Pereira de Almeida

Novo veto presidencial à eutanásia “é muito provável”

| 26 Jun 2022

José Manuel Pereira de Almeida é coordenador nacional da Pastoral da Saúde. Foto © Agência Ecclesia

José Manuel Pereira de Almeida é coordenador nacional da Pastoral da Saúde. Foto © Agência Ecclesia

 

O coordenador nacional da Pastoral da Saúde, José Manuel Pereira de Almeida, entende que “é muito provável” um novo veto presidencial à eutanásia, por entender que os deputados não responderam às questões que o Tribunal Constitucional tinha colocado.

Numa entrevista à Rádio Renascença e à Agência Ecclesia, o padre e também médico nota que, “para responder às questões que o Tribunal Constitucional tinha aberto, os senhores deputados fizeram pequeníssimas alterações”, acreditando por isso “que não respondem às questões que o tribunal tinha colocado”. Pereira de Almeida refere que “está disponível” o parecer do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, “que vai neste sentido” — recomendando a sua leitura e a de quatro declarações de voto “muito interessantes”: umas de concordância, outras de discordância.

Na referida entrevista, o padre da diocese de Lisboa admite que há um risco de o Serviço Nacional de Saúde (SNS) vir a transformar-se num serviço para pobres. “Parece que, afinal, os que podem pagar têm uma medicina melhor”, critica. Defendendo que “é bom não termos uma medicina a dois ritmos”, Pereira de Almeida diz recordar-se de um antigo “slogan” atribuído aos anarquistas: “Os ricos com médicos privados e os pobres privados de médicos.” E, acrescenta, “isso continua a existir como risco”.

Para o coordenador da Pastoral da Saúde é necessário ter uma medicina “particularmente atenta a todos e não aos que podem pagar”, garantindo cuidados de saúde de forma universal. “Parece que afinal os que podem pagar têm uma medicina melhor. Era uma coisa que não acontecia quando eu estava nos hospitais, porque o sector privado era pequeníssimo”, aponta.

Neste ponto, o responsável critica a atual organização do SNS, visível na crise vivida nas urgências hospitalares. Para José Manuel Pereira de Almeida é “evidente” que não se pode “culpar os cidadãos que vão às urgências” nem os médicos que trabalham no SNS, defendendo que é preciso antes organizar melhor, com um amplo debate entre todos sobre a saúde. “Ouvirmo-nos uns aos outros” para se encontrar as melhores soluções.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores