Novos ataques a comunidades católicas em África

| 15 Mai 19 | Breves, Últimas

O dia 13 de maio ficou marcado, em África, por mais mortes de católicos, na sequência de ataques violentos. No Burkina Faso, terroristas surpreenderam os participantes numa procissão em louvor de Maria, tendo morto quatro pessoas e destruído a imagem da Virgem. O caso verificou-se em Zimtenga, no norte do país, tal como um outro ataque ocorrido na véspera na zona de Dablo, do qual resultaram seis vítimas, incluindo um padre que celebrava a eucaristia.

A maioria da população é muçulmana, calculando-se que os cristãos rondam os 20 por cento e os restantes  são animistas. O país não tinha conhecido conflitos de natureza religiosa, até há pouco tempo.

Também na segunda-feira, 13, pessoas não identificadas atacaram uma paróquia de Dolbel, da diocese de Niamey, no Níger. Do incidente resultou ferido o pároco, padre Nicaise Avlouké, que se viu obrigado a procurar refúgio num acampamento militar. Segundo fontes da agência Fides, “há algum tempo que corriam rumores de possíveis ataques. O que se passou vem confirmar a deterioração da segurança na zona de fronteira com o Burkina Faso”. Ao mesmo tempo, existe a percepção de que as forças de defesa se encontram pouco preparadas para esta nova situação de terrorismo no Sahel.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco