Novo directório do Vaticano para a catequese recusa ideologia de género, mas admite “complexidade” e “não julga pessoas”

| 29 Jun 20

Marcha LGBT em São Paulo (Brasil), 2014: a Igreja “não julga pessoas”, mas mantém a sua doutrina tradicional. Foto © Ben Tavener/Wikimedia Commons

 

Um texto que recusa a ideologia de género, considerada uma construção social, embora admita a “complexidade de situações” e afirme que a Igreja “não julga pessoas”; que incentiva a pastoral dos migrantes e o trabalho a favor do meio ambiente; e que favorece o uso das novas tecnologias com uma linguagem em que convirjam a palavra escrita, o som e as imagens. Estas são algumas das linhas principais do novo Directório para a Catequese, o terceiro documento do género em 50 anos, que sublinha o impacto das novas tecnologias e da globalização na transmissão da fé.

“Na Igreja, muitas vezes, é habitual uma comunicação unidireccional: prega-se, ensina-se e apresentam-se sínteses dogmáticas. Além disso, só com um texto escrito é difícil falar aos mais jovens, habituados a uma linguagem que consiste na convergência da palavra escrita, som e imagens”, diz o texto, citado pela agência Ecclesia, quinta-feira passada, 25, dia da sua apresentação no Vaticano.

Depois do Directório Catequístico Geral, de 1971, e do Directório Geral de Catequese, de 1997, este é o terceiro texto orientador dos principais conteúdos que deve conter a catequese católica – substituindo, aliás, o anterior. Pode acrescentar-se ainda que, a 11 de Outubro de 1992, o Papa João Paulo II publicou o Catecismo da Igreja Católica, que tenta fazer uma síntese da doutrina.

O novo directório foi aprovado pelo Papa Francisco e apresentado pelo Conselho Pontifício para uma Nova Evangelização (CPNE). E anima também os diferentes agentes de pastoral a promover “itinerários específicos de educação na fé e na moral cristã, em temas como a vida humana enquanto dom de Deus, o respeito e o desenvolvimento integral da pessoa.

 

Investigação científica “não é moralmente neutral”

No capítulo sobre “algumas questões de bioética”, o documento de 120 páginas (e 480 pontos) reafirma o ensino tradicional da Igreja: o ser humano foi criado homem e mulher e por isso deve ser rejeitada a “ideologia de género” como construção social desvinculada do sexo biológico. Mas admite a complexidade de situações e, por isso, acrescenta que a Igreja “não julga pessoas”, resume o Religión Digital.

O documento acrescenta, no entanto, que a Igreja tem consciência de que, mesmo a partir da fé, a sexualidade não é a apenas um dado físico, mas um valor entregue à pessoa e à sua responsabilidade.

Nesse capítulo, ainda segundo o Religión Digital, o documento admite que os principais temas deste âmbito mudaram nas últimas décadas. E cita: estatuto do embrião humano, procriação medicamente assistida, definição de morte, eutanásia, cuidados paliativos, engenharia genética ou biotecnologia.

A investigação científica e as suas aplicações não são “moralmente neutrais e os critérios de orientação não se podem separar da eficiência técnica, do seu uso ou das ideologias dominantes”. Nem tudo o que é tecnicamente possível é moralmente admissível, acrescenta o texto.

Neste capítulo, ainda de acordo com a mesma fonte, sugere-se que a catequese deve educar para a formação da consciência sobre as perguntas da vida, a partir de quatro elementos fundamentais: Deus como referência inicial e última da vida, desde a sua concepção à morte natural; a pessoa é sempre unidade de corpo e espírito; a ciência está ao serviço da pessoa; e a vida respeita-se em qualquer situação, uma vez que está redimida pelo mistério pascal em Cristo.

 

Digital está a impor nova cultura

No capítulo do digital, o novo Directório diz que ele “não só faz parte das culturas existentes, como se está a impor como uma nova cultura, modificando antes de mais a linguagem, modelando a mentalidade e reelaborando as hierarquias de valores”. Por isso, os catequistas são convidados a aproximar a linguagem das redes digitais e a linguagem religiosa, mas sempre com acompanhamento pessoal que leve “cada jovem a redescobrir o seu projecto pessoal de vida”, cita a Ecclesia.

“Este caminho requer que se passe da solidão, alimentada pelos likes, à realização de projetos pessoais e sociais a realizar em comunidade.” O que exige, admite o texto, “formas inéditas de evangelização” que levem a “acções pastorais globais, tal como é global a cultura digital”.

O novo Directório adverte para os limites e problemas do digital, observando que o processo deve ser colectivo e nunca individual, passando do mundo “isolado das redes sociais para a comunidade eclesial”.

No texto, assume-se ainda a responsabilidade de todos – bispos, padres, religiosos e religiosas – na relação com os pais, padrinhos e com os avós, e assume-se ainda o compromisso de “evitar qualquer género de abuso, seja ele de poder, de consciência, económico ou sexual”.

A versão portuguesa do novo directório da Catequese será apresentado nas Jornadas Nacionais de Catequistas, que deverão decorrer em Outubro, promovidas pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã.

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco