Violência não pára

Novo massacre na Nigéria faz 3 mortos e 40 desaparecidos

| 20 Jun 2022

vítima do massacre em Owo, no Dia de Pentecostes. Foto © ACN

vítima do massacre em Owo, no Dia de Pentecostes. Foto de arquivo © ACN

 

Pelo menos três mortos e 40 pessoas desaparecidas, talvez sequestradas, é o balanço feito pelo governo de Kajuru, na província de Kaduna, do último massacre numa igreja na Nigéria. Tudo aconteceu na manhã de dia 19, na igreja de San Moisés, quando os fiéis se encontravam em plena missa.

A agência FIdes reporta que três pessoas morreram nos tiroteios, e que muitas outras sofreram ferimentos de diferentes gravidades e foram levadas para o hospital para receberem tratamento. Os terroristas chegaram de motos, tendo vindo a assaltar várias aldeias pelo caminho, segundo relatos locais.

A Igreja Católica, numa tentativa de prevenir ataques terroristas como os que já haviam sucedido em janeiro e agora no Dia de Pentecostes, num ataque que fez 38 mortos e 61 feridos, já tinha marcado todas as suas missão para as 7 da manhã, mas nem isso impediu os terroristas de atacarem em plena luz do dia.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This