“Novos caminhos para a Igreja e para a ecologia integral”

e | 16 Dez 19

Desmatamento no rio da Saudade, na Amazónia. Foto © Gérard Moss/Projecto Brasil das Águas-Simpósio Religião, Ciência, Ambiente

 

A Amazónia é o lugar a partir do qual os bispos católicos reunidos em sínodo refletiram sobre os novos caminhos para a Igreja e para ecologia integral e é o lugar onde os padres Carlo Zacquini e Corrado Maldonego, membros do Instituto Missionário da Consolata, têm trabalhado.

Disso deram testemunho no Centro Cultural Franciscano, em Lisboa, a 23 de novembro último: um lugar ultra-periférico de um ponto de vista social e no centro da vida natural terrestre: um terço das florestas nativas do planeta, um terço da biodiversidade, um quinto da água doce não congelada. Um lugar onde, em tempos de globalização acelerada, subsiste uma lacuna antropológica entre a nossa civilização e o modo de vida de muitos dos 385 povos indígenas. Um lugar onde a busca de compreensão do outro indígena coexiste e se confronta com a negação brutal dos seus direitos. Um lugar que interpela os seres humanos e os cristãos, «uma beleza ferida e deformada, de dor e violência». Um lugar que é hoje altar da Missa da Terra Sem Males, e onde ecoam novamente as palavras de Pedro Casaldáliga: “América Ameríndia,/ ainda na Paixão:/um dia tua Morte/terá Ressurreição!”

Mas como é que sentimos interpelações dos missionários da Consolata na Europa? Depois do Sínodo da Amazónia, que desafios se levantam à Igreja Católica de Lisboa? E o que se pede à Rede Cuidar da Casa Comum neste contexto?

Ao pensar nos desafios que os testemunhos dos missionários na Amazónia colocam à Igreja de Lisboa hoje, somos confrontados com a necessidade de uma conversão pastoral, que desperte a passagem de uma Igreja institucional para uma Igreja aberta, inclusiva e dialógica, ao serviço do próximo, a fim de chegar às periferias sociais e culturais da nossa sociedade. Neste espírito, a rede Cuidar da Casa Comum deve ser uma plataforma de diálogo ecuménico, inter-geracional e intercultural, promotora e protagonista de novos caminhos de conversão pastoral, cultural, ecológica e sinodal para as comunidades cristãs em Portugal.

 

Contra-corrente e contra-relógio

Em concreto, um dos novos apelos do sínodo da Amazónia foi o da conversão cultural. É necessária uma conversão cultural para compreender o outro, portador de uma cosmovisão que, se for desprezada, é uma barreira ao estabelecimento de uma relação humana e à transmissão da mensagem cristã. O mistério da fé tem de se refletir numa teologia inculturada, num caminho percorrido lado a lado, uma imagem para a ideia de sínodo, declinando estratégias neo-coloniais ou programas de evangelização proselitista.

Como nos alertam aqueles povos, o desafio que temos pela frente é a ousadia de ir contra-corrente, senão mesmo contra-relógio, no que isso implica de mudança de estilos de vida e paradigmas de produção e consumo. É o de superar a lógica da posse especulativa e lucrativa da nossa relação com as coisas, a natureza, os seres, o território e os outros, por aquela do “Bem-Viver” e do “Bem-Fazer”, aprendendo o sentido cósmico da mundividência Yanomami: Urihi-Urihi Temi.

Rio Amazonas. Foto © Firmino Cachada

Essa transição implica resgatar uma compreensão poliédrica da vida e do humano em estreita inter-relação e interligação com o espaço e com o tempo, a partir do paradigma do dom e do bem, sem descriminação ou preconceito diante da diversidade e da diferença. Trata-se, afinal, como escrevem os padres sinodais, “de viver em harmonia consigo mesmo, com a natureza, com os seres humanos e com o ser supremo, pois existe uma intercomunicação entre todo o cosmos, onde não há exclusão nem excluídos, e onde podemos criar um projeto de vida plena para todos.” (Documento Final do Sínodo, 9).

É neste processo de conversão que somos convidados a ganhar consciência da dimensão ecológica do nosso pecado individual e colectivo, onde o grito da Terra ganha forma e nome no choro dos pobres. E só na medida em que soubermos “Bem-viver” podemos ser profetas de um Reino “de justiça, paz, amor e beleza”.

 

João Miguel Almeida e Pedro J. Silva Rei são membros da comissão executiva da Rede Cuidar da Casa Comum

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Comunicar na era do coronavírus novidade

Byung-Chul Han é um observador perspicaz da sociedade contemporânea, por ele designada de várias maneiras, como “a sociedade do cansaço” ou “a sociedade da transparência”. Professor universitário em Berlim, ele analisa criticamente aquilo que designa como “o inferno do igual”, ou seja, algo de inevitável naqueles que a todo o custo pretendem ser diferentes mas que, na realidade, se aproximam por esse desejo comum – aliás não conseguido – de originalidade.

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco