Nove confissões do grupo Religiões-Saúde condenam eutanásia, evangélicos e médicos católicos pedem veto de Marcelo

| 31 Jan 2021

eutanásia, saúde, hospital

Foto: Direitos reservados

 

Nove confissões religiosas do Grupo de Trabalho Inter-Religioso Religiões-Saúde criticaram também, em comunicado divulgado no fim-de-semana, a aprovação, pelo Parlamento, da lei sobre a eutanásia. “Aquilo que a Assembleia ofereceu como saída à pessoa que sofre gravemente é a morte a pedido (por enquanto)”, diz o texto enviado ao 7MARGENS.

O texto inclui a Igreja Católica, cujos bispos tomaram posição, e a Aliança Evangélica Portuguesa (AEP), que divulgou também uma posição autónoma, a condenar a nova lei e a apelar para que o Presidente da República, “sensível a esta matéria, tudo faça para que uma lei com tão reduzida aceitação em Portugal não seja colocada em prática, assim como para que o Tribunal Constitucional defenda o princípio da inviolabilidade da Vida Humana, ao invés de defender a frágil autonomia de uma pessoa em sofrimento, tão permeável ao aproveitamento de interesses externos”.

No comunicado conjunto, o Grupo Inter-Religioso Religiões-Saúde pergunta ainda: “O que esperar face às dificuldades no acesso aos cuidados de saúde, à pobreza, à grave insuficiência de cuidados continuados, à inexistência de uma rede de cuidados paliativos, ao depósito de idosos em muitos lares, às graves insuficiências do SNS?”

O grupo responde com três compromissos: reforçar o “empenho na proclamação dos valores da vida e na formação humana suportada pelos mesmos”; assumir “o desafio de uma maior proximidade aos doentes através do acompanhamento espiritual”, pedindo que se retirem os “entraves existentes” a esse acompanhamento; e “afirmar o princípio ético, ancestral e universal” do “não matarás”, que “conduziu a humanidade pelas vicissitudes da história até ao respeito pela vida e pela dignificação da pessoa humana”.

O comunicado é assinado em nome das duas maiores confissões religiosas do país – Igreja Católica e Aliança Evangélica Portuguesa –, bem como pelas comunidades Hindu de Portugal, Islâmica de Lisboa e Israelita de Lisboa. Subscrevem-no também a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons), Patriarcado Ecuménico de Constantinopla, a União Budista Portuguesa e a União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia.

Quem também faz um apelo directo ao Presidente da República é a Associação dos Médicos Católicos Portugueses. Dizendo que a pandemia “veio pôr a nu a insanidade deste processo” e que “os médicos não são agentes da morte”, a AMCP apela a Marcelo Rebelo de Sousa “para que escute os portugueses e evite que um dos primeiros actos do seu segundo mandato seja a aprovação de uma lei que torna Portugal membro de um grupo indigno e minoritário de sete países que aprovaram a eutanásia”.

 

Mulheres vão intervir na escolha dos bispos

Papa revela em entrevista

Mulheres vão intervir na escolha dos bispos novidade

Depois de ter anunciado o desejo de visitar a Rússia e a Ucrânia, a seguir à viagem que vai fazer ao Canadá, o Papa Francisco surpreendeu esta quarta-feira ao anunciar a intenção de nomear duas mulheres para o comité do Dicastério dos Bispos, que procede à análise dos nomes a escolher para as dioceses, nas diferentes partes do mundo.

Terrorismo, ciclones e Missão

Norte de Moçambique

Terrorismo, ciclones e Missão novidade

É verdade que toda a Igreja se empenhou na assistência humanitária às vítimas do ciclone Gombe, com a distribuição de alimentos e materiais de construção para as casas. E também abre braços e corações para acolher os deslocados de Cabo Delgado. Mas a grande aposta na construção de um futuro melhor passará por projectos de desenvolvimento e por mais e melhor educação integral.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!” novidade

Não se é cristão porque se pratica a religião cristã, ou pela simples razão de ir à igreja, ou porque se pratica boas obras.
Não se é cristão porque se conhece bem a Bíblia, faz-se beneficência ou até se dá a vida em nome de Deus.
Tudo isto pode ser feito, e na verdade não é ser cristão. Parecer é uma coisa, ser é outra.   

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This