Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

| 29 Set 20

representantes CEC e CCME na comissao europeia, Foto CMI

Recebidos por Vangelis Demiris, do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs defenderam que que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Europeia. Foto: CMI.

 

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Europeia a 23 de setembro.

A declaração, assinada também pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, foi entregue por Jørgen Skov Sørensen, secretário-geral da CEC, e Torsten Moritz, secretário-geral da CCME, ao responsável pelo diálogo com as igrejas. Moritz aproveitou o encontro com Demiris para informar que se têm multiplicado as reações dos representantes das Igrejas em toda a Europa ao novo pacto, nomeadamente da parte daqueles que já receberam pessoas em busca de asilo, patrocinaram corredores humanitários, resgataram pessoas de afogamento e, mais recentemente, intervieram para ajudar após os incêndios no acampamento de Moria. “Alguns são ex-refugiados”, disse Moritz, citado no site da CEC. “Muitos deles expressaram um sentimento de constrangimento por serem europeus neste momento.”

“No texto do Pacto de Migração da UE, reconhecemos as boas intenções gerais e algumas ideias promissoras”, afirmou o representante da CCME. “No entanto, o foco geral nas fronteiras, procedimentos nas fronteiras, retorno e cooperação com governos duvidosos em países terceiros é muito preocupante”, acrescentou.

Uma preocupação partilhada pela Comissão dos Episcopados Católicos da Europa (Comece), que, nesse mesmo dia, emitiu um comunicado sobre a adoção do novo pacto proposto pela Comissão Europeia, onde pedia uma resposta mais “solidária e responsável” para os refugiados.

Os bispos católicos europeus saúdam a iniciativa da Comissão Europeia de estabelecer “um novo e abrangente quadro com o objetivo de criar um ambiente justo e um mecanismo previsível de gestão da migração que reconstrua a confiança entre os Estados-Membros”, mas lembram que o essencial é dar prioridade “à proteção da dignidade humana e à promoção do bem comum”, reconhecendo migrantes e refugiados como “pessoas com dignidade e direitos fundamentais, e não como números” e resolver as “disfuncionalidades” dos atuais sistemas de migração e asilo.

 

ONG e Papa unem-se aos apelos
people not walls entrega carta refugiados, foto Twitter Pat Gaffney

Os representantes da People Not Walls (Pessoas, não muros) apelaram aos governos britânico e francês para “investir na segurança e bem-estar dos seres humanos nas fronteiras”. Foto: Twitter de Pat Gaffney

 

Também na passada sexta-feira, a Organização Não Governamental (ONG) People Not Walls (Pesoas, não muros) tentou entregar uma carta nos gabinetes dos ministros do Interior do Reino Unido e de França, Priti Patel e Gerald Darmanin, respetivamente, pedindo-lhes que “trabalhem juntos, não para construir mais muros, ou defesas, mas para investir na segurança e bem-estar dos seres humanos nas fronteiras”.

A ONG, que se referia em particular à situação dos milhares de migrantes que se encontram na região de Calais, no norte de França, em condições desumanas, e que pretendem requerer asilo no Reino Unido, não teve, no entanto, permissão para entregar a carta no ministério britânico. “Disseram-nos abruptamente à porta que só poderiam aceitar a entrega se fôssemos acompanhados de um solicitador”, explicou Barbara Kentish, coordenadora interina da instituição, citada pelo Novena News. “Esta recusa foi totalmente inesperada e deixa-nos a pensar que ameaça poderiam representar duas mulheres e três membros do clero em plena luz do dia”.

Este domingo, 27 de setembro, data em que se assinalou o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados, o Papa Francisco voltou a pedir a todos os fiéis que rezassem por aqueles que foram forçados a fugir das suas casas.

No final do seu discurso, após a oração do Angelus, Francisco saudou em especial um grupo de cerca de 50 migrantes e refugiados que se encontravam na Praça de São Pedro, apesar da forte chuva que caía, lembrando que , tal como os pais de Jesus, os migrantes, refugiados e deslocados internos, foram também forçados a fugir.

 

Quase 130 migrantes mortos no mar no espaço de uma semana

Os apelos do Papa e de inúmeras instituições surgem no final de uma semana particularmente representativa do drama vivido pelos migrantes. Só nos últimos sete dias, quase 130 pessoas que viajavam da Líbia para a Europa morreram, na sequência de naufrágios dos barcos em que seguiam.

De acordo com o jornal italiano Avvenire, um navio de migrantes naufragou no passado dia 21 de setembro, causando a morte de 111 pessoas. Apenas nove passageiros sobreviveram graças a um barco de pesca que os encontrou no mar alguns dias depois.

Cerca de 120 migrantes que foram levados de volta para a Líbia na semana passada disseram a representantes da Organização Internacional para as Migrações que um outro incidente ocorreu entre a noite de sexta-feira, 25, e a manhã de sábado, 26, matando pelo menos mais 15 pessoas.

“Não se trata de estatísticas, trata-se de pessoas reais!”, lembrava o Papa na sua mensagem para o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados. “Quase todos os dias, a televisão e os jornais veiculam notícias de refugiados que fogem da fome, da guerra e de outros perigos graves, em busca de segurança e uma vida digna para eles e para as suas famílias”, afirmava, defendendo que, “nos rostos dos famintos, dos sedentos, dos nus, dos enfermos, dos estranhos e dos prisioneiros, somos chamados a ver a face de Cristo que nos implora por ajuda”. E, assim, “se pudermos reconhecê-lo naqueles rostos, seremos nós que lhe agradeceremos por neles poder conhecê-lo, amá-lo e servi-lo”.

 

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco