Milhares em fuga

Novo ataque a aldeia católica na Birmânia

| 11 Mai 2022

familia deslocados em mianmar, foto ILO PhotoMarcel Crozet (1200 × 900 px)

Familia de deslocados na Birmânia. Foto © ILO PhotoMarcel Crozet.

 

Os militares atacaram, uma vez mais, a aldeia católica histórica de Chan Thar, situada no centro da Birmânia (Mianmar), no passado dia 7 de maio, noticiou esta terça-feira a UCA News. Pelo menos 20 casas foram queimadas durante a incursão militar e milhares de pessoas fugiram para áreas seguras nas proximidades.

Esta aldeia, que já havia sido atacada pelos militares pelo menos duas vezes (em janeiro deste ano e em junho de 2021), situa-se numa região em que cristãos e budistas convivem pacificamente há décadas. Os primeiros cristãos ter-se-ão estabelecido ali nos séculos XVI e XVII.

No passado mês de abril, quase 100 soldados tinham invadido o complexo da Catedral do Sagrado Coração em Mandalay, a segunda maior cidade birmanesa, como noticiou o 7MARGENS.

A junta militar, que tomou o poder em fevereiro de 2021, persegue há muitos anos a minoria cristã da Birmânia, estimada em 6,2% da população. Os conflitos têm-se intensificado nos últimos meses e há milhares de pessoas deslocadas a necessitar de abrigo, comida e medicação, estando a assistência humanitária bloqueada pela junta.

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This