Dia Internacional

Novo estudo atualiza conhecimento sobre comunidade cigana

| 8 Abr 2024

Ciganos num mercado: no primeiro inquérito nacional, verificou-se que a maior parte da comunidade vive da venda ambulante. Foto © Mirna Montenegro, cedida pela autora.

 

Atualizar o conhecimento sobre a comunidade cigana em Portugal é o principal objetivo de um novo estudo que começará a ser realizado no próximo mês de maio. Com duração prevista de dois anos, será coordenado por um consórcio académico e financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

“Vai haver um inquérito à população cigana portuguesa, com uma amostra bastante elevada, um inquérito também à população não cigana sobre os ciganos, sobre as representações que têm relativamente à população cigana”, explicou Maria Manuela Mendes, membro do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES), do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, uma das partes envolvidas no projeto.

Em declarações à agência LUSA citadas pelo PÚBLICO, a propósito do Dia Internacional das Pessoas Ciganas, que se assinala anualmente a 8 de abril, a investigadora informou que o estudo incluirá a colaboração da própria comunidade cigana, que irá “fazer uma espécie de consultoria ao projeto”. Haverá ainda dois inquéritos nacionais, envolvendo continente e ilhas.

Este trabalho de investigação, ainda de acordo com a mesma fonte, procurará quantificar o número de pessoas ciganas que vivem em Portugal, mas também terá “uma componente qualitativa, com entrevistas, com histórias de vida” e retratos sociológicos sobre “alguns perfis de pessoas e famílias ciganas”.

Maria Manuela Mendes alertou, ainda, para o aumento dos fenómenos do populismo e do anticiganismo em Portugal. “Este populismo, relativamente aos ciganos, acaba por manifestar-se em grande medida através daquilo que é o anticiganismo, que é uma forma específica de racismo enraizada muito naquela ideologia de superioridade racial e que acaba por retirar caraterísticas humanas às pessoas ciganas.” De qualquer modo, a socióloga considera que o país avançou imenso na aceitação das pessoas ciganas, após “séculos de uma discriminação histórica”.

Até hoje, só foi feito um estudo sobre as comunidades ciganas em Portugal, em 2014. As suas principais conclusões foram a de que os ciganos portugueses tinham pouca escolaridade, casavam cedo e tinham a venda ambulante como principal fonte de rendimento.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This