Investigação

Novo livro analisa fenómeno dos influenciadores católicos

| 3 Mar 2024

Trabalho de investigação realizado ao longo de três anos resultou na publicação de um livro, que analisa o impacto na sociedade e na Igreja dos influenciadores digitais da fé, que alcançaram já uma expressão significativa nas redes sociais, com milhões de seguidores a acompanhá-los no dia-dia. 

 

Capa livro Influenciadores Digitais Católicos: Efeitos e Perspetivas

A capa do livro Influenciadores Digitais Católicos: Efeitos e Perspetivas. Foto: Direitos reservados.

 

Influenciadores Digitais Católicos: Efeitos e Perspetivas é o título de um livro recentemente publicado, que resulta de um trabalho de investigação levado a cabo entre 2021 e 2023. A obra, com 416 páginas e uma linguagem acessível, incide sobre casos do fenómeno no Brasil, analisa a forma como se compõem as “redes de influência” que caracterizam a atuação dos influenciadores e aborda a maneira como estes influenciadores articulam as suas palavras em função das suas diferentes perspetivas sobre a vida. 

Entre os influenciadores da fé no Brasil abordados na obra estão Fábio de Melo, um padre com mais de 26 milhões de seguidores no Instagram, e Júlio Lancellotti, eleito o principal “influenciador de religião” no Brasil em 2023, pelo júri do prémio iBest. Este fenómeno integra também fiéis comuns, que através das redes sociais partilham reflexões sobre espiritualidade, teologia e religião.

Publicado pelas editoras Ideias & Letras e Paulus, o livro é da autoria de Fernanda de Farias Medeiros, Aline Amaro da Silva, Alzirinha Rocha de Souza, Moisés Sbardelotto e Vinícius Borges Gomes. Este grupo de investigadores universitários reuniu-se a convite de Joaquim Giovani Mol Guimarães, bispo auxiliar de Belo Horizonte, no Brasil. 

Por ocasião da apresentação do livro, Joaquim Giovani Mol destacou que a investigação realizada alerta para a importância da formação na área. “É possível promover a formação de líderes católicos e católicas para a atuação nas redes digitais, mas desde que a intencionalidade não passe pelo desejo de fama, visibilidade e engajamento, segundo as lógicas mediático-digitais”, disse o bispo, citado pelo portal de informação da Santa Sé.

Joana Puntel, religiosa natural de São Paulo, envolvida em estudos sobre a comunicação católica, destacou que a nova publicação apresenta “um exame crítico e criterioso de casos empíricos”, disponibilizando “uma reflexão fundamental e até então inédita, a fim de conhecer e lidar com o fenómeno da influência digital, particularmente católica, mas também em outros âmbitos sociais e religiosos”.

A obra conta com uma carta de apoio, assinada por instituições como a Cáritas Brasileira, Comissão Brasileira de Justiça e Paz e o Observatório Eclesial Brasil. Na missiva, as organizações destacam a importância da obra: “Encorajamos a leitura atenta deste livro por parte das lideranças religiosas, dos agentes de pastoral em geral e também de todas as pessoas interessadas em fazer frutificar plenamente as oportunidades dos ambientes digitais e enfrentar seus desafios para a vivência e a prática de uma fé coerente.”

Texto redigido ao abrigo da parceria da revista Fátima Missionária com o 7MARGENS.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This