O 25 de abril: rito (religioso) ou ritualismo (político)?

| 23 Abr 20

Claro que o 25 de abril deve ser celebrado, como todos os momentos mais fortes e intensos das nossas vidas!

A Páscoa celebra uma liberdade muito maior, aquela que rasga as amarras da morte, e não deixou de ser celebrada em cada casa; os aniversários, celebração do grande Dom que é raiz de todos os direitos fundamentais, não deixaram de ser celebrados, ainda que à distância de um adeus por uma janela; a morte, momento humanamente trágico, vivido em muitos casos de forma (ainda mais) solitária e distante, não deixou de ter um padre e alguns familiares mais próximos a celebrar essa partida, muitas vezes não vista e não acreditada.

Um rito é um conjunto de gestos e palavras, que fazem parte da cultura e dos costumes de um povo ou de uma cultura e que se dispõem de forma organizada e ritmada para manifestar aquilo que se sente ou aquilo que se celebra, dando assim um significado comum. Ao conjunto dessas práticas comuns, simbólicas, celebrativas e repetidas, que expressam o que vai no interior e no coração de quem os pratica, chamamos ritual. Ritualismo, porém, pode ser entendido como o apego exterior às regras do ritual, às práticas e aos modos de o fazer. Pode ser expressão disso o termo mais “cerimonial”, que tende mais à forma que ao conteúdo celebrado.

A sociedade – e as confissões cristãs de um modo particular em tempo de Páscoa – foram sabendo recriar novas formas que permitissem a celebração do conteúdo fundamental da fé em tempos de estado de emergência, recriando não só a forma de transmitir esse conteúdo, como de valorizar os aspetos simbólicos próprios deste tempo, tornando cada casa um verdadeiro templo e a família o novo espaço ritual onde a vida e a fé acontecem. A verdadeira liberdade tem sido descobrir que um confinamento não é necessariamente uma prisão e que, apesar de todo o constrangimento, somos chamados a fazer um esforço – também ele mais que simbólico – que fechados em casa não somos privados da liberdade nem de manter, individual e comunitariamente, a celebração fundamental da vida e da fé.

Viver numa espécie de “ritualismo político” é achar que o 25 de abril é monopólio de alguns (contra a participação de todos), que a sua celebração só pode ser feita naquele espaço concreto de Parlamento (porque o cerimonial é mais importante que a celebração) e que o confinamento à casa de cada um perde a sua dimensão simbólica porque há uma casa que se apresenta como mais fundamental que é a Casa da Democracia.

Serão poucos aqueles que não se identificam como o 25 de abril, o seu significado e a conquista democrática que este representa. Ser-se contra a modalidade optada para este ano não é ser contra a grande conquista e o alcance de toda a sua celebração, mas é sentir que a ideologia e o cerimonial matam o esforço que toda a sociedade vem fazendo nas diversas esferas das suas vidas e das suas crenças. Talvez houvesse uma qualquer outra forma de celebrar o 25 de abril, de fazer que ele fosse simbólico e participado, vivido também a partir de cada casa, com riqueza e prazer pelas liberdades alcançadas. Talvez ficar preso à exterioridade dos símbolos seja uma forma ritualista de confinamento simbólico onde a Casa que deveria ser da Democracia e que já fora também de Fé e da Espiritualidade, se transforme num gueto de alguns que, legitimados democraticamente, se parecem comportar de forma despótica e aprisionados a causas políticas e ideológicas e não à riqueza dos valores humanos em questão: o direito à vida e à liberdade. A Democracia não fechou, como a Escola não fechou, a Religião não fechou… tudo se recria e reinventa em tempo de crise. Da nossa Casa de Todos espera-se um pouco mais para que o presente nos aproxime e não nos divida…e o futuro não nos traia.

 

João Alves é padre católico da diocese de Aveiro e pároco da paróquia da Vera-Cruz

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco