Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

| 1 Mar 2024

Voluntariado. Foto Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Qualquer pessoa pode ser voluntária na Misericórdia de Lisboa, “independentemente da idade, do género, da resposta social ou da zona da cidade”. Foto © Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

 

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

“Os nossos voluntários são pessoas que manifestam um grande grau de responsabilidade e compromisso para criar estabilidade e previsibilidade nas relações. É preciso tempo para criar laços, construir e aprofundar uma relação, torná-la significativa e com impacto. Isso é muito importante. São estas relações que tornam o voluntariado benéfico para beneficiários e voluntários”, sublinha ainda a responsável, esclarecendo que qualquer pessoa pode ser voluntária “independentemente da idade, do género, da resposta social ou da zona da cidade”.

Para a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o voluntariado é “atividade complementar à dos seus profissionais e que faz a diferença na vida de centenas de pessoas todos os dias”. Atualmente, “as duas áreas com maior necessidade de voluntários” dizem respeito ao “apoio a pessoas idosas no seu domicílio e o apoio ao estudo aos mais jovens”. As pessoas interessadas em fazer voluntariado na Santa Casa podem proceder à sua inscrição online, ao longo de todo o ano.

 

Texto redigido por Juliana Batista/revista Fátima Missionária, ao abrigo da parceria com o 7MARGENS.

 

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Em memória das "dez mulheres de Shiraz"

Bahá’ís plantam árvores em Lisboa, para que a liberdade religiosa floresça em todo o mundo

Quem passar pela pequena zona ajardinada junto ao Centro Nacional Bahá’í, na freguesia lisboeta dos Olivais, vai encontrar dez árvores novas. São jacarandás e ciprestes, mas cada um deles tem nome de mulher e uma missão concreta: mostrar – tal como fizeram as mulheres que lhes deram nome – que a liberdade religiosa é um direito fundamental. Trata-se de uma iniciativa da Junta de Freguesia local, em parceria com a Comunidade Bahá’í, para homenagear as “dez mulheres de Shiraz”, executadas há 40 anos “por se recusarem a renunciar a uma fé que promove os princípios da igualdade de género, unidade, justiça e veracidade”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This