integrada na estrutura da Cútia Romana. A sua principal tarefa será trabalhar com as conferências episcopais e os superiores religiosos na aplicação de directrizes locais para garantir a salvaguarda de menores e adultos vulneráveis.

As novidades surgem como continuação das reformas já postas em marcha pelo Papa Francisco, como a fusão dos diferentes média vaticanos no Dicastério para Comunicações; a fusão da maioria dos conselhos pontifícios em duas mega-estruturas – o Dicastério para Leigos, Família e Vida e o Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral; e a criação da Secretaria da Economia e do Conselho para a Economia.

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco