Número de judeus na Europa caiu 60% em 50 anos

| 24 Out 20

Dois judeus sefarditas lêem a Torá: são cada vez menos a faz-lo, na Europa. Foto © Sagie Maoz/Wikimedia Commons

 

Um novo estudo do Institute for Jewish Policy Research, publicado esta semana, revela que a percentagem de judeus a residir na Europa diminuiu 60% desde 1970. A pesquisa recua até ao final do século XIX, em que 88% da população judaica mundial vivia no continente europeu, e mostra que, neste momento, o número corresponde a apenas 9%: a proporção mais baixa em 1000 anos.

Intitulado “Os judeus na Europa na viragem do Milénio”, o estudo foi realizado por dois reconhecidos demógrafos judeus, o israelita Sergio DellaPergola e o russo Daniel Staetsky, e identificou 1,3 milhões de residentes na Europa continental, Reino Unido, Turquia e Rússia, que se descrevem como judeus. Em 1970, seriam 3,2 milhões.

Tal diminuição, depois da morte de cerca de seis milhões de judeus europeus durante o Holocausto, está ligada, sobretudo, à emigração de mais de 1,5 milhões de pessoas após a queda da Cortina de Ferro, sobretudo para os Estados Unidos da América.

O estudo foca o caso particular da Alemanha, onde a comunidade judaica se encontra em “estado terminal”. Mais de 40% dos 118 mil judeus que ali residem têm idade superior a 65 anos, e as crianças até aos 15 anos correspondem a menos de 10%. Essa realidade, semelhante à de países como a Rússia e a Ucrânia, “prenuncia altas taxas de mortalidade e um inevitável declínio populacional no futuro”, que já não tardará muito a chegar.

“A proporção de judeus residentes na Europa é quase a mesma que era na época do primeiro relatório da população judaica global, conduzido por Benjamin de Tudela, um viajante medieval judeu, em 1170”, indicam os autores do novo estudo, o mais abrangente de sempre alguma vez realizado no continente.

É certo que a evolução demográfica dos judeus na Europa teria sido “totalmente diferente” sem o impacto do Holocausto, afirma DellaPergola, citado pelo jornal Times of Israel. “Mas isso foi há 75 anos, e algumas das tendências que vemos hoje, e que estão a levar ao declínio, têm pouco a ver com o genocídio”, sublinhou. Entre essas tendências, encontram-se a taxa crescente de casamentos mistos e a diminuição da natalidade entre os casais judeus.

A França, onde reside a segunda maior população de judeus provenientes da diáspora (a seguir aos Estados Unidos), é responsável por grande parte do declínio na Europa Ocidental. Existem atualmente 449.000 judeus no país, em comparação com os 530.000 que ali residiam em 1970. De acordo com o relatório, só desde o ano 2000, 51.455 judeus franceses decidiram rumar a Israel, um número muito superior ao registado em qualquer outra nação da Europa Ocidental. A Bélgica, num distante segundo lugar, viu 2.571 judeus seguirem o mesmo caminho.

Na origem do êxodo de judeus franceses está a procura de um melhor nível de vida, mas também o medo do antissemitismo. “A França é hoje um lugar onde um professor de História pode ser decapitado na rua”, recorda DellaPergola, referindo-se ao assassinato do professor Samuel Paty, no passado dia 16, nos arredores de Paris.

Há, no entanto, algumas exceções ao quadro geral de declínio, todas elas em países onde a comunidade judaica ortodoxa tem uma grande expressão. São os casos da Áustria, Bélgica, Reino Unido e Suíça, em que o número de judeus “pode estar a crescer, ou pelo menos, a não diminuir”, de acordo com o relatório, que se baseia em dados dos censos oficiais, números fornecidos por instituições judaicas e ainda uma sondagem realizada pela União Europeia em 2018.

De qualquer forma, estas exceções não deverão reverter a tendência de declínio, defende o estudo. “Apenas em circunstâncias excecionais as tendências demográficas modificam radicalmente o seu curso”, escrevem os autores. Ainda que, reconhecem, tenham ocorrido modificações “mais de uma vez na demografia judaica europeia durante os últimos cem anos”.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This