Incêndios e decapitações

Nova vaga de ataques terroristas atinge Cabo Delgado

| 6 Set 2022

Macomia, Cabo Delgado, Moçambique.

Macomia, que já era uma região considerada estabilizada, voltou a ser alvo de ataques. Foto: Direitos reservados.

 

Uma série de ataques terroristas atingiu a província de Cabo Delgado, em Moçambique, nas últimas semanas, denunciou o Denis Hurley Peace Institute, órgão associado da Conferência dos Bispos Católicos da África Austral. De acordo com informações daquela organização, veiculadas pelo jornal Crux esta terça-feira, 6, pelo menos 70 casas e um camião que transportava milho foram incendiados na vila de Nacuale e várias pessoas foram decapitadas no final de agosto.

“Parece que não há um alvo específico. As vítimas incluem cristãos, muçulmanos e pessoas de várias etnias”, afirmou Johan Viljoen, diretor do instituto, ao Crux. “O objetivo dos ataques é expulsar as populações locais das suas terras. Esta não é uma guerra religiosa. Trata-se de acesso à riqueza mineral, petróleo e gás”, defende.

Embora 75 por cento da população de Moçambique seja cristã, em Cabo Delgado há uma ligeira maioria muçulmana. No entanto, as duas religiões têm coexistido em paz, e as tensões terão sido agravadas pela chegada de várias empresas petrolíferas multinacionais, que prometeram empregos e crescimento económico para a região, o que nunca se concretizou, aponta Viljoen.

“As autoridades não administraram bem a situação. A Total [empresa de energia francesa] disse que retomaria as operações assim que a área estiver estável e [os moradores deslocados] retornarem. Desesperadas pelo retorno total, as autoridades – apoiadas pelo presidente Ramaphosa, entre outros – vêm dizendo que o conflito acabou e que os deslocados internos devem retornar”, acrescenta.

Os líderes da Igreja Católica, por outro lado, consideram que a área ainda não é segura e que os deslocados internos devem ficar onde estão. “Recebemos relatos de que deslocados retornados foram atacados ao longo do caminho, ou mesmo nas suas aldeias de origem após o retorno”, refere o responsável pelo Denis Hurley Peace Institute.

Além disso, “os ataques estão a espalhar-se para o sul e oeste. Mesmo áreas que até recentemente eram consideradas estabilizadas pela Comunidade de Desenvolvimento da África Austral e tropas ruandesas – como Muidumbe e Macomia – agora estão a ser atacadas”, alertou.

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This