Análise de um vaticanista

Novos movimentos religiosos: como prevenir a deriva sectária e de abusos?

| 20 Nov 2023

A Roma chegaram já pelo menos 100 sínteses da primeira fase da consulta sinodal das previstas 114 conferências episcopais católicas. Na imagem, a Basílica de São Pedro, na Cidade do Vaticano. Foto © Xosema, CC BY-SA 4.0 , via Wikimedia Commons.

O medo da deriva na Igreja Católica “é evidente e diz respeito a todos”. Foto © Xosema, via Wikimedia Commons.

 

Opus Dei, Focolares, Legionários de Cristo, Comunhão e Libertação, carismáticos, neocatecumenais e muitos outros dão corpo aos chamados novos movimentos religiosos e possuem, todos eles algo em comum: de promessa de futuro da Igreja converteram-se em exemplos de alguns dos maiores problemas que a Igreja tem tido – idolatria, abuso de poder, escândalos sexuais. Que é possível e necessário fazer?

Colocando o problema em perspetiva e no seu contexto, refira-se que, no Pentecostes de 1998, o Papa João Paulo II convocou esses movimentos para a Praça de S. Pedro e chamou-lhes “expressões providenciais da nova primavera suscitada pelo Espírito com o Concílio Vaticano II”. Nessa altura, em muitos deles, já se viviam situações escandalosas de abusos.

Num retrato em que sublinha algumas facetas mais escuras, o vaticanista Sandro Magister considera que, “hoje, à primavera seguiu-se uma estação sombria e tempestuosa”. “Ao triunfo, o desastre. Colapsos numéricos, derrocadas, escândalos intoleráveis, fundadores tão idolatrados como depois revelados como abusadores no espírito e no corpo dos seus seguidores, inúmeras vítimas traídas na sua confiança”, refere o jornalista e colunista do jornal italiano L’Espresso.

 

Desafios e perigos identificados já em 2004

Magister recorda-nos que “não faltaram sinais de alarme”, logo no início deste século. Em junho de 2004, a revista La Civiltà Cattolica, cujo conteúdo é da responsabilidade dos Jesuítas, mas com concordância do Vaticano, chamava a atenção, em editorial, para os “desafios e os perigos” ligados a estes movimentos.

Entre os desafios, a revista apontava, já há quase duas décadas: a) o vazio legislativo, decorrente do facto de o Código de Direito Canónico não tratar destes movimentos, com exceção do Opus Dei, desde que se tornou prelatura pessoal; b) dupla pertença de religiosos e religiosas de congregações antigas que passam a pautar-se pelos objetivos de neo-catecumenais ou carismáticos, por exemplo; c) inclusão de não católicos, o que poderia levar a normas estatutárias problemáticas, caso eles  se tornassem maioritários; d) os padres ‘arrancados’ às dioceses  para servir estes movimentos e os seminários ‘paralelos’ que alguns constituíram, (ex.: Redemptoris Mater, do Caminho Neocatecumenal), formalmente incardinados em dioceses ‘amigas’, mas de facto não exercendo nelas o seu ministério.

Os perigos identificados nesse editorial de La Civiltà Cattolica eram três: a) “tendência para absolutizar a própria experiência cristã, considerando-a a única válida, para que os ‘verdadeiros’ cristãos sejam aqueles que fazem parte desse movimento”; b) “tendência para se fechar em si mesmo” quanto a planos pastorais e métodos de formação dos membros do movimento, com a recusa de colaborar com outras organizações eclesiais; c) “tendência para se distanciar da Igreja local”, virando costas às diretrizes e programas pastorais das dioceses e paróquias e gerando, por essa via, “tensões por vezes duras entre os movimentos eclesiais de um lado e os bispos e párocos do outro”.

Referindo-se especificamente à Igreja Católica em Itália, Sandro Magister conclui:

“A catástrofe seguiu o seu curso e hoje quase todas as análises publicadas sobre o assunto concordam em imputar até aos pastores da Igreja uma responsabilidade no que aconteceu, pelos seus silêncios e preguiça”.

 

Critérios para combater e prevenir derivas e abusos

O que fazer para assumir este desafio?

O vaticanista remete para um artigo do teólogo e bispo de Novara, Franco Giulio Brambilla, publicado recentemente na revista italiana Il Regno, (acesso mediante assinatura) intitulado “Novos movimentos religiosos: os riscos de uma deriva sectária”. Este antigo professor de Antropologia Teológica em Milão, por sua vez, vai beber as suas propostas em trabalhos recentes publicados sobre o assunto em Itália e França, traduzindo-as em “critérios a utilizar para uma avaliação crítica dos novos movimentos religiosos e dos seus líderes”.

“A relação entre carisma e instituição” é o primeiro desses critérios e diz respeito às lideranças desses novos movimentos. Sobre este ponto, o bispo Brambilla considera ter sido um erro “colocar o elemento carismático a crédito apenas dos movimentos e o elemento institucional apenas associado às formas tradicionais de comunidade”, com o resultado de favorecer a rápida transformação dos movimentos “em experiências totalizantes da Igreja, com traços evidentes de uma ‘Igreja paralela'”. Alerta ainda para o risco de quem está à frente do movimento, levado pela força do argumento dos ‘bons frutos’, criar à sua volta uma aura de sedução, meio passo para um “líder sedutor”, particularmente quando ele tem “um ego hipertrófico”, narcisista, “mas apresenta um eu muito frágil”.

Neste âmbito, a recente decisão do Papa de limitar a duração dos mandatos e de estabelecer a distinção rigorosa entre fórum interno e externo são remédios cujos frutos se aguardam. Mas, a estes dois remédios, o autor propõe juntar um terceiro que é exigir a aprovação eclesiástica dos estatutos logo na altura da fundação, prestando especial cuidado à distribuição de poderes e competências, bem como aos processos de decisão.

O segundo critério de verificação diz respeito ao modo de falar, de vestir, de cantar, de atuar e, sobretudo às modalidades de práticas devocionais e litúrgicas, em que pode haver de tudo: orações carismáticas, ritos esotéricos, práticas de cura, vigílias guiadas pelo guru, posturas corporais bizarras… ou seja, “práticas devocionais e … ritos sacramentais, cada vez mais privatizados e manipuláveis”. A questão fulcral para o teólogo e bispo de Novara é a Eucaristia dominical. “Se a missa festiva, pergunta ele, é sistematicamente celebrada e vivida apenas com o próprio grupo ou movimento, como se pode pensar, a longo prazo, que ainda se pertence à Igreja Católica?”

Relativamente ao terceiro critério, Brambilla coloca o foco na metodologia e processos de recrutamento de novos membros, desde a primeira abordagem, passando pelo convite para um evento especial altamente gratificante para o candidato, até chegar ao estabelecimento de um laço duradouro. Atenção especial é dada aos mecanismos usados para a escolha ou a exclusão, particularmente nos casos em que alguém coloca interrogações ou exprime dúvidas, os quais podem ir até à desqualificação moral ou ao banimento da comunidade.

A perspetiva doutrinal de cada movimento é o assunto do quarto critério que o bispo Brambilla diz ser de difícil apreensão visto que, muitas vezes, o líder “se esconde atrás de uma verdade supostamente superior e inacessível, com traços esotéricos”, “um estádio espiritual mais avançado” que lhe cabe “guardar, com uma espécie de disciplina dos arcanos”, e que pode servir para justificar comportamentos sexuais anómalos e estilos de vida luxuosos.

O último critério de julgamento, que o bispo considera o mais volátil, refere-se à proposta moral de cada movimento, que diz respeito à moralidade pessoal e ao empenhamento social.  Escreve Brambilla:

“Se o pano de fundo é o apocalítico, que interpreta o tempo presente como uma crise do sistema, temo que a orientação moral possa cair em formas idealizadoras, ora alternativas ou escatológicas, ora combativas ou encarnacionistas, com todas as nuances intermédias, sem experimentar a realidade e o limite que podemos e devemos partilhar com os homens de hoje”. Isto porque “encarnação e transcendência são dois polos entre os quais não se deve [ter de] escolher, mas com os quais se pode viver uma ética da partilha e do testemunho, sem nunca os separar”.

“Este texto, alerta o bispo Brambilla na conclusão do artigo, pode parecer amargo e dramático, mas não é nada – há que reconhecê-lo – em comparação com as derivas e os abusos espirituais que, nestes últimos anos, puseram em perigo a nossa fé e a confiança de muitos”. “Escrevi estas notas, acrescenta ele, não tanto para denunciar a deriva sectária de grupos e movimentos. Isto aplica-se também a qualquer outra configuração agregadora, incluindo associações, paróquias e oratórios. O medo da deriva é evidente e diz respeito a todos, mas fi-lo para o reconhecer e o prevenir”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This