Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

| 29 Set 20

representantes CEC e CCME na comissao europeia, Foto CMI

Recebidos por Vangelis Demiris, do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs defenderam que que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Europeia. Foto: CMI.

 

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Europeia a 23 de setembro.

A declaração, assinada também pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, foi entregue por Jørgen Skov Sørensen, secretário-geral da CEC, e Torsten Moritz, secretário-geral da CCME, ao responsável pelo diálogo com as igrejas. Moritz aproveitou o encontro com Demiris para informar que se têm multiplicado as reações dos representantes das Igrejas em toda a Europa ao novo pacto, nomeadamente da parte daqueles que já receberam pessoas em busca de asilo, patrocinaram corredores humanitários, resgataram pessoas de afogamento e, mais recentemente, intervieram para ajudar após os incêndios no acampamento de Moria. “Alguns são ex-refugiados”, disse Moritz, citado no site da CEC. “Muitos deles expressaram um sentimento de constrangimento por serem europeus neste momento.”

“No texto do Pacto de Migração da UE, reconhecemos as boas intenções gerais e algumas ideias promissoras”, afirmou o representante da CCME. “No entanto, o foco geral nas fronteiras, procedimentos nas fronteiras, retorno e cooperação com governos duvidosos em países terceiros é muito preocupante”, acrescentou.

Uma preocupação partilhada pela Comissão dos Episcopados Católicos da Europa (Comece), que, nesse mesmo dia, emitiu um comunicado sobre a adoção do novo pacto proposto pela Comissão Europeia, onde pedia uma resposta mais “solidária e responsável” para os refugiados.

Os bispos católicos europeus saúdam a iniciativa da Comissão Europeia de estabelecer “um novo e abrangente quadro com o objetivo de criar um ambiente justo e um mecanismo previsível de gestão da migração que reconstrua a confiança entre os Estados-Membros”, mas lembram que o essencial é dar prioridade “à proteção da dignidade humana e à promoção do bem comum”, reconhecendo migrantes e refugiados como “pessoas com dignidade e direitos fundamentais, e não como números” e resolver as “disfuncionalidades” dos atuais sistemas de migração e asilo.

 

ONG e Papa unem-se aos apelos
people not walls entrega carta refugiados, foto Twitter Pat Gaffney

Os representantes da People Not Walls (Pessoas, não muros) apelaram aos governos britânico e francês para “investir na segurança e bem-estar dos seres humanos nas fronteiras”. Foto: Twitter de Pat Gaffney

 

Também na passada sexta-feira, a Organização Não Governamental (ONG) People Not Walls (Pesoas, não muros) tentou entregar uma carta nos gabinetes dos ministros do Interior do Reino Unido e de França, Priti Patel e Gerald Darmanin, respetivamente, pedindo-lhes que “trabalhem juntos, não para construir mais muros, ou defesas, mas para investir na segurança e bem-estar dos seres humanos nas fronteiras”.

A ONG, que se referia em particular à situação dos milhares de migrantes que se encontram na região de Calais, no norte de França, em condições desumanas, e que pretendem requerer asilo no Reino Unido, não teve, no entanto, permissão para entregar a carta no ministério britânico. “Disseram-nos abruptamente à porta que só poderiam aceitar a entrega se fôssemos acompanhados de um solicitador”, explicou Barbara Kentish, coordenadora interina da instituição, citada pelo Novena News. “Esta recusa foi totalmente inesperada e deixa-nos a pensar que ameaça poderiam representar duas mulheres e três membros do clero em plena luz do dia”.

Este domingo, 27 de setembro, data em que se assinalou o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados, o Papa Francisco voltou a pedir a todos os fiéis que rezassem por aqueles que foram forçados a fugir das suas casas.

No final do seu discurso, após a oração do Angelus, Francisco saudou em especial um grupo de cerca de 50 migrantes e refugiados que se encontravam na Praça de São Pedro, apesar da forte chuva que caía, lembrando que , tal como os pais de Jesus, os migrantes, refugiados e deslocados internos, foram também forçados a fugir.

 

Quase 130 migrantes mortos no mar no espaço de uma semana

Os apelos do Papa e de inúmeras instituições surgem no final de uma semana particularmente representativa do drama vivido pelos migrantes. Só nos últimos sete dias, quase 130 pessoas que viajavam da Líbia para a Europa morreram, na sequência de naufrágios dos barcos em que seguiam.

De acordo com o jornal italiano Avvenire, um navio de migrantes naufragou no passado dia 21 de setembro, causando a morte de 111 pessoas. Apenas nove passageiros sobreviveram graças a um barco de pesca que os encontrou no mar alguns dias depois.

Cerca de 120 migrantes que foram levados de volta para a Líbia na semana passada disseram a representantes da Organização Internacional para as Migrações que um outro incidente ocorreu entre a noite de sexta-feira, 25, e a manhã de sábado, 26, matando pelo menos mais 15 pessoas.

“Não se trata de estatísticas, trata-se de pessoas reais!”, lembrava o Papa na sua mensagem para o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados. “Quase todos os dias, a televisão e os jornais veiculam notícias de refugiados que fogem da fome, da guerra e de outros perigos graves, em busca de segurança e uma vida digna para eles e para as suas famílias”, afirmava, defendendo que, “nos rostos dos famintos, dos sedentos, dos nus, dos enfermos, dos estranhos e dos prisioneiros, somos chamados a ver a face de Cristo que nos implora por ajuda”. E, assim, “se pudermos reconhecê-lo naqueles rostos, seremos nós que lhe agradeceremos por neles poder conhecê-lo, amá-lo e servi-lo”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Fátima entra no Inverno e mantém restrições novidade

O Santuário de Fátima anunciou que, a partir do próximo dia 1 de Novembro, domingo, entra em vigor o horário de Inverno do programa celebrativo na instituição, mantendo entretanto em vigor as regras definias pelas autoridades de saúde para o combate à pandemia.

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Este país ainda não é para velhos

A pandemia só veio tornar evidente o abandono social dos mais velhos. Colocar um familiar num lar de idosos tornou-se potencialmente perigoso, por isso há que apostar num novo modelo de respostas sociais para os seniores.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Cultura e artes

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco